www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 10 de Mayo de 2021
18:37 hs.

Twitter Faceboock
EDUCAÇÃO
Governo Leite decreta nova regra que retira o limite de 50% por sala de aula
Diego Nunes

Sob pressão da rede privada de ensino Leite publica novas regras, nessa segunda-feira (15), em que é permitido mais de 50% de alunos por sala desde que a 1,5m de distância. Assim Leite decreta guerra contra a educação pública. É preciso um amplo debate público com a participação das comunidades e profissionais da saúde para discutir em que condições é possível abrir as escolas com segurança.

Ver online

Foto: Felipe Dalla Valle / Fotos Públicas

Qualquer profissional da educação que lê essa manchete sabe que o mero distanciamento ou limitação por sala de aula não irão impedir o vírus de circular. É possível imaginar o retorno de uma juventude que ficou relativamente isolada, ao menos sem frequentar o ambiente escolar, realmente mantendo 1,5 metros de distância uns dos outros? Difícil, o cenário mais real é todo mundo se abraçando e professores desesperados e irritados exigindo que ninguém se aproxime. Além do mais é preciso um plano de obras públicas para ampliar os espaços escolares e muito mais profissionais da educação para que todos possam retornar com segurança.

A palavra chave para o retorno presencial é vacina, e não apenas aos profissionais da educação, mas uma vacinação massiva da população. No entanto, não há vacina nem nunca houve testagem massiva para a população identificar e isolar os infectados. Pagamos a conta de uma crise que não criamos, de uma dívida pública que não fizemos, de isenções bilionárias para os grandes empresários que sonegam outros bilhões, e o pior, pagamos com mais de 11 mil vidas perdidas pela covid-19.

Nesse momento em que a maior parte dos trabalhadores já voltaram a normalidade em meio a uma segunda onda de covid-19, Leite quer jogar a opinião pública contra os profissionais da educação, como se esses não quisessem trabalhar. A realidade é que esses profissionais são contra o retorno das aulas presencias sem condições sanitárias seguras nas escolas. Quem deve decidir como e quando devem voltar as aulas presenciais são as comunidades escolares junto com os trabalhadores da saúde. Deixar essa decisão nas mãos de Eduardo Leite é abrir caminho para centenas quiçá milhares de contaminações expondo ainda mais as famílias trabalhadoras em nome do lucro dos capitalistas.

O CPERS, dirigido por membros dos partidos PT/PCdoB/PDT/PP, levanta nesse momento uma campanha salarial descolada da realidade mais urgente da categoria e das comunidades escolares. O CPERS pode cumprir um importante papel nesse momento. É preciso exigir desde a base que se organize uma luta monumental contra Leite e o retorno irresponsável às aulas presenciais em um amplo debate com todos os envolvidos, alunos, familiares, funcionários e professores. São as vidas que estão em jogo nesse momento, vidas que Leite quer rifar para o coronavírus em nome dos interesses da educação privada e de toda sua manobra para “salvar” a economia, que, em verdade, significa descarregar em nossas costas a crise capitalista. Por assembleias de base em cada escola junto com as comunidades e profissionais da saúde para que sejamos nós e não Leite e a burguesia que decida como deve se dar o retorno as aulas.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui