Política

CRIATIVIDADE

Estadão e Ibope colocam Fake News na capa: "Whatsapp não influiu no 1o turno"

quarta-feira 24 de outubro| Edição do dia

O Estado de São Paulo tem uma longa história de editoriais odiosos e manipulações grotescas das informações para favorecer seus interesses privatistas e de selvagem escravagista ataque aos direitos trabalhistas, mas, dia-a-dia, nestas eleições marcadas pela manipulação e pelo golpismo o jornal da família Mesquita tem se superado. A proeza do dia de hoje é uma capa de sua edição virtual dizendo "Whatsapp teve efeito limitado no 1o turno da eleição, afirma Ibope".


Foto desta matéria em um dos destaques do portal do Estadão às 13:30. Ela foi o maior destaque quase todo período da manhã

O Ibope, instituto de pesquisa com grande credibilidade, mas frequentemente à soldo da TV Globo e do Estadão se presta ao mesmo serviço de limpar o chão sujo das pegadas do judiciário e dos coturnos que o apoiam.

A matéria de hoje estampa a pesquisa que o IBOPE fez perguntando quantos eleitores teriam recebido "propaganda negativa" no whatsapp e conclui que foi igual a quantidade recebida contra Bolsonaro e Haddad. Não entra no mérito do conteúdo sabidamente mentiroso espalhado por empresários que fraudaram as regas eleitorais para favorecer Bolsonaro.

Depois dessa primeira manobra retórica e da pesquisa o artigo conclui "Mesmo entre os 25% de eleitores que afirmaram ter recebido críticas ou ataques, o impacto das mensagens parece ter sido limitado. O Ibope perguntou somente a quem viu propaganda no WhatsApp se o conteúdo ajudou ou não a decidir o voto. Nesse caso, 75% disseram não, e 24%, sim. Em relação ao universo total da pesquisa, os que receberam campanha negativa pelo aplicativo e admitiram que isso influenciou seu voto são apenas 6%."

Seis porcento é uma mega-fraude, um título completamente distinto ao que foi apontado pelo Estadão, algo que pode ter alterado completamente todos resultados.

Trata-se de uma operação jornalística para encobrir qual tem sido a marca fundamental desta eleição: a manipulação pelo judiciário que impõe em quem as pessoas podem votar, proibe entrevistas de Lula, rouba milhões de votos de brasileiros, sobretudo do nordeste usando a biometria de desculpa e ainda é conivente com o crime empresarial em favor de Bolsonaro.

Pode te interessar: "Novas notas sobre a guerra híbrida: o escândalo das fake news a serviço de Bolsonaro e a ação do TSE "




Tópicos relacionados

Mídia   /    Eleições 2018   /    Golpe institucional   /    Política

Comentários

Comentar