Internacional

Europa

Alemanha cria um Estado policial para conter o coronavírus

A chanceler Angela Merkel anunciou quarta-feira à noite que estão frente ao "maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial", e anunciou "restrições como nunca antes visto na república federal". Uma antecipação dessa situação já está sendo vivida com o estado de catástrofe e a militarização na região da Baviera.

quinta-feira 19 de março| Edição do dia

Publicamos em português artigo originalmente em espanhol, escrito por Marco Blechschmidt para o La Izquierda Diario, que faz parte da mesma rede internacional de diários digitais que o Esquerda Diário.

Os confinamentos e as quarentenas estão se multiplicando em todo o mundo. Na Alemanha, a Baviera declarou "estado de catástrofe". Um sintoma importante no caso do maior e mais populoso estado federal da Alemanha. Após essa medida, o governo ameaçou o destacamento das Forças Armadas.

O discurso da chanceler Angela Merkel na noite de quarta-feira, pedindo colaboração dos cidadãos sobre "o maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial" e anunciando "restrições como nunca antes na república federal", é uma antecipação do que pode vir a ser feito e da militarização que já tem seu teste piloto na região da Baviera.

Nos últimos dias, a Europa se tornou o centro da pandemia global de coronavírus. Na terça-feira, o Instituto Robert Koch (a instituição federal de controle e prevenção de doenças) estimou que o risco na Alemanha é alto. Os governos europeus estão reagindo a isso com medidas de longo alcance que interferem profundamente nas liberdades de movimento das pessoas. Depois da Itália, do Estado Espanhol e de partes da Áustria, a França também está sujeita a um toque de recolher de duas semanas a partir de terça-feira. Na Baviera, o desastre está em vigor desde segunda-feira. A mídia estatal Tagesschau intitulou acertadamente: "Controlar, selar, fechar".

Essa centralização é chamada de "cooperação civil-militar" e representa mais um passo em direção à militarização interna ao legalizar o destacamento das Forças Armadas nas ruas e para o controle da população.

O ministro federal da Saúde, Jens Spahn, a chanceler Angela Merkel e o primeiro ministro da Baviera, Markus Söder, se apresentam como os gestores da crise. Este último é elogiado pelo jornal Süddeutsche Zeitung por liderar a Baviera na crise "sem alarmismo, mas com enfaticidade".

E, de fato, com a proclamação do estado de catástrofe, a Baviera assumiu um papel pioneiro. Pela primeira vez na história do Land (região), o estado de catástrofe não foi decretado apenas regionalmente, mas aplicado a todo o território da Baviera. Embora afirmem que isso é "principalmente uma questão organizativa" e, portanto, "menos espetacular do que o nome sugere", ela abre a porta para medidas mais autoritárias.

Em essência, a gestão de desastres significa que todas as organizações e autoridades responsáveis ​​pela proteção civil estão sob comando unificado. Isso inclui não apenas organizações civis de ajuda voluntária, como o corpo de bombeiros ou a Agência Federal Alemã de Assistência Técnica, mas também as Forças Armadas Federais. Na linguagem das autoridades, essa centralização é chamada de "cooperação civil-militar". Na realidade, representa mais um passo em direção à militarização interna, legalizando o destacamento da Bundeswehr (Forças Armadas) nas ruas e controlando a população.

Obviamente, a capacidade médica da Bundeswehr deve estar disponível para o atendimento das pessoas afetadas. Mas isso deve acontecer sob o controle de trabalhadores e especialistas e não sob o controle dos militares ou do Ministério da Defesa.

A lei de controle de desastres da Baviera permite que a autoridade pública "exija que qualquer pessoa forneça serviços, equipamentos e trabalho". Basicamente, isso significa ser capaz de forçar a população a trabalhar e realizar confiscos. Além disso, o artigo 19 da Lei de Proteção contra Desastres estabelece que os direitos elementares básicos podem ser suspensos: "O direito à integridade física, liberdade da pessoa, liberdade de reunião, liberdade de movimento e inviolabilidade do domicílio podem ser restringidos com base nesta lei".

Ainda não está claro até que ponto o governo da Baviera fará uso dessas possibilidades nas próximas semanas. Na cidade de Mitterteich, no Alto Palatinado, o primeiro toque de recolher já está em vigor desde quarta-feira e provavelmente será declarado em outros departamentos. A mídia pública Bayrischer Rundfunk explica: "O toque de recolher será monitorado pela polícia. Multas e até dois anos de prisão ameaçam em caso de descumprimento, declararam na conferência de imprensa". E mesmo além disso, um direito democrático fundamental já foi suspenso: todos os eventos e assembleias estão proibidos em toda a Baviera, e regulamentações similares existem em outros estados federais.

Em Hamburgo, o vírus está sendo usado como desculpa para interromper o protesto: a tenda de protesto de um grupo de refugiados foi evacuada pela polícia na segunda-feira. Assim, com esse pretexto, o Senado de Hamburgo está levando refugiados para uma situação de rua. Esse isolamento não os protegerá da infecção, mas aumenta o perigo para um grupo marginalizado com acesso limitado à saúde pública.

Não há dúvida de que reuniões com muitas pessoas podem facilitar a propagação do vírus. Do ponto de vista epidemiológico, é claro, restringir os contatos interpessoais é certamente urgente. É precisamente por esse motivo que faz sentido evitar grandes reuniões de pessoas.

Mas se querem tirar proveito da crise atual para impedir protestos ou impor medidas indesejadas de maneira autoritária e sem resistência, é preciso se mobilizar. Se formos forçados a sair às ruas para defender a nós e a nossas condições de vida, a decisão sobre a responsabilidade ​​por nossa vida social, democrática etc. não deve ser tomada pelo Estado e seus órgãos repressivos. Portanto, embora exista uma interferência na liberdade de movimento, as assembleias das organizações sociais, sindicais etc. devem poder atuar, se essas organizações, aconselhadas por especialistas em saúde, considerarem necessário.

Por isso, rejeitamos qualquer ação repressiva contra as massas e suas mobilizações (organizadas ou espontâneas) disfarçadas de políticas de saúde. Não é o governo que deve decidir se uma manifestação ocorre, mas as organizações em luta, com o aconselhamento de especialistas e cientistas.

Obviamente, medidas drásticas precisam ser tomadas para conter a crise. No entanto, seria um grande erro confiar nas forças repressivas do Estado e nos empresários. A forma de sair da crise depende em grande medida de quem toma as decisões, quem as impõe e quem as revisa. Somos a favor de confiscos e expropriações que sejam levados a cabo para administrar a crise.

Isso requer uma centralização de todo o sistema de saúde sob um plano geral centralizado - controlado democraticamente pelos trabalhadores - que inclua laboratórios, clínicas particulares de produtores de produtos médicos, luvas, desinfetantes, etc., na perspectiva de sua completa desapropriação sem indenização e sob gestão de seus trabalhadores e especialistas e com o controle de parte da população. Isso também inclui o fornecimento massivo de equipamentos de teste e equipamentos respiratórios para fornecer atendimento integral a toda a população, bem como a organização imediata de todo o pessoal médico e de enfermagem necessário (incluindo treinamento de estudantes de medicina e enfermagem) )

Todo o sistema de saúde deve ser controlado por comitês de higiene compostos por trabalhadores e usuários. Nas empresas que precisam continuar produzindo para gerenciar a crise da saúde e fornecer bens e serviços vitais - como transporte, energia, supermercados ou outros serviços - devem ser estabelecidos comitês de higiene e segurança que possam controlar os turnos, as medidas de segurança e as novas contratações. Todos os direitos trabalhistas e sindicais devem ser garantidos.

Os trabalhadores na Itália e no Estado Espanhol, que pararam de trabalhar para lutar contra a resposta inadequada de seus chefes à crise, estão mostrando um caminho que pode ser uma alternativa real. É necessário seguir o exemplo deles e também resistir à ameaça de militarização e a qualquer solução autoritária para a crise.

A questão é: quem estaria mais preparado para saber como não prejudicar a saúde dos trabalhadores que eles mesmos, que estão potencialmente expostos à infecção todos os dias nas fábricas? Quem sabe da saúde dos pacientes e de como não colocá-los em risco - se não aqueles que precisam cuidar deles todos os dias?

Portanto, para superar efetivamente a crise, será necessário colocar sob o controle dos trabalhadores os ramos da economia necessários para administrar a crise da saúde e garantir infraestrutura e serviços vitais. Dessa forma, a redução do horário de trabalho poderia ser garantida com compensação salarial integral e condições saudáveis ​​e seguras, assim como os serviços e suprimentos necessários à população.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Europa   /    Internacional

Comentários

Comentar