www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 23 de Noviembre de 2020
22:53 hs.

Twitter Faceboock
Chile
Chile: foi lançado o Comando por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana
Izquierda Diario - Chile
Redação

Na quinta-feira, realizou-se na cidade de Antofagasta o lançamento do Comando para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, como terceira opção face à armadilha do plebiscito constituinte preparado pela direita e pela oposição parlamentar.

Ver online

Na quinta-feira, foi realizado na cidade de Antofagasta o lançamento do Comando para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, ação que ocorreu simultaneamente também em Santiago e Valparaíso. Trabalhadores da saúde, da indústria, professores, estudantes universitários e secundaristas e também organizações políticas e sociais participaram do ato, enquanto acontecia a manifestação dos trabalhadores portuários, que já estão em greve há 23 dias.

O Comando se apresenta como uma terceira opção frente ao Acordo de Paz firmado entre a direita e a oposição parlamentar, em resposta ao próximo plebiscito constituinte que se realizará no dia 25 de outubro. Os setores que compõem o Comando apresentam uma alternativa no processo constituinte, denunciando as artimanhas do Governo e dos partidos do regime, e pedindo o retorno da luta pelas reivindicações de outubro e o fim da herança da ditadura.

Por meio da página do facebook , é colocada a proposta de criação de uma terceira alternativa no processo constituinte.

A iniciativa - que se propõe a acompanhar, com a aprovação a milhões de pessoas que repudiam a constituição de Pinochet, expressando a proposta de lutar por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana -, agrupa trabalhadores da saúde, indústria, educação, mineração, estudantes e jovens, mulheres e organizações sociais e políticas, e procura apresentar uma alternativa diferente às opções apresentadas pela direita e pela "oposição".

Durante o lançamento, estiveram presentes delegações de dirigentes sindicais da FENATS (trabalhadores da saúde), dirigentes da indústria e dirigentes sindicais do Centro Cultural Gabriela Mistral; pessoas que são referencias da juventude e da cultura; organizações de mulheres como o Coletivo feminista antipatriarcal, junto com o Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PTR), o Movimento Operário Socialista (MST) e o Movimento Anticapitalista (MA).

Em Antofagasta, a conferência foi realizada junto aos trabalhadores portuários que já estão em greve há quase um mês, terminando com uma manifestação que saiu do porto da cidade e foi até a Plaza de la Revolución, onde trabalhadores, mulheres e jovens se solidarizaram com a greve, bem como a luta por um constituinte livre e soberano.

Eles denunciaram o pacto de impunidade que salvou Piñera, as armadilhas do plebiscito com as convenções, e pediram a retomada da mobilização na perspectiva de uma greve geral para derrubar Piñera e por uma Assembleia Constituinte verdadeiramente Livre e Soberana.

Com canções, bandeiras e letras, eles pediram um impulso mais forte para esta campanha em todas as cidades, locais de trabalho e nas ruas.

Patricia Romo, dirigente do Colégio de Professores Comunitários de Antofagasta, afirmou: “... Queremos nos articular e nos unir por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, que é a opção que o Governo nos nega, que quer que nos acomodemos a um plebiscito com suas regras. Estamos mobilizando organizações sindicais e sociais, moradores, estudantes e trabalhadores que enxergam que é preciso voltar ao caminho de Outubro. Por isso promovemos esta terceira opção, que é a Assembleia Constituinte Livre e Soberana. Não vamos nos contentar com as letras miúdas que vem neste plebiscito, queremos derrubar toda a herança da ditadura e da constituição de Pinochet, mas sabemos que com as margens que a Convenção Constitucional e a Convenção Mista nos dão, não vamos conseguir, ainda mais se abandonarmos as lutas nas ruas ”, disse a professora.

Por sua vez, Ignacio Cortés, estudante do ensino médio, presidente do CEAL Liceo Técnico Antofagasta, destacou que “os jovens que pularam o torniquete e acordaram o Chile não poderão participar do processo constitucional, nos deixaram de fora. Eles nos reprimem, e nos golpeiam são centenas centenas de presos políticos que não vão fazer parte do processo porque estão presos. Por isso devemos lutar por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, para que possamos decidir sobre todas as demandas ”.

Mauri Huanca, da assembleia de dissidentes da cidade de Antofagasta, afirmou que "no que diz respeito aos partidos da coalizão "Chile Vamos" como setores da "Concertación" e alguns setores da "Frente Ampla", eles se reuniram no dia 15 de novembro no âmbito da greve geral, na qual tivemos a possibilidade de questionar os termos em que o país estava sendo conduzido. O povo como um todo apontou para a Assembleia Constituinte Livre e Soberana e Piñera ficou de fora”.

Dauno Totoro, jovem dirigente do Partido Revolucionário dos Trabalhadores, na apresentação do comando na Plaza Dignidad disse: “Realizamos este lançamento coordenado em várias cidades, em Santiago, em Antofagasta, Valparaíso. Fizemos parte da rebelião de outubro, na qual nos rebelamos desde o Chile de 30 anos, nos rebelamos neste país de salários e pensões de fome, neste país que foi saqueado de seus recursos naturais e do meio ambiente, neste país organizado a serviço de um punhado de bilionários que têm enriquecido às custas da vida precária da classe trabalhadora. "

Acrescentou também que “para enfrentar a direita, não podemos confiar na antiga "Concertación", não podemos confiar naqueles que agora se vestem de amigos do povo. Deveriam se envergonhar de gente como Heraldo Muñoz e Álvaro Elizalde, que aparecem na faixa do plebiscito, usurpando as imagens da rebelião, usurpando as imagens de quem até mesmo deu a vida lutando contra esses 30 anos, não aceitamos a chantagem do mal menor, com a qual governaram todo esse tempo, e sabemos que não podemos nos aliar a estes setores, mas temos que enfrentá-los também. "

“Mas também devemos dizer que a Frente Ampla passou a fazer parte da panela, assinou o Acordo de Paz e a Nova Constituição, voto a favor da lei anti-protesto, que criminaliza as manifestações sociais, o Partido Comunista votou a favor da lei de suspensão do emprego que ataca as trabalhadoras e os trabalhadores, e eles querem que confiemos cegamente neste processo constituinte ”.

“Mas dizemos claramente, a partir do Comando: esse processo é controlado pelos partidos tradicionais, é cheio de veto e de armadilhas dos partidos dos 30 anos”.
“Não é possível que as pessoas tenham sido mortas, feridas, e torturadas para que agora agora sejam esses partidos dos 30 anos que irão decidir pelos trabalhadores”.
O Comando rejeitou as cédulas cujas únicas opções são o plebiscito e a convenção mista, exigindo uma terceira opção que constitua uma Assembleia verdadeiramente livre e soberana, que incorpore também o Fora Piñera e retome o caminho da luta por uma greve geral que foi inaugurado em outubro e novembro do ano passado.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui