CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA E DOS EUA

Veja intervenção de Julia Wallace da FT-QI no encerramento da Conferência Latino-Americana e dos EUA

Confira a intervenção de Julia Wallace, integrante da Fração Trotskista - Quarta Internacional (FT-QI), na plenária final da Conferência Latino-Americana e dos EUA que começou quinta-feira, 30, e terminou sábado, 1 de agosto, com grandes debates organizações revolucionárias do continente americano.

domingo 2 de agosto| Edição do dia

A conferência foi impulsionada pela Frente de Esquerda dos Trabalhadores da Argentina e contou com a participação de mais de 40 organizações revolucionárias de todo o continente.

Julia Wallace representou o Left Voice desde os Estados Unidos, e foi uma das oradoras da Fração Trotskista - Quarta Internacional, que impulsiona a rede internacional de jornal Esquerda Diário e da qual o Movimento Revolucionário dos Trabalhadores (MRT) faz parte. Junto a ela, também representaram a FT-QI Christian Castillo e Nicolás del Caño, da direção do Partido dos Trabalhadores pelo Socialismo (PTS) da Argentina, Diana Assunção do MRT, Violeta Tamayo da LOR-CI da Bolívia, entre outros que seguiremos publicando em novas matérias.

Confira intervenção completa de Julia Wallace

"Olá camaradas de luta,

Estamos no mês do agosto negro, uma celebração criada por revolucionários negros honrando a Revolução Haitiana, o levante de escravos de Nat Turner e a liberdade de todos os presos políticos. Enquanto eu falo, a juventude nos Estados Unidos se levanta. Eles batalham com as tropas federais em Portland, e suas batalhas foram militantes e implacáveis.

São menos pessoas nas ruas, mas as batalhas continuam com fúria. A fúria dos levantes é direcionada contra a polícia, que é violenta, corrupta e racista em todo o país e todo o mundo. A combinação da crise econômica e da pandemia, onde os negros são atingidos das maneiras mais extremas nos EUA, foi a tempestade perfeita.

A luta é liderada por negros, mas inclui um setor multi-racial composto principalmente por jovens. Vemos também ações operárias pelas vidas negras, como as greves portuárias na Costa Oeste e as diversas declarações de sindicatos em apoio ao movimento do Black Lives Matter.

Como minha camarada Gimena já explicou aqui na quinta, os Democratas tentam se apresentar como uma alternativa a Trump, buscando cooptar o movimento como já fizeram muitas vezes antes. Não vou repetir o que ela disse, apenas ressaltar que qualquer oposição a Trump deve vir junto de uma delimitação clara do Partido Democrata.

Também quero deixar clara a relação entre o racismo e o capitalismo, de Lênin a Trotsky nossa tradição há muito discute que a luta negra deve ser uma preocupação central para todos os socialistas revolucionários. Os trotskistas hoje devem continuar levantando essa bandeira.

Sabemos que o único ator que tem o poder para derrotar o racismo e todas as opressões até o fim é a classe trabalhadora. O racismo é inimigo da classe trabalhadora. Então, lutamos pela hegemonia operária, pressionamos nossas organizações para que levantem a luta contra o racismo aqui e agora.

Nos nossos locais de trabalho, somos parte do movimento de base que luta para expulsar os policiais de nossos sindicatos, escolas e locais de trabalho, enfrentando a burocracia sindical. Os policiais não são trabalhadores, são nossos inimigos de classe.

Os levantes estão acontecendo contra a polícia que estrangulou George Floyd até a morte. Nos EUA, os sindicatos policiais apoiam os ataques, estupros e assassinatos das pessoas oprimidas. Estão cheios de supremacistas brancos.
É absurdo pedir por sindicatos policiais. Por que iríamos querer que nossos inimigos de classe tenham melhores salários e uma organização melhor? Não, fora policiais de nossos sindicatos!

Também precisamos lutar para que nossos sindicatos tenham um papel ativo em unificar as lutas que afetam as pessoas agora. O coronavírus está crescendo nos Estados Unidos, e ainda assim os capitalistas querem mandar os professores de volta para as salas de aula lotadas. Os benefícios de desemprego estão acabando, bem como as proibições de despejos. Enquanto isso, Jeff Bezos e outros capitalistas obtém lucros enormes.

Além disso, durante a pandemia, o imperialismo americano continuou a causar caos pelo mundo. Continua bombardeando lugares como o Iraque, a construir o muro racista na fronteira e a deportar imigrantes para a América Central. Da mesma maneira, os Republicanos e Democratas estão juntos em sua política hostil contra a China.

É por isso que o Left Voice é parte de uma luta multi-racial liderada pelos negros contra a violência policial e o racismo estrutural. Participamos da ocupação em Nova York, temos trabalhadores da saúde que estão na linha de frente do combate a pandemia e nossos camaradas foram presos por participar dos protestos.
Nós também lutamos nos sindicatos, incluindo eu, pela expulsão da polícia. Com 500 mil acessos por mês, o Left Voice é uma voz conhecida por uma perspectiva socialista na luta contra o racismo e pela auto-organização democrática dos setores em luta.

Nossa publicação está tendo um papel fundamental em reagrupar os revolucionários nos Estados Unidos, exigindo que o DSA rompa com o Partido Democrata e preparando o caminho para a construção de uma organização revolucionária, pela Quarta Internacional, no centro do império estadounidense.

Obrigado, obrigado por organizar este ato e que possamos organizar juntos."

Confira o vídeo completo da sessão final da Conferência Latino-Americana e dos EUA




Comentários

Comentar