Sociedade

CRISE NO OURO VERDE

Escândalo do Hospital Ouro Verde tem nova fase com prisões

sexta-feira 23 de março| Edição do dia

Na quinta-feira, dia 22, foram realizados mandatos de busca e apreensão e prisão temporária como parte da investigação do esquema de corrupção do Hospital Ouro Verde, esquema que envolve a prefeitura de Campinas e a Organização Social Vitale, que administrava o hospital.

Desde o ano passado tem ficado cada vez mais escancarado o caos que a população vive cotidianamente nos hospitais de Campinas. Por trás disso, o descaso da prefeitura de Jonas Donizette (PSB) – que também é investigado - e sua consciente política de precarização do sistema de saúde, e o escândalo de corrupção materializado em milhões desviados e nos automóveis de luxo apreendidos.

As prisões temporárias são de dois envolvidos com o escândalo, o ex-diretor da Secretaria de Saúde, Anésio Corat Júnior, e o ex-servidor municipal, Ramon Luciano Silva. Também em São José do Rio Preto, um médico e um advogado ligados à Vitale foram presos, Osvaldo Perezi Neto e Orlando Leandro de Paula Fulgêncio.

Nos primeiros momentos da investigação, foi encontrado R$1,2 milhões de reais em dinheiro vivo na casa de Anésio Corat, que após esse absurdo, foi inclusive nomeado para novo cargo pela prefeitura, que declarou ter nomeado “por engano”.

Segundo o Ministério Público, o acordo do esquema de corrupção com a Vitale previa o pagamento de R$1,2 milhão para os ex-servidores, que ajudariam na aprovação de contas irregulares. Segundo a Promotoria, o acordo era de pagamento de R$20 mil por mês para cada um dos funcionários. A investigação estima que foi mais de R$4,5 milhões desviados em verbas pública da área da saúde.

Mesmo após o caos instaurado e todas essas denúncias e investigações, a prefeitura mantém a política de destruição da saúde. É o que significa o projeto “Rede Mario Gatti”, que cria uma autarquia para unificar a gestão dos hospitais Ouro Verde e Mario Gatti, além dos Prontos Atendimentos Anchieta, São José, Campo Grande, Carlos Lourenço e o SAMU.

Jonas e os vereadores defensores do projeto dizem que ele possibilitará a redução de custos e a maior flexibilidade, o que segundo a lógica irracional deles, significaria a melhora no atendimento para a população. Para eles o que interessa é o favorecimento das empresas envolvidas, não o atendimento da população e as condições de trabalho dos funcionários.

Para mudar essa realidade, os hospitais devem ser 100% públicos. A saúde deve ser totalmente estatizada e o controle deve estar nas mãos dos trabalhadores e usuários, a quem em primeiro lugar importa a qualidade do serviço prestado.

Veja mais:

Projeto “Rede Mario Gatti” pode aumentar precariedade da saúde em Campinas

Prefeitura relata corte de 624 funcionários do Hospital Ouro Verde em 2017

Descaso de Jonas superlota UPA São José, que demanda por funcionários e equipamentos básicos




Tópicos relacionados

Jonas Donizette (PSB)   /    Campinas   /    Sociedade   /    Campinas

Comentários

Comentar