Internacional

GREVE GERAL NA FRANÇA

França: Greve histórica e mobilização em massa contra a reforma da previdência de Macron

O primeiro dia de greve na França paralisou setores estratégicos, como transporte e refinarias. Segundo a CGT, 1.500.000 pessoas se mobilizaram em todo o país. Como seguir?

quinta-feira 5 de dezembro de 2019| Edição do dia

Uma greve com enorme adesão em setores cruciais como transporte ou educação na quinta-feira despertou uma resistência, que continuará, à reforma mais arriscada que o presidente da França, Emmanuel Macron, lançou em seu mandato: previdência.

Ainda não se sabe exatamente em que consiste o plano do governo para modificar o sistema de aposentadoria, que no momento é mantido em segredo, mas 71% dos franceses já estavam preocupados com o futuro de sua aposentadoria antes de iniciar a greve, enquanto 60% da população apoia a paralisação contra a reforma.

Um dos aspectos principais da contra-reforma é a eliminação de regimes especiais para trabalhos insalubres, que anos atrás as diferentes administrações procuravam tirar, sem sucesso. Macron nunca escondeu que um dos objetivos de seu mandato era reformar as aposentadorias, acabando com os 42 regimes especiais atualmente em vigor e fundi-los em um sistema por pontos que visa aumentar a idade da aposentadoria e reduzir os anos de contabilização das contribuições, o que reduziria as aposentadorias. Esse cenário piora, levando em consideração o aumento da precarização laboral e do trabalho informal, sem contribuições ou com contribuições mínimas.

Como contra governos anteriores, como Juppé nos anos 90 ou Sarkozy nos anos 2000, a contra-reforma de Macron gerou uma rejeição automática que unificou trabalhadores, estudantes e coletes amarelos em uma luta que nesta quinta-feira 5 teve sua primeira demonstração com a paralisação de setores estratégicos e a mobilização de um milhão e meio de pessoas em todo o país, segundo a CGT.

A paralisação nas ferrovias e o transporte foram muito altos nos centros urbanos, causando uma paralisação geral nas cidades principais.

A Sociedade Nacional de Ferrovias (SNCF) apontou que 55,6% de seus funcionários apoiavam a paralisação, uma porcentagem ainda maior em posições-chave para a operação de trens como maquinistas (85,7%) ou revisores (73,3%). Segundo os sindicatos, a adesão era de quase 70%, chegando a 90% em setores-chave.

Também o tráfego aéreo sofreu sérios distúrbios, o que causou o cancelamento de 20 a 30% dos vôos, segundo o governo.

Na educação, cerca de metade dos professores se juntou ao protesto, o que forçou o fechamento da maioria das escolas na França.

No setor privado, as refinarias foram as mais afetadas. Sete das oito refinarias francesas entraram em greve desde quinta-feira. Emmanuel Lépine, secretário federal da CGT Químicos, disse que "nenhum produto sai, seja por tubo ou por caminhão". Lépine disse que durante as greves anteriores, em 2010 contra a reforma previdenciária de Sarkozy, em 2016 contra a lei El Khomri ou em 2018 por salários, o movimento foi menor do que no dia de quinta-feira.

Uma greve sem fim à vista

No entanto, o verdadeiro problema para Macron é que essa greve é ​​indefinida e os piores presságios sugerem que ela pode durar semanas, talvez até no recesso de Natal.

Já em 1995, uma mobilização de três semanas contra uma reforma semelhante promovida pelo então primeiro-ministro Alain Juppé acabou destruindo o projeto.

Macron se encontrou na quinta-feira com o Conselho de Ministros e lá, como a mídia francesa vazou, pediu ao seu executivo para não "subestimar" as mobilizações de hoje, mas, ao mesmo tempo, permanece firme na necessidade de reformar o sistema. Os ministros de Macron estiveram em diferentes meios de comunicação durante o dia dizendo que respeitavam o movimento, mas não iriam retroceder com o projeto de lei que eles anunciariam na próxima semana.

A rejeição ao plano não foi demonstrada apenas na greve, mas também nas manifestações que levaram centenas de milhares de pessoas às ruas das cidades francesas, a maior das quais ocorreu em Paris.

Entrevistado pela agência da EFE, o aposentado Yves Saintemarie disse: "Não se trata apenas de aposentadorias, trata-se de pessoas em geral que vivem na pobreza e na precariedade. Sou ’Colete Amarelo’ e sindicalista, e é necessário que nosso lutas convirjam, devemos derrubar esse governo que nos mata".

Repressão policial

O governo de Macron havia anunciado a presença de milhares de policiais nas ruas com o objetivo de intimidar os manifestantes e impedir que chegassem às praças centrais de cada cidade. Em Paris, bloquearam as colunas do sindicato por horas, enquanto jogavam gás lacrimogêneo em diferentes setores dos manifestantes para impedi-los de avançar.

No entanto, uma coluna de bombeiros marchando com os manifestantes estava na linha de frente e atirou as cercas que a Polícia havia colocado, permitindo finalmente, que mais de 250.000 pessoas que se mobilizaram na capital se movessem em direção à Praça da República, onde eles terminaram a manifestação.

Rumo à segunda jornada de greve

Para esta sexta-feira, os sindicatos manterão seu desafio, que prevê um novo dia de paralisações no transporte, que poderá ser mantido durante todo o fim de semana.

No momento, os trabalhadores dos transportes da região metropolitana de Paris (RATP) e os professores de várias cidades já votaram pela extensão da greve. Além disso, se já confirmou a continuação da greve na sexta-feira nos trabalhadores ferroviários e aeronáuticos da Air France. Por sua vez, os trabalhadores das refinarias definirão nesta sexta-feira às 14:00 a continuidade da greve, que segundo os líderes da CGT poderá ser renovada até segunda-feira.

O grande teste decisivo para o governo será na próxima semana. O primeiro-ministro, Édouard Philippe, sairá em uma data ainda indeterminada para dar mais detalhes sobre o escopo da reforma. Então saberemos se o anúncio apenas aumentará a raiva e aprofundará os protestos em todo o país.




Tópicos relacionados

Greve Geral na França   /    Emmanuel Macron   /    Internacional

Comentários

Comentar