www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 2 de Diciembre de 2020
04:14 hs.

Twitter Faceboock
Argentina: Trabalhadores paralisam portos em todo o país
Romina Alarcon

Fracassaram as negociações com a Câmara de Portos Privados e há uma paralisação de 24 horas dos recebedores de grãos em todos os portos do país.

Ver online

Desde a União de Recebedores de Grãos e Anexos da República Argentina (URGARA), anunciaram uma paralisação das atividades por 24 horas em todos os portos do país a partir desta segunda (28) às 00hs, diante do fracasso da negociação com a câmara de Portos Privados por paritárias e modificações no Convênio Coletivo de Trabalho (CCT), e o vencimento da Conciliação Obrigatória ditada pela carteira laboral de 27 de agosto passado.

Em um comunicado desde o grêmio denunciam que os empresários portuários que tem lucros extraordinários e encheram os bolsos enquanto as e os trabalhadores estão se expondo durante a pandemia nos portos ou lamentando a falta de trabalho no setor mais próspero do país.

Exigem melhorias no poder aquisitivo e insistem na redução da jornada laboral, que é algo que estão pedindo há muito tempo a um setor que hoje está em um ano recorde de exportações e que pode dar respostas para que haja emprego para todos.

Desde o Ministério do Trabalho ditaram a conciliação obrigatória no dia 27 de agosto passado, quando levantaram a demanda por "abertura de paritárias, vencidas desde julho, e a modificação de pontos do CCT de trabalhadores recebedores de grãos dos portos, entre os que se destacam os pedidos de recomposição salarial, redução de jornada trabalhista, horas extras, licenças, segurança e higiene, sistema de relações laborais, condições de vida, Imposto aos lucros (recordar que são essenciais), e hierarquizar a tarefa de nossos companheiros".

Dinheiro tem para dar resposta às demandas das e dos trabalhadores portuários. As exportações dos complexos agroindustriais de Rosário de soja, milho, trigo, girassol e cevada alcançaram um nível histórico no primeiro semestre do ano, chegando aos 52,5 milhões de toneladas, que significam 80% das exportações totais do país em volume e 50% em valor, segundo dados oficiais publicados pela Bolsa de Comércio de Rosário (BCR)

Da mesma forma, segundo cifras do Consórcio de Gestão do Porto de Bahia Branca (CGPBB), nos primeiros seis meses do presente ano, as docas de Ingeniero White e Galván comercializaram 8.383.000 de toneladas, recorde de 2019, com uma alta de 5% no total de produtos mobilizados; o que o Porto Quequén superou os dois milhões e meio de toneladas no acumulado anual dos primeiros quatro meses do ano, com 2.514.789 toneladas, no que o próprio porto comunicou como "o melhor quadrimestre de todos os tempos".

Enquanto que com a crise social, econômica e sanitária agravada com a pandemia são milhares as e os que ficaram sem trabalho, enquanto outros tantos trabalham na informalidade, há setores que necessitam trabalhar mais horas para ter uma renda que cubra suas necessidades, e um quarto tem extensas jornadas laborais.

Diante da irracionalidade capitalista onde muitos trabalham em excesso e outros não tem trabalho, é necessário uma divisão das horas de trabalho e uma jornada de seis horas para todos, com um salário que alcance as necessidades de uma família para que todos tenham trabalho Isso significa que as patronais que lucram com o trabalho alheio terão menores lucros, mas a realidade é que a redução da jornada impulsionaria a criação de novos empregos.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui