Sociedade

EUA | Como barrar uma eleição roubada: mobilizando os sindicatos

A estratégia eleitoral de Trump é atacar o direito ao voto em uma tentativa de roubar a eleição. Nossos sindicatos têm um papel crucial a desempenhar não apenas em detê-lo, mas também na luta por uma democracia real além dos dois partidos da classe dominante.

quarta-feira 14 de outubro| Edição do dia

1 / 1

Trump deixou claro que uma parte fundamental de sua estratégia eleitoral será lançar dúvidas sobre os resultados das próximas eleições, usando ameaças de violência da extrema direita, ataques aos Correios e a natureza não democrática da própria máquina política dos EUA .

Tatiana Cozzarelli escreveu para o Left Voice relatando que Trump está atacando algumas das normas mais básicas do sistema eleitoral dos EUA. Ele se recusa a dizer que aceitará os resultados da eleição ou se comprometerá com uma transição pacífica de poder. Em vez disso, no primeiro debate presidencial, ele disse aos Proud Boys (uma organização neofascista) para "recuar e ficar de prontidão". Sua campanha também está reunindo o que chama de “exército de fiscais das urnas”, tudo parte de uma campanha de intimidação durante a votação. Com tudo isso, vemos Trump apoiando qualquer grupo que use a violência para criar confusão na noite da eleição.

Ao mesmo tempo, Trump repete constantemente a ideia completamente falsa de que os votos por correio serão crivados de fraude - para desacreditar o grande número de cédulas eleitorais por correio que provavelmente favorecerão fortemente Biden. Ele também está atacando a capacidade dos Correios de entregar essas cédulas. Ele instalou seu lacaio, Louis DeJoy, para supervisionar a sabotagem das operações dos Correios, incluindo atrasar a entrega de correspondência removendo máquinas de triagem e retirando caixas de correio das esquinas. Essa sabotagem, no entanto, é parte de um conjunto de ataques mais amplos ao serviço postal norte-americano (USPS) por parte do governo de Trump, que tem por anos o objetivo de esvaziá-lo e privatizá-lo - parte de uma campanha que já dura décadas sob o comando de presidentes democratas e republicanos.

Mas, como observou Cozzarelli, ecoando uma análise publicada na revista O Atlântico, a natureza não democrática da política dos EUA torna a tentativa de Trump de roubar a eleição mais fácil. Por exemplo: se Trump e seus apoiadores podem semear caos suficiente na noite da eleição - declarando que ganhou antes da contagem total dos votos, alegando que as cédulas pelo correio são fraudulentas, usando violência ou alegações de fraude para interromper a votação ou contagem de votos, etc. - ele também pode contar com o antidemocrático Colégio Eleitoral (órgão que vota e oficialmente decide quem é presidente a cada quatro anos). Com dúvidas suficientes sobre o voto popular, as legislaturas de estados decisivos, como a Pensilvânia, poderiam indicar eleitores que sabidamente votarão em Trump. E Trump já anunciou que está planejando uma crise eleitoral que será resolvida pela Suprema Corte e não pelos eleitores.

Os democratas não podem nos ajudar

É verdade que a estratégia de Trump está longe de garantir sucesso. As milícias de direita que seu governo tem encorajado por muito tempo ainda são marginais. A tentativa de Trump de manipular o Colégio Eleitoral ainda parece ser um tiro no escuro. Os democratas, observando a grande vantagem nas pesquisas de Biden sobre Trump, esperam que uma vitória esmagadora de Biden na noite da eleição fará com que as manobras de Trump não deem em nada. Ainda assim, uma vez que muito mais democratas do que republicanos estão planejando votar pelo correio, os ataques aos direitos do eleitor podem enfraquecer essa vantagem, e a eleição de 2016 mostrou como os números das pesquisas podem ser instáveis.

A possibilidade de Trump realmente roubar esta eleição pode não ser grande, mas a ameaça ainda é real. E as manobras de Trump podem ter um efeito poderoso, mesmo se ele for chutado do cargo. Uma resposta fraca em defesa da democracia apenas encorajaria ainda mais a direita, os supremacistas brancos e suas milícias muito além da eleição.

Apesar do que os democratas querem que pensemos, a solução não é Biden. Biden e seu Partido Democrata estão deixando claro: eles não têm absolutamente nenhuma intenção de convocar mobilizações em massa para combater a ameaça às eleições. E eles não têm absolutamente nenhuma intenção de se livrar do Colégio Eleitoral ou da Suprema Corte antidemocrática que Trump pretende fazer uso - sem mencionar outras instituições autoritárias como o Senado e a própria presidência. Na verdade, neste verão, em várias cidades, foram os governos liderados pelo Partido Democrata que atacaram violentamente o direito democrático de protestar durante o levante contra a polícia racista.

Não há um erro na afirmação de que Biden e os democratas não tenham um plano real para defender e expandir a democracia. Ir mais longe significaria apontar para a solução real: ação militante em massa para protestar contra a tentativa de Trump de tomada de poder, intimidar e derrotar a organização da supremacia branca e garantir a segurança das urnas. Essas são tarefas que apenas a classe trabalhadora e os demais setores oprimidos tem o poder e o interesse material de realizar.

O Partido Democrata, assim como o Partido Republicano, é um partido da classe dominante. O indício mais claro disso é a vantagem que Biden tem na quantidade de dinheiro que sua campanha está arrecadando de Wall Street, bem como no grande número de bilionários doando para sua candidatura eleitoral. Se os democratas clamarem por mobilizações de massa, eles podem ajudar a libertar mais uma vez o poder da classe trabalhadora e dos demais oprimidos - poder que foi mostrado na revolta massiva e histórica contra a polícia neste verão. O Partido Democrata prefere que Trump esteja no cargo - ele pode ser imprevisível, mas tem sido um presente para a classe dominante desde o início - do que ajudar a desencadear outra onda desse levante.

Trabalhadores - e especialmente sindicatos - são a chave

O que precisamos agora é uma luta militante da classe trabalhadora contra os ataques às eleições.

Os trabalhadores são a chave da economia. Nós, trabalhadores de todo o mundo, somos nós que tratamos os pacientes, fabricamos as mercadorias (como carros, comida e casas), dirigimos os caminhões e ambulâncias, lecionamos, fazemos os telefonemas, vendemos os hambúrgueres, vendemos os mantimentos e limpamos os edifícios que mantêm o capitalismo funcionando. As paralisações da pandemia foram um lembrete gritante do que os marxistas vêm dizendo há cerca de 175 anos: sem trabalhadores, a economia para e os lucros param de fluir.

Os sindicatos, em particular, têm um papel crucial a desempenhar. Eles são a principal forma de os trabalhadores se unirem para se proteger da sede infinita de lucros dos patrões. A filiação sindical pode estar em níveis baixos, mas os sindicatos estão longe de ser impotentes. Em Nova York, cerca de um em cada quatro trabalhadores está sindicalizado. Milhões de trabalhadores em todo o país são representados por sindicatos. E o mais importante, alguns dos setores mais estratégicos da economia hoje são altamente sindicalizados: na educação pública, por exemplo, em uma exibição de força tão poderosa na greve em massa de professores da Virgínia em 2018; e no transporte, incluindo muitos motoristas de ônibus e condutores de trem, os caminhoneiros e os trabalhadores portuários. Esses trabalhadores foram subitamente valorizados durante a fase inicial da pandemia, quando patrões e políticos “descobriram” o quão essenciais esses trabalhadores realmente são.

Esse poder significa que os sindicatos têm um papel fundamental a desempenhar na crise atual. Precisamos de uma luta operária militante orquestrada, especialmente por parte de nossos sindicatos, para impedir o ataque de Trump à eleição e para intimidar e humilhar os supremacistas brancos que ele tem encorajado para que eles voltem para os seus cantos.

E precisamos desafiar e rejeitar os democratas também - que não estão apenas enfiando suas cabeças na areia enquanto gritam "Vote!", Não apenas falhando em clamar por uma democracia real e substantiva, mas também liderando o ataque frontal ao direito democrático de protestar contra a polícia, ao mesmo tempo em que defende os policiais que matam negros e pardos.

Os burocratas sindicais estão bloqueando nosso caminho a seguir

Precisamos nos preparar para essa luta militante agora - organizando nossos sindicatos para dar passos concretos para enfrentar a ameaça e proteger os vestígios de democracia nos EUA.

E, no entanto, é exatamente isso que os burocratas sindicais em todos os níveis se recusam a fazer. Em vez disso, eles estão agindo como cachorrinhos de Biden. À medida que os ataques de Trump às eleições se desenrolavam, os líderes sindicais no CWA, AFT, SEIU, NEA entre outros têm simplesmente implorado a seus membros para votarem em Biden e perderem seu tempo fazendo transações bancárias por telefone para a campanha de Biden. Eles estão pedindo esse apoio, apesar do fato de que Biden é o candidato preferido de Wall Street e dos bilionários, e apesar do fato de o Partido Democrata ter se mostrado repetidamente um inimigo dos trabalhadores organizados. Os democratas deram enormes auxílios financeiros à classe dominante enquanto se recusaram a aprovar uma importante legislação pró-sindicato, defendem o encarceramento em massa e defendem os policiais que assassinavam negros e pardos.

Os líderes sindicais auxiliam a manter o Partido Democrata próximo dos os bilionários e patrões. Os burocratas sindicais usam uma linguagem radical fingida sobre o poder dos trabalhadores e até mesmo as greves, mas se recusam a ajudar a construir o poder de base e a organizar a preparação da greve militante em todo o país que seria necessária para manter os trabalhadores seguros e repelir os ataques dos patrões durante a pandemia. Eles até lutam para minar, silenciar e atacar os setores radicais de seus membros.

Por exemplo: Randi Weingarten, chefe da Federação Americana de Professores (AFT, sigla em inglês), um dos maiores sindicatos dos Estados Unidos, pareceu repentinamente tornar-se mais radical este ano. Ela endossou a ideia de “ataques de segurança” por professores filiados ao AFT sendo forçados a voltar para a sala de aula durante a pandemia. Mas este foi um gesto “frouxo”, sem qualquer compromisso real para ajudar na preparação para greves em todo o país. Em vez de se mobilizar em massa para construir o poder da onda de greves de professores de 2018, Weingarten está concentrando as energias dela e da AFT em sessões fotográficas com Biden e convocando os membros para ajudar em sua campanha.

Em Nova York, os líderes do sindicato dos professores de escolas públicas - o UFT - ameaçaram com uma votação de autorização de greve contra o retorno inseguro à sala de aula. Mas no último minuto, os burocratas fecharam um acordo de bastidores com os democratas da cidade que nem chegou perto de lidar com os profundos problemas de segurança que surgem com o ensino em uma pandemia. Os burocratas, em outras palavras, fizeram um acordo que isolou os professores da base que lutavam contra a reabertura - e então ficaram ombro a ombro com os políticos democratas para tentar vender a jogada como uma vitória, em vez do fracasso e traição que isso realmente foi.

Mais do que isso, Richard Trumka, chefe da AFL-CIO (a maior central sindical do país), deu as costas à classe trabalhadora e aos oprimidos pelos quais afirma lutar. Apoiando e fazendo campanha para Biden, Trumka se recusa a expulsar policiais da AFL-CIO - encobrindo os bandidos que assassinam negros e pardos a sangue frio e que espancaram impiedosamente a revolta liderada por negros neste verão.
Como os democratas, nossos líderes sindicais têm pavor do poder da classe trabalhadora. O perigo para eles é o seguinte: uma base militante, agitadora, pronta para a greve se voltar contra o Partido Democrata e ameaçar a posição calorosa e confortável dos burocratas sindicais ocupam no colo dos senhores da classe dominante.

Preparar-se para enfrentar a crise agora significa desafiar e romper com esses burocratas.

Para onde agora?

O que precisamos agora é de luta militante da classe trabalhadora em nossos sindicatos contra e além dos partidos da classe dominante.

Isso significa organizar, de baixo para cima, nossos colaboradores sindicais para proteger nossas seções eleitorais. Significa criar imediatamente comitês comuns para organizar greves contra a ameaça de ataques às urnas, interrupções na contagem de votos por correspondência etc. Significa conectar esses comitês com outros sindicatos e organizações da classe trabalhadora e dos oprimidos nas ruas para que possamos coordenar nossas ações de massa. E, fundamentalmente, significa romper nossos laços sindicais com o Partido Democrata, que mais uma vez mostrou sua total falência em face desta crise.

Ao longo do caminho, precisamos pressionar nossos burocratas sindicais em todos os níveis - local, estadual e nacional - para desbloquear o caminho para o poder efetivo e militante das bases dos trabalhadores. E temos que empurrar constantemente esses líderes para apoiar e expandir nossos esforços comuns como e sempre que possível. Em momentos de luta intensa, provavelmente será necessário expulsar esses líderes e substituí-los por trabalhadores realmente comprometidos com uma luta radical pelos trabalhadores e oprimidos.

Nem Biden nem nossos líderes sindicais vão nos salvar. Agora é a hora de organizar nossos sindicatos para a luta de classes militante - contra Trump, Biden e os lacaios da burocracia sindical de Biden - estabelecendo as bases para uma democracia real para a classe trabalhadora e oprimida: o socialismo.

Tradução de https://www.leftvoice.org/how-to-stop-a-stolen-election-mobilize-the-unions




Tópicos relacionados

Sindicatos   /    Joe Biden   /    Donald Trump   /    Sociedade   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar