Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Vinte anos de Mulholland Drive, o grande mistério de David Lynch

Luno P.

Vinte anos de Mulholland Drive, o grande mistério de David Lynch

Luno P.

"Uma História de Amor na Cidade dos Sonhos" foi o slogan do filme escrito e dirigido pelo diretor americano David Lynch e estrelado por Naomi Watts, Laura Harring e Justin Theroux. Aclamado pela crítica e pelo público, ainda chama a atenção pela ambiguidade de sua trama.

Surreal, onírico, desconcertante, fascinante. Qualquer um desses termos (ou todos eles juntos ao mesmo tempo) servem para categorizar quase qualquer filme na carreira cinematográfica de David Lynch. De Eraserhead, a O Homem Elefante, passando por Dune, Blue Velvet e a série de televisão Twin Peaks, esses elementos estão presentes em todas as suas produções. E Mulholland Drive não seria a exceção.

Emoldurado dentro de um filme noir, à primeira vista o enredo parece ser bem simples. Um acidente automobilístico na estrada Mulholland Drive, em Los Angeles, dá início a uma complexa trama que envolve diversos personagens. Rita (Laura Harring) escapa da colisão, mas perde a memória e sai do local rastejando para se esconder em um edifício residencial que é administrado por Coco (Ann Miller). É nesse mesmo prédio que vai morar Betty (Naomi Watts), uma aspirante a atriz recém-chegada à cidade que conhece Rita e tenta ajudar a nova amiga a descobrir sua identidade. Em outra parte da cidade o cineasta Adam Kesher (Justin Theroux), após ser espancado pelo amante da esposa, é roubado pelos sinistros irmãos Castigliane.

É a partir daí que a história realmente começa. Nela se introduz um retrato hollywoodiano dos caminhos de uma aspirante a atriz e suas audições e testes que não se materializam. Onde personagens bizarros aparecem junto de várias situações - também bizarras - como o Club Silencio, onde um homem explica em várias línguas que tudo é uma ilusão e que não há banda, e logo após uma mulher começa a cantar e depois desmaia, embora seus vocais continuem. Essa excentricidade é marca de David Lynch, que recria situações aparentemente desconectadas entre si que talvez tenham (ou não) um fio de conexão.

Club Silencio Mulholland Dr. (2001) from Schmeichler on Vimeo.

No princípio, Mulhlland Drive era um piloto para a televisão e a ideia era deixá-lo com um final aberto, mas quando os produtores viram, eles não gostaram muito e foi aí que o diretor montou um final, transformando o piloto original em um longa-metragem. Essa questão - entre outras - foi o que fez o filme ter um caráter ambíguo e não muito claro, mas fiel ao estilo Lynch. O diretor se recusou a fazer qualquer interpretação da trama e deixou a critério de cada um que assistisse.

Em uma entrevista, Justin Theroux afirmou que quando eles começaram a filmar, fazia um monte de perguntas para Lynch sobre a história e seu personagem. Na ausência de respostas, um dia o diretor respondeu: "Você sabe que eu não sei. Mas vamos descobrir. Ele não estava sendo interessante, flagrante, ou evasivo; ele realmente não sabia. Ele disse: "Eu não sei." É como se você estivesse em uma escada rolante para uma nuvem com ele, você nunca sabe onde essa escada termina.

Mulholland Drive nem tinha elenco. Fiel aos seus métodos e percepções, Lynch admitiu ter escolhido o elenco depois de conversar com cada ator. "É algo nos olhos. Um sentimento no ar. E a certeza de que essa pessoa pode desempenhar o papel", disse ele em uma coletiva de imprensa. Na verdade, nenhum dos protagonistas era uma figura relevante na época. Naomi Watts não conseguiu bons papéis na época e o filme foi um trampolim para sua popularidade.

Lançado em outubro de 2001 e definido como um thriller psicológico, o filme foi adorado pela crítica e espectadores e é considerado uma das grandes obras de David Lynch. No mesmo ano, ele ganhou o Prêmio de direção no Festival de Cannes de 2001, além de uma indicação ao Oscar de Melhor Direção. Mulholland Drive é o único filme do século XXI presente na atual lista dos 50 melhores filmes de todos os tempos, da tradicional revista Sight & Sound, ocupando a 28ª posição. É considerado o melhor filme do século também segundo a lista dos 100 melhores, da BBC.

No seu aniversário de 20 anos, o filme será restaurado em 4K em uma versão de colecionador que será lançada durante o mês de novembro.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Carcará - Semanário de Arte e Cultura]   /   [Arte]   /   [Cinema]   /   [Cultura]

Luno P.

Coordenador Geral do Centro Acadêmico do Teatro da UFRGS (CADi)
Comentários