Sociedade

CARNAVAL 2020

2º Dia de desfiles no Rio traz mais críticas ao governo e homenagem a Elza Soares

O carnaval 2020 segue politizado, confira alguns destaques no 2° dia dos desfiles no Rio de Janeiro.

terça-feira 25 de fevereiro| Edição do dia

A São Clemente levou para a avenida o enredo "O Conto do Vigário", sobre as enganações a que o povo brasileiro foi submetido ao longo da história e às tentativas de se dar bem enganando os outros. O enredo foi exatamente igual ao apresentado pela Acadêmicos de Vigário Geral, que integra a segunda divisão e desfilou na última sexta-feira, 21.

Naquele desfile, o destaque foi um carro alegórico que representava o presidente da República, Jair Bolsonaro, como o palhaço Bozo fazendo com a mão o símbolo de uma arma.

Desta vez, Bolsonaro não foi representado em escultura, mas pelo humorista Marcelo Adnet, que é um dos autores do samba-enredo da São Clemente, cheio de menções a fake news e a laranjas.

O humorista desfilou no quarto carro alegórico e atravessou a Sapucaí fazendo imitações de Bolsonaro. Além de jogar laranjas para a plateia, fez uma série de gestos tradicionais do presidente, como a ’arma’ com as mãos, a continência militar e até desajeitadas flexões de braço.

"O brasileiro é muito bom de fazer piada com a sua própria desgraça", disse Adnet ao final do desfile. "O conto do vigário é isso: uma coisa que começa engraçada, uma malandragem inocente, que depois é institucionalizado e vira uma coisa mais séria", refletiu.

A Mocidade prestou homenagem à cantora Elza Soares. Criada na Vila Vintém, favela da zona oeste do Rio que é o berço da escola de samba, a artista de 89 anos desfilou em um trono, no último carro alegórico, e foi aclamada pelo público.

Com um dos sambas mais aclamados do ano, fácil de cantar e carregado de drama - como a vida de Elza - na interpretação de Wander Pires, a escola levantou a plateia pela força do enredo. Emocionada, a cantora Sandra de Sá, uma das autoras da música, era das mais empolgadas.

A Salgueiro, escola frequente candidata ao título, desta vez apresentando a história de Benjamim de Oliveira (1870-1954), o primeiro palhaço negro do Brasil.

A escola apresentou alegorias e fantasias luxuosas, e uma crítica social mais ácida: o palhaço representado no último carro alegórico movimentava o braço para esconder o rosto negro com uma máscara branca.




Tópicos relacionados

CARNAVAL 2020   /    Jair Bolsonaro   /    Sociedade

Comentários

Comentar