www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 2 de Diciembre de 2020
04:08 hs.

Twitter Faceboock
Sudeste Asiático
Milhares de pessoas saem às ruas da Tailândia desafiando o estado de emergência
Redação

Os manifestantes desafiaram o estado de emergência e foram às ruas de Bangkok nesta quinta-feira para pedir a renúncia do primeiro-ministro, contra a ditadura e por reformas na monarquia

Ver online

Os protestos pró-democracia na Tailândia estão esquentando as ruas de Bangkok depois de desafiar o estado de emergência declarado pelo governo na quinta-feira. A medida foi tomada depois que as manifestações de quarta-feira paralisaram uma caravana na qual viajava a rainha Suthida, para a qual os manifestantes exigiam reformas na monarquia e a queda do primeiro-ministro Prayut Chan-ocha.

O pedido de demissão foi acompanhado nesta quarta-feira por uma vigília e um acampamento fora da residência governamental do primeiro-ministro, o que gerou momentos de tensão com as forças repressivas e manifestantes pró-monárquicos que atacaram os participantes das mobilizações durante o dia.

"Liberte nossos amigos" ou "fora Tu" (apelido do primeiro-ministro, Prayut Chan-ocha) foram algumas das frases entoadas por manifestantes antigovernamentais cercados por várias centenas de policiais em Ratchaprasong, uma área de luxuosos shoppings e hotéis em Bangkok.

Desafiando o estado de emergência, que proíbe aglomerações de mais de cinco pessoas, os primeiros manifestantes chegaram ao movimentado cruzamento à tarde, mas foram rapidamente cercados por um cordão policial.

O protesto foi galvanizado pela chegada de um dos líderes estudantis que ainda não foi preso, o carismático Panupong "Mike" Jadnok, que começou a animar a multidão, eles conseguiram quebrar o cordão policial e ocupar o cruzamento, localizado próximo a sede da polícia.

Este mesmo cruzamento foi ocupado há dez anos por manifestantes conhecidos como “camisas vermelhas”, num protesto que terminou de forma violenta e com dezenas de mortos após a intervenção do Exército.

“É extremamente necessário introduzir medidas urgentes para pôr fim à situação de forma eficaz e imediata para manter a paz e a ordem”, diz o despacho que estabelece o estado de emergência, que também proíbe a publicação de notícias que possam prejudicar o Segurança nacional.

A Polícia informou que prendeu 22 manifestantes, pelo menos quatro deles líderes dos protestos, durante operações para reprimir as mobilizações.

No perfil do Facebook do advogado Anon Nampa, um dos líderes presos, foi relatado que temem por sua segurança depois que ele foi forçado a embarcar em um helicóptero com destino a Chiang Mai (Norte).

O protesto desta quarta-feira, que coincidiu com o aniversário da "revolução estudantil" de 1973, registrou um gesto sem precedentes em relação à monarquia quando os manifestantes lançaram gritos de protesto contra a passagem da caravana de carros por onde viajavam a rainha Suthida e o príncipe herdeiro Dipangkorn.

Esta é uma mudança significativa em relação ao passado recente, quando tailandeses se ajoelharam antes da passagem da caravana real.

O líder da plataforma de oposição Progressive Movement, ligada ao partido Future Forward, Thanathorn Juangroongruangkit, considerou as razões das autoridades para declarar o estado de emergência infundadas.

“O governo não tem legitimidade para dispersar a multidão à noite. Mostra sua intenção de encobrir a repressão”, diz Thanathorn em vídeo postado nas redes sociais.

As principais reivindicações dos protestos são a renúncia do Governo, encabeçado pelo golpista general Prayut Chan-ocha, uma nova Constituição, já que a atual foi elaborada pela antiga junta militar (2014-2019), e reduzindo a influência do Exército na política.

A demanda mais polêmica é a reforma da monarquia, até recentemente tabu e filtrado pela lei de lesa-majestade, que prevê penas de até 15 anos de prisão para quem criticar a coroa.

A instituição perdeu muito prestígio desde que o rei Vajiralongkorn, que sucedeu a seu pai, Bhumibol, que era bastante popular e morreu em 2016. Vajiralongkorn mora na Alemanha em um hotel luxuoso com vinte concubinas, é uma das pessoas mais ricas do mundo e sua presença em Bangkok é muito incomum. É por isso que antes do boato de que ele estava na capital, a caravana real na quarta-feira foi repreendida pelos manifestantes que vêm acumulando raiva e ódio contra a coroa.

A história política tailandesa está repleta de golpes militares que anularam os resultados das eleições. A monarquia, por sua vez, tem laços profundos com os militares, dois poderes que se retroalimentam. Por isso, embora os protestos atuais tenham lideranças conciliatórias que não estão no auge de acabar com aquele quadro histórico, as demandas dos manifestantes, que questionam os dois poderes ao mesmo tempo pela primeira vez em anos, carregam em si o germe da uma insubordinação potencialmente explosiva para a situação política e social do país.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui