www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 25 de Noviembre de 2020
10:05 hs.

Twitter Faceboock
MÚSICOS EM DEFESA DA PALESTINA
Pink Floyd declara apoio a ativistas pró-Palestina
Vanessa Dias

Não pela primeira vez, os membros da banda Pink Floyd, um dos mais importantes grupos de rock de todos os tempos, declararam publicamente seu apoio à luta do povo palestino. Dessa vez, se manifestaram em apoio ao grupo Women’s Boat to Gaza, que sofreu repressão das forças militares israelenses.

Ver online

Em sua página no Facebook, Roger Waters fez a seguinte postagem:

Também na página oficial do grupo no Twitter, foi transmitida a mensagem em apoio e o repúdio à repressão feita pelas forças militares israelenses contra o grupo de mulheres que se dirigia à Gaza para expressar seu apoio à luta do povo palestino e contra o massacre de Israel:

Roger Waters já havia declarado antes da detenção do barco o seu apoio no Facebook direto da Cidade do México:

O Women’s Boat to Gaza e o Freedom Flotilla Coalition

O grupo Women’s Boat to Gaza faz parte da campanha Freedom Flotilla Coalition, um “movimento solidário de pessoas feito de campanhas e iniciativas de todo mundo trabalhando em conjunto para encerrar o cerco em Gaza.”


Símbolo dos barcos de mulheres por Gaza.

Esses barcos, a mais recente iniciativa da Freedom Flotilla Coalition, reuniram mulheres de todo o mundo em uma embarcação partindo de Barcelona. Os barcos foram batizados como Amal-Hope e Zaytouna-Oliva. De acordo com o site da organização: "Amal symbolizes the hope that we will bring to the shores of Gaza and Zaytouna symbolizes the mighty olive, the tree of life in palestinian agriculture." (Amal simboliza a esperança que nós levaremos para a costa de Gaza e Zaytouna simboliza a poderosa oliveira, a árvore da vida na agricultura palestina).

Eles partiram no meio de setembro, seguindo o mesmo trajeto de outros barcos do movimento que em anos anteriores fizeram o mesmo percurso até a costa de Gaza. As treze mulheres - incluindo Mairead Maguire, da Irlanda do Norte, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz - foram detidas pelo exército israelense: duas delas, repórteres da Al Jazeera, foram liberadas e chegaram a Londres e Moscou; as outras onze ainda se encontram detidas, aguardando o processo de deportação.

Wendy Goldsmith, membro da equipe terrestre que trabalha para assegurar a libertação em segurança das mulheres, afirmou que: "A deportação está ocorrendo muito mais rápido do que nos barcos anteriores. Ainda que tenhamos uma ótima equipe jurídica auxiliando as mulheres, nós suspeitamos que a razão para a libertação rápida se deve a toda a repercussão negativa na mídia que Israel está recebendo por essas prisões ilegais, incluindo o apelo da banda de rock Pink Floyd."

O site do movimento ainda informa que:

"Durante sua captura, as mulheres insistiram que o ataque israelense era ilegal e que elas estavam sendo levadas contra a sua vontade para Israel. A campanha Women’s Boat to Gaza afirma que, enquanto o cativeiro das mulheres a bordo de Zaytouna-Oliva pode terminar logo, o cativeiro de 1,9 milhões de palestinos em Gaza permanece. Enquanto o termo ’pacífico’ foi utilizado por algumas mídias para descrever o ataque e captura de nosso barco, esse termo é impreciso. Paz é mais do que a mera ausência de violência física. Opressão, ocupação, negação de direitos humanos e a invasão de um barco de mulheres desarmadas e pacíficas conta a sua vontade não são atividades pacíficas. De fato, enquanto Zaytouna-Oliva se aproximava da Palestina, as forças armadas israelenses lançaram múltiplos ataques aéreos ao longo da Faixa de Gaza.

O Women’s Boat to Gaza e a Freedom Flotilla Coalition irão continuar a navegar até que a Palestina seja livre."

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui