Educação

13A

Em todo o país, juventude retomará as ruas contra os ataques brutais de Bolsonaro à educação

Mais de 150 municípios terão atos contra retrocessos na Educação; confira a lista.

terça-feira 13 de agosto| Edição do dia

Depois das duas massivas jornadas em torno da defesa do ensino superior público e de qualidade, protagonizadas pela juventude nos dia 15 e 30M, no dia de hoje mais uma vez a juventude das universidades de todo o país sairá às ruas contra os sucessivos ataques por parte de Bolsonaro contra a educação.

O principal centro dos protestos hoje será contra o programa de viés privatizante anunciado pelo governo, o Future-se, que pretende liberar a administração das universidades por fundações e organizações sociais, além da criação de fundos para seu financiamento, medidas que visam mascarar o avanço do capital e a subordinação das universidades à lógica do mercado.

Esse ataque se soma à manutenção dos brutais cortes do começo do ano, 30% do orçamento das universidades, que ameaçam a manutenção das atividades nas universidades federais. De forma escandalosa, enquanto corta da educação, dos R$ 3 bilhões distribuídos por Bolsonaro aos parlamentes pela aprovação da reforma da previdência, ao menos R$ 1 bi foi retirado da educação.

Em contraposição a proporção dos ataques, que tem como intuito arrasar o ensino superior público e de qualidade e minar a autonomia universitária, a burocracia da UNE, comandada a décadas pela UJS, não impulsionou um movimento à sua altura. Ao se recusar a unificar a luta da educação com a luta contra a reforma da previdência, a entidade abriu espaço para a desmoralização do movimento, com a aprovação da reforma da previdência na Câmara e o avanço autoritário do governo. Contra a ação traidora das burocraciais, sindicais e estudantis, é necessário batalhar pela construção de um pólo antiburocrático que construa um plano de lutas consequente à altura de barrar os ataques do governo Bolsonaro à educação e à classe trabalhadora.

Confira a lista dos atos nas capitais:

Norte

Em Rio Branco (AC), os manifestantes programaram o início do ato na Praça da República, às 16h. Em Manaus, o protesto está marcado para 16h, na Praça da Saudade. Já em Boa Vista (RR), o ato sairá da Praça do Centro Cívico, às 16h. A praça Três Caixas D´águas, em Porto Velho (RO), será a concentração do ato para os rondonienses.

Em Belém (PA), os manifestantes partem da Praça da República, às 15h. No mesmo horário, mas em Macapá (AP), o ato parte da Praça da Bandeira. A última manifestação na região Norte será em Palmas (TO), onde o ato partirá às 17h do Parque dos Povos Indígenas.

Nordeste

Em São Luis (MA), a Praça Deodoro é o palco escolhido para a manifestação agendada para iniciar às 15h. Logo cedo, às 8h, piauienses se concentram na Praça da Bandeira, em Teresina (PI). No mesmo horário, mas na Praça da Gentilândia, em Fortaleza (CE), os manifestantes partirão em marcha. Em Natal (RN), a concentração do ato será na frente do shopping Midway Mall.

Às 9h, no Liceu Paraibano, em João Pessoa (PB), começa o protesto. Já em Recife (PE), a manifestação está marcada para às 15h, na rua Aurora. Em Maceió (AL), a ação parte do Centro de Estudos e Pesquisa Aplicada (Cepa), às 8h. Na Praça General Valadão, às 15h, em Aracaju (SE), os sergipanos se reúnem para dar início ao protesto contra os cortes na educação.

Centro-Oeste

Em Campo Grande (MS), o ato está marcado para a Praça Ary Coelho, às 9h. Na Praça Alencastro, em Cuiabá (MT), a partir das 14h, os mato-grossenses se manifestam. Já em Goiânia, o ato sai da Praça Universitária, às 15h. Em Brasília (DF), a manifestação ocorre mais cedo, às 9h, no Museu da República.

Sudeste

Em São Paulo (SP), o ato está marcado para às 16h, no Masp, na avenida Paulista. No Rio de Janeiro (RJ), os manifestantes se concentram na Candelária, às 15h, e depois partem em direção à Petrobrás, incluindo na pauta o combate ao desmonte da estatal. O teatro da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória (ES), é o ponto de partida do protesto dos capixabas, às 16h. Já em Belo Horizonte (MG), os estudantes e trabalhadores marcaram a ação para a Praça da Assembleia Legislativa, às 16h.

Sul

Em Porto Alegre (RS), os manifestantes se concentram na Esquina Democrática, às 18h. Os paranaenses, se manifestam a partir das 17h na Praça Santos Andrade, em Curitiba (PR). Os catarinenses elegeram o Largo da Catedral, em Florianópolis (SC), para o ponto de encontro do protesto, que começa às 16h.




Tópicos relacionados

Weintraub   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Universidades Federais   /    Universidade   /    Educação

Comentários

Comentar