Gênero e sexualidade

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Após espancar esposa, sargento do exército recebe apoio de amigos

quinta-feira 30 de junho de 2016| Edição do dia

Joel Jorge, sargento do exército denunciado pelo próprio filho por espancar a esposa, Fabiane Boldrini, de 34 anos, recebeu mensagens de apoio através de redes sociais. Entre as mensagens enviadas por amigos e parentes, algumas diziam "Estamos juntos sempre!", "Deus é contigo" e "Sò você, Deus e ela sabem o porquê do ocorrido. Você não tem necessidade disso, mulher não falta espero eu". Mais uma demonstração da naturalização e culpabilização da vítima que a sociedade insiste em impôr em todas as formas de violência contra as mulheres.

No mesmo tom, o sargento respondeu, também através das redes sociais, com um frouxo pedido de desculpas dizendo ter errado "apenas quando bateu" na esposa, à quem, segundo familiares, não foi a primeira vez que agrediu. Ele também minimizou a agressão que desfigurou o rosto da esposa e lhe quebrou o nariz, "(...) Gostaria que todos olhassem a foto e vissem se foi espancamento. Não sou um monstro".

Foi o filho do casal de apenas 11 anos quem fez a denúncia da agressão publicando as fotos da mãe desfigurada no Facebook. "Por mais que ele tente se explicar, isso não tem justificativa, ela é vitima dele por muitos anos. Ele fraturou o nariz dela com um soco porque ela disse que não queria mais viver com ele, aguentando tudo. Eu sou testemunha."

O sargento foi denunciado pelo Ministério Público do RJ que pediu sua prisão preventiva. Porém, como centenas de casos de agressão contra a mulher, a justiça não deve ser uma garantia de punição ao agressor, uma vez que é muito comum casos como esse serem minimizados como "brigas de casal" ou mesmo nem sequer sendo relatados oficialmente.




Tópicos relacionados

Violência contra a Mulher   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar