×

UFRN | Assembleia geral já pra organizar a luta contra o Ensino Remoto na UFRN!

A Reitoria autoritária da UFRN aprovou um semestre obrigatório e remoto sem garantir que todos os estudantes tenham acesso em meio ao pico da pandemia no Estado. Os estudantes organizaram um twittaço na última quinta-feira (23), que fez com que seu repúdio ficasse entre os assuntos mais comentados do Twitter, evidenciando sua indignação e disposição de luta, por isso é urgente que o DCE da UFRN convoque uma assembleia geral dos estudantes, para que se possa organizar uma mobilização que imponha um plebiscito que defina os rumos da universidade, onde quem decida seja a própria comunidade acadêmica.

Marie CastañedaCoordenadora do CACS Marielle Franco da UFRN (Ciências Sociais)

sábado 25 de julho de 2020 | Edição do dia

A Reitoria da UFRN aprovou semana passada o semestre 2020.6 obrigatório e remoto, que na própria minuta se colocou a não garantia de auxílio para todos os estudantes. Frente a situação pandêmica do Rio Grande do Norte de 46.683 casos confirmados e 1.666 óbitos, além do aumento do desemprego com 53.151 demissões este ano, a Reitoria reduziu e cortou brutalmente as bolsas de estudantes e ainda quer obrigá-los a fazerem um semestre por ensino remoto. Este tem sido o mesmo percurso excludente de quando foi aprovado o semestre 2020.5. Inclusive o próprio DCE da UFRN realizou uma pesquisa, na qual constatou que 75% dos estudantes são contrários a implementação do ensino remoto.

Isso deixa claro que o projeto de educação da Reitoria vai na contramão de por as universidades a serviço dos estudantes e trabalhadores. Uma das resoluções mais escandalosas é o auxílio instrumental, aprovado no valor de R$ 600,00 e exclusivo apenas para estudantes com renda equivalente a no máximo um salário mínimo como renda per capita e aprovado em contrapartida com a suspensão dos salários dos trabalhadores terceirizados do Restaurante Universitário. Uma medida escandalosa que exclui e impossibilita a permanência de milhares de estudantes e que coloca seus interesses em contraposição à manutenção de famílias trabalhadoras.

Tal projeto, não atoa, faz parte dos próprios interesses do governo Bolsonaro-Mourão de sucatear as universidades públicas, como é evidente desde o começo de 2019, quando começaram duros cortes na educação, ataques reacionários ideológicos e afins. A Reitoria implementa esses projetos federais na UFRN, o que foi possível notar quando o Reitor não se posicionou quanto a implementação do Future-se e como reagiu aos cortes de verbas. Para Bolsonaro, militares e privatistas, o melhor possível é que se implemente de fato o ensino remoto nas universidades, precarizando-as e expulsando os estudantes negros e pobres de dentro delas, porque esse é um caráter racista do próprio governo, que, inclusive, mostra-se claro na fala do seu ex-ministro da educação Abraham Weintraub que disse “não querer mais” sociólogo, antropólogo e filósofo com “o seu dinheiro”, ou com recursos vindos de impostos. Este mesmo ministro que foi substituído por um militar reacionário assim como muitos outros que estão no governo.

A situação no país é assustadora e, frente a isso, os entregadores mostraram um caminho no começo do mês com o primeiro breque dos apps e hoje no segundo breque. Esse exemplo dos trabalhadores que começam a se auto-organizar tem que ser seguido pela juventude que se indigna contra o governo e contra a Reitoria.

Em um caminho oposto a esse, o DCE da UFRN, que é composto pelo Juntos (PSOL), PCB e PCR, cumpriu um papel de fazer com que a indignação estudantil se canalizasse para desenvolver um projeto alternativo de implementação de ensino remoto, que necessariamente significaria a implementação do ensino remoto, em um modelo menos pior, o que evidentemente foi completamente ignorado pela Reitoria. Estamos em um momento eum que a universidade não devia estar servindo para garantir crédito, mas sim para garantir a produção de conhecimento a serviço da população e da classe trabalhadora que enfrenta a pandemia.

Nós da Faísa denunciamos essa atuação de organizações que se colocam como oposição à direção da UNE, composta pelo PcdoB, PT e Levante Popular da Juventude, que desde o início da pandemia colaboram com a implementação de EAD, como com a realização de um podcast sobre a garantia do ensino democrático com o Reitor da UNICAMP, uma das primeiras a implementar o ensino remoto obrigatório, medida que prejudiou diversos estudantes, em especial indígenas e quilombolas.

Nos recusamos a desvincular esse tipo de atuação das respostas políticas oferecidas frente à crise sanitária, econômica e política, na qual o negacionismo e reacionarismo de Bolsonaro, Mourão, os militares é respondido com medidas de estabilização das crises políticas pelos governos do PT e do PcdoB no Nordeste, como Fátima Bezerra no RN, que chegou a afirmar que o governo federal teria compromisso com a população e são signatários de um mesmo impeachment “popular” como as organizações que compõe a gestão do DCE, que deposita a confiança na reacionária Câmara dos Deputados e no STF que manipulou as últimas eleições presidenciais e aprovou a terceirização irrestrita, para defender seus interesses, colocando máxima hierarquia em derrubar Bolsonaro, contra quem compartilhamos o mesmo ódio, mas não esquecemos o saudosista militar General Mourão que é seu vice.

A luta contra Bolsonaro deve apontar o caminho para tirar das mãos dos militares e dos autoritários juízes os rumos do país. Não basta mudar os jogares, é necessário mudar todas as regras desse jogo golpista, racista e anti-operário. Por isso defendemos uma nova Constituição, cujas leis sejam definidas pelos trabalhadores, pobres e oprimidos, enfrentando contra os interesses capitalistas para resolver cada demanda candente da população, impondo pela luta uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana.

É preciso que nós estudantes tomemos o rumo do movimento estudantil nas nossas próprias mãos para podermos decidir. Nós defendemos o chamado imediato de uma assembleia geral para poder se organizar e impor um plebiscito para decidirmos o rumo das universidades. A defesa de que nenhum estudante fique para trás não pode se transformar em palavras ao vento, mas uma batalha para que isso verdadeiramente não ocorra.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias