Mundo Operário

GANÂNCIA CAPITALISTA

Ganância da Gerdau mata mais dois operários na Usina de Ouro Branco (MG)

Com lucros exorbitantes, a empresa Gerdau é mais uma vez palco de morte dos seus trabalhadores. Dois morreram na manhã dessa terça na Usina de Ouro Branco (MG).

Tassia Arcenio

Contagem, Minas Gerais

terça-feira 15 de agosto| Edição do dia

Foto: Mariela Guimarães

Na manhã desta terça-feira, dois operários morreram na Usina da Gerdau em Ouro Branco (MG) e doze trabalhadores ficaram feridos, dois em estado grave, em uma explosão na Coqueria 2.

Os dois operários que faleceram ainda não foram identificados, sendo um contratado pela própria Gerdau e o outro, prestava serviço através de empresa terceirizada.

Ainda não há notícias sobre o estado de saúde dos trabalhadores acidentados, apenas a informação que os dois operários que estavam na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) foram transferidos para o hospital João XXIII em Belo Horizonte.

Segundo denúncia de um ex-trabalhador da empresa, publicada pelo Jornal O Tempo, o ambiente de trabalho é totalmente inseguro: “Trabalhei por dois anos lá como soldador, mas saí porque sou pai de família e não estava sentindo segurança. É muito gás passando pelas coqueiras, muito perigoso".

A Usina da Gerdau em Ouro Branco, a 101 quilômetros da capital, tem cerca de três mil funcionários e conforme denúncia do Sindicato dos Metalúrgicos de Ouro Branco (Sindob), o fato dos trabalhadores serem proibidos pela patronal de portar celular no interior da Usina, pode ter atrasado o pedido de ajuda.

A siderúrgica Gerdau mais uma vez escancara que não está preocupada com a vida e segurança no trabalho de seus funcionários. Em novembro do ano passado, outros três operários morreram na mesma Usina e em 2015, foram oito mortos também em uma explosão.

O presidente do Sindob, Raimundo Nonato Roque de Carvalho declarou que o histórico de acidentes na Usina se deve à falta de manutenção preventiva: “Atribuímos isso à pura e simplesmente falta de manutenção dos equipamentos. Não tem manutenção preventiva, estamos alertando sobre a situação na usina há dois anos”.

A Gerdau que foi investigada na Operação Zelotes por sonegação fiscal e que no primeiro trimestre deste ano, registrou 823,5 milhões de lucro líquido, escancara que seus ganhos valem mais que a vida dos operários que ali trabalham e impôs que se continuasse produzindo normalmente após a explosão, mostrando que só pode oferecer aos seus funcionários terceirização e precarização do trabalho, acidentes e mortes.

Para o segundo turno, o sindicato bloqueou a entrada principal dos trabalhadores, atrasando a entrada deles, enquanto estes lamentavam a perda dos seus companheiros de trabalho e prestavam sua solidariedade.

É preciso que ocorra uma apuração que seja independente das siderúrgicas e seus representantes, que possam punir os responsáveis por todas essas mortes e pelos acidentes de trabalho, assim como confiscar os bens da Gerdau, revertendo seus ganhos em obras públicas, investimentos na saúde, educação, moradia e demais necessidades da população da cidade. Nossas vidas valem mais que os lucros deles!




Tópicos relacionados

Trabalho Precário   /    Juiz de Fora   /    Contagem   /    Acidentes de Trabalho   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar