SAÚDE DO RIO DE JANEIRO

Crivella foge da justiça e trabalhadores da saúde podem virar o ano sem receber salário

quarta-feira 11 de dezembro de 2019| Edição do dia

Com cerca de mil trabalhadoras e trabalhadores da saúde em manifestação do lado de fora, hoje o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro suspendeu a audiência marcada com a prefeitura, para tratar do pagamento de dois meses de salário atrasado. A audiência foi adiada para amanhã, quando também haverá nova manifestação dos trabalhadores da saúde. Crivella não compareceu e, portanto, não houve previsão de pagamento dos servidores contratados das Organizações Sociais de Saúde do município.

Depois que o primeiro arresto de contas da prefeitura municipal foi suspendido pelo TST à pedido da AGU de Bolsonaro, com o argumento de que aquela verba arrestada não poderia ser utilizada para o pagamento da saúde, o desembargador Cesar Marques Carvalho um novo arresto no mesmo valor de R$ 325 milhões. Com esta segunda decisão, o TRT havia dado o prazo de 24 horas para que a prefeitura apresentasse contas que pudessem ser utilizadas para o pagamento dos trabalhadores.

O prazo venceu hoje, e o prefeito Crivella fugiu da justiça. O TRT declarou a legalidade da greve e deu mais uma semana para a prefeitura apresentar estas contas. Enquanto isso, milhares de trabalhadores, cerca de 22 mil terceirizados das OSs, passam o sufoco de ter atrasados 2 meses de salário, e, junto com isso, pressões das chefias para ir trabalhar mesmo sem os vales-transporte e alimentação, em condições caóticas com falta de medicamentos e insumos, estrutura precária e falta de condições para atendimento básico à população, aos trabalhadores e ao povo pobre.

Crivella, que fugiu da justiça assim como fugiu, com medo, dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde, foi à Brasília hoje pedir socorro ao seu aliado, no que diz respeito ao ataque aos trabalhadores, o presidente Jair Bolsonaro. Gravou um vídeo afirmando que conseguiu a liberação de verba para o pagamento de 5 mil Agentes comunitários de Saúde e Técnicos em enfermagem, que publicou em sua página:

Crivella sentiu a pressão da mobilização e correu atrás de Bolsonaro para tentar a liberação de algum dinheiro. A mobilização da saúde mostrou que pode ir por muito mais, juntos podemos impor o pagamento de todos os salários e a defesa intransigente do SUS.

Crivella tenta manobrar e passar a perna na mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde, sentiu a pressão da mobilização da saúde e anunciou um pagamento parcelado, tentando dividir a categoria - e enquanto isso entra com inúmeras ações na justiça para impedir o arresto de contas, e não comparece e não apresenta as contas municipais exigidas nas intimações do TRT. Com esta manobra, pretende manter o calote tendo em vista que conta com inúmeras medidas de protelação na justiça, como a última decisão do TST que impediu o arresto anterior.

No mesmo vídeo, Crivella anuncia a liberação de R$ 36 milhões para os Hospitais Albert Schweitzer e Pedro II. Este valor, que deveria ser utilizado para recompor ambos hospitais abandonados pelo poder público, é menor do que o gasto em publicidade e propaganda feito pela prefeitura nos últimos dois anos - gastos, aliás, usados para melhora a imagem de Crivella depois de tantos vacilos com os serviços públicos municipais.

Saiba mais: Esquerda Diário lança campanha de apoio à luta da saúde no Rio e contra os ataques de Crivella




Tópicos relacionados

Greve na saúde do Rio   /    Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar