×

Estados Unidos | Um ano depois do 06/01: o estado de direito e a (re)legitimização do estado

Os políticos comemoraram o aniversário da invasão do Capitólio como o dia em que a democracia foi salva de um ataque de partidários de Trump. Mas o avanço da extrema direita não será impedido pelos democratas ou colocando nossa fé nas instituições antidemocráticas dos Estados Unidos.

sexta-feira 7 de janeiro | Edição do dia

Imagem: Shay Horse/NurPhoto via Getty Images

Parecia uma cena de um filme ruim. Enxames de direitistas - alguns usando cocar com chifres, outros agitando bandeiras confederadas - invadindo o Congresso na esperança de anular os resultados de uma eleição. Em apenas algumas horas, 6 de janeiro de 2021, rapidamente deixou de ser um dia de procedimento padrão para certificar os resultados da eleição presidencial, e se transformar num dos momentos mais caóticos da história recente dos EUA. Cinco pessoas morreram durante o ataque ao Capitólio e centenas ficaram feridas.

Nos dias que se seguiram a esse incidente, ficou claro que essa não era apenas uma ação impulsiva de alguns extremistas isolados. Donald Trump estava tentando derrubar os resultados da eleição e mobilizou sua base de extrema direita para esse propósito. Até Sean Hannity¹ , da Fox News, estava preocupado com o quão longe Trump iria.

Quando as informações começaram a circular sobre exatamente o que aconteceu naquele dia no Capitólio, foram reveladas evidências que comprovavam a facilidade que os "manifestantes" ultrapassaram os policiais - oficialmente instruídos a conter sua resposta; alguns deles até tiraram selfies com os manifestantes de extrema direita. A reação ao ataque ao Capitólio foi uma resposta muito diferente do gás lacrimogêneo, cassetetes e prisões que o movimento Black Lives Matter enfrentou apenas alguns meses antes. Além disso, os manifestantes foram encorajados em quase todas as etapas do caminho por Trump . De sua parte, Trump confiava ativamente em sua base de extrema direita como parte de uma estratégia para pressionar as instituições americanas a mantê-lo no cargo como presidente, depois que ele perdeu a eleição para Joe Biden.

A extrema direita foi encorajada durante grande parte de 2020, de receber apoio explícito de Trump para encenar os protestos anti-lockdown e mobilizar contra o Black Lives Matter e em favor de Trump; no entanto, invadir o Capitólio representou uma escalada quase sem precedentes. Mostrou o quanto a extrema direita rompeu com o aparato político tradicional do estado dos EUA e até onde está disposta a ir para perseguir o que vê como seus interesses. Uma questão que nós da esquerda deveríamos levar muito a sério.

Todavia os eventos de 06/01 também serviram para fornecer uma oportunidade para o novo governo Biden. Esse dia permitiu que Biden e os democratas capitalizassem, em base aos temores reais em relação a extrema direita, a legitimação das instituições do estado, e assim, construir um consenso em torno do novo governo.

Nesse sentido, ao analisar o legado de 6 de janeiro, é importante observar como Biden e seus aliados usaram a "Tomada do Capitólio" para fortalecer não apenas sua própria posição, mas também as instituições do Estado norte-americano de forma mais ampla. Isso foi parte de um processo de reação bipartidária contra o movimento Black Lives Matter de 2020 e uma tentativa de restaurar a "lei e a ordem". Basta ver como as imagens do “policial herói” e de toda polícia como "protetora da democracia" no Capitólio se tornaram virais; apesar do fato de que a polícia foi explicitamente instruída a restringir seus esforços para conter o motim e não interromper o ataque. O extremo oposto em comparação a repressão aos protestos do BLM poucos meses antes.

O que está claro no aniversário de um ano da tomada do Capitólio é que a extrema direita não foi embora, e não é apenas composta por alguns milhares de vigilantes de direita tentando manter Trump no cargo. Longe de ser derrotada, a direita está aprovando leis, aterrorizando as reuniões do conselho escolar, e está prestes a tomar o Congresso durante as eleições. Enquanto o questionamento das instituições do Estado foi suprimido na esquerda, na direita estão sendo criadas as condições para interferir em futuras eleições e fazer o que o dia 6 de janeiro falhou: derrubar o resultado de uma eleição e instalar o candidato preferido da direita como presidente. Embora esse processo esteja bem encaminhado, está longe de estar escrito em pedra. O voto em mais democratas como "mal menor" não é a maneira de revertê-lo; é necessário uma esquerda forte e um movimento operário organizado para lutar contra a ascensão da direita e os ataques à classe trabalhadora, oprimida pelo regime bipartidário.

6 de janeiro

É claro que o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro não foi simplesmente as ações de alguns loucos de direita enlouquecidos agindo do nada e isoladamente. Longe disso, a extrema direita agiu com o incentivo e o apoio de Trump, em defesa de seu programa político e com um objetivo em mente: manter Trump no cargo.

Ao longo da história dos Estados Unidos, um supremacista branco de extrema direita sempre trabalhou lado a lado com o Estado. Considere o terrorismo do KKK² contra negros, ativistas e líderes sindicais, por exemplo, ou as milícias na fronteira que atuam ao lado do ICE³ para aterrorizar imigrantes. A base social da extrema direita sempre trabalhou para disciplinar a classe trabalhadora e oprimida. Em 2016, esse racista de extrema direita encontrou representação política convencional em Donald Trump, que por sua vez aumentou suas fileiras e validou suas crenças.

Mas a ascensão da extrema direita e do próprio Trump é apenas mais um sintoma do declínio do regime imperialista dos EUA. É um produto de um sistema capitalista neoliberal em crise no mundo pós-2008. Como Slavoj Zizek parafraseou Gramsci, “agora é a hora dos monstros”. Dizendo (esmagadoramente) aos brancos que seu modo de vida está sob ataque, representantes da extrema direita ofuscam as verdadeiras causas do declínio dos padrões de vida por meio do racismo, xenofobia e outras ideologias reacionárias. Eles apontam as mudanças demográficas e o aumento do número de outras raças como a razão dos males da sociedade, e não o próprio sistema. O que emerge disso é um sentimento de insatisfação com o estabelecimento e uma vontade de voltar aos “bons e velhos tempos”, uma época mítica em que a classe média, proprietários de pequenos negócios e setores da classe trabalhadora - especialmente os brancos - eram menos precários e não estavam em um caminho de mobilidade social descendente. E esses setores buscam novos representantes políticos para assumir essa visão.

Trump foi capaz de transformar o descontentamento em uma arma e virá-lo contra alguns dos setores mais oprimidos da sociedade para conquistar e manter o poder. Ao concorrer como um estranho - apesar de ser um bilionário de uma família rica - Trump foi capaz de se apresentar como um oponente do status quo. Essa estratégia foi eficaz em conquistar grande parte da extrema direita, cuja ideologia é racista e anti-establishment.

Em todo o governo Trump, com altos e baixos, houve grandes mobilizações de extrema direita. Charlottesville foi talvez o maior e mais famoso deles - terminando no assassinato de Heather Heyer e com Trump alegando que havia "gente boa em ambos os lados". Depois de Charlottesville, a extrema direita foi abafada por contraprotestos massivos.

Depois de um ligeiro declínio na ação organizada da direita, a extrema direita ressurgiu com força total em 2020, novamente com o apoio de Trump. Eles invadiram o Capitólio do estado de Michigan, totalmente armados, no que acabou sendo um teste para o 6 de janeiro. Durante o movimento Black Lives Matter, eles desfilaram nas ruas, atropelaram manifestantes e até atiraram e mataram ativistas do BLM. Mais uma vez, o presidente Trump se recusou a se distanciar: “Recuem e fiquem parados” , disse ele aos Proud Boys [4] em um debate poucas semanas antes da eleição.

Depois que ficou claro a derrota eleitoral de Trump, ele e seu círculo mais próximo buscaram maneiras de derrubar a eleição usando mecanismos institucionais. Solicitaram recontagens, tentaram pressionar as autoridades a pararem de contar os votos e até pediu a Mike Pence (ex vice presidente) que anulasse a eleição.

Mas com os mecanismos institucionais não funcionando a favor de Trump, e Pence rompendo com Trump para ratificar os resultados da eleição, Trump ajudou a organizar um protesto “Pare o Roubo”, onde encorajou seus seguidores a marcharem sobre o Capitólio. Por horas, enquanto a extrema direita invadiu o Capitol, Trump se recusou a dizer aos manifestantes para se retirarem, apesar dos apelos de seu círculo interno para fazê-lo.

A extrema direita hoje

2021 foi um ano de contradições para a extrema direita. O dia 6 de janeiro foi, de certa forma, um fracasso. Afinal, Biden assumiu o cargo com a bênção da maioria dos republicanos no Congresso, Trump foi impedido de acessar o Twitter e setores das forças armadas, da polícia e dos capitalistas moveram-se para disciplinar aqueles que participaram da invasão do Capitólio. No rescaldo imediato, grupos de extrema direita se desfizeram e reinaram as lutas internas e a confusão. Ainda assim, 147 republicanos se recusaram a certificar os resultados das eleições de 2020.

Mas o aparente consenso contra a extrema direita diminuiu desde então. A vasta maioria dos republicanos permanece leal a Trump mesmo depois dos eventos de 6 de janeiro. Aqueles que buscaram disciplinar Trump, como Liz Cheney, foram expulsos do Partido Republicano e amplamente repudiados. Hoje, não há republicanos participando dos eventos planejados para 6 de janeiro. Há um consenso geral entre a base do Partido Republicano de que as eleições foram fraudadas em favor de Biden - apenas 6% dos republicanos acreditam que Biden definitivamente ganhou as eleições. Mais pessoas hoje pensam que a eleição foi fraudada do que em janeiro do ano passado.

Com base nisso, os republicanos fizeram da reversão dos direitos de voto uma parte central de sua agenda. Dezenove estados aprovaram leis para restringir o voto em 2021. Essas novas leis afetarão principalmente os negros e imigrantes. Colocando de outra forma: os "manifestantes" de 6 de janeiro não tiveram sucesso em derrubar as eleições de 2020, mas novas leis tornam muito mais fácil o roubo de eleições no futuro. Uma das leis mais preocupantes é a aprovada na Geórgia, onde os democratas recentemente venceram as eleições por um triz. A legislatura controlada pelos republicanos tem mais controle sobre a Junta Eleitoral do Estado e pode suspender os funcionários eleitorais do condado. Pode-se imaginar um cenário em que os funcionários eleitorais do condado que desejam certificar ou recontar votos sejam suspensos e substituídos se suas decisões forem contra um determinado candidato.

No entanto, o avanço das políticas de extrema direita na esfera política não se limita apenas aos ataques ao direito de voto. 2021 também foi um ano marcante de ataques aos direitos trans e reprodutivos. Vários republicanos ganharam cargos concorrendo especificamente contra o ensino da teoria crítica da raça nas escolas - uma tentativa mal disfarçada de proibir os professores de informar os alunos sobre a longa história de racismo e racismo sistêmico dos Estados Unidos no presente. Setores da extrema direita invadiram as reuniões do conselho escolar para protestar contra a teoria racial crítica e outras representações “subversivas” da história dos Estados Unidos. Além disso, a oposição a qualquer uma das escassas medidas do governo para controlar a pandemia - incluindo lockdowns, máscaras, vacinas ou qualquer outra política de proteção - continua a ser um grito de guerra para grande parte da direita.

Várias medidas foram implementadas nos níveis estadual e federal para reprimir manifestantes como aqueles que participaram do BLM em 2020 e permitir que vigilantes de extrema direita atuem fora da lei e ataquem os manifestantes. Várias leis antiprotesto foram aprovadas no ano passado, e a lei anti-aborto do Texas incluiu uma cláusula que oferecia recompensas a qualquer pessoa que entregasse informações sobre profissionais de saúde que realizassem abortos para a polícia. A absolvição de Kyle Rittenhouse, o adolescente branco que cruzou as fronteiras estaduais com um rifle semiautomático, atirou em três manifestantes e passou pela polícia para fugir, é mais um sinal da força da direita no momento atual. Rittenhouse não foi apenas absolvido do assassinato, mas de todos as acusações, incluindo posse de arma de fogo quando menor - algo que ele inequivocadamente fez. Essa absolvição foi seguida por três congressistas republicanos diferentes que lhe ofereceram estágios, Tucker Carlson [5] exibindo um documentário positivo sobre ele e Rittenhouse começando a falar em conferências de direita.

Além disso, Donald Trump - a figura política de grande parte da extrema direita - ainda é o republicano mais popular. Embora tenha sido forçado a recuar em 2021 - ter sido expulso da mídia social teve um impacto particular em sua capacidade de falar com sua base - ele continua a exercer influência sobre o Partido Republicano. Seu apoio foi crucial para a vitória republicana na Virgínia e ele continua a bancar o "Kingmaker" [6] em muitas disputas no Congresso ou nas primárias. Há atualmente 57 republicanos concorrendo a cargos que participaram da tomada do Capitólio.

Como o Left Voice [7] argumentou no início do governo Biden, o trumpismo não é algo que você possa votar fora do cargo. É o produto da crise do neoliberalismo e o produto dos fracassos absolutos do liberalismo. À medida que a inflação sobe sob Biden, os casos de coronavírus aumentam e o governo Biden se recusa a dar qualquer ajuda, há muito espaço para uma direita radicalizada entrar em cena e questionar as instituições do regime, do CDC [8] ao Congresso e à presidência. E sem uma esquerda organizada - independente dessas instituições - para se opor a essa força e fornecer suas próprias soluções para os fracassos do neoliberalismo, a direita terá mais espaço para transformar esse descontentamento em políticas reacionárias que possuem como alvo os mais oprimidos.

Olhando para o futuro, 2022 parece ser um ano excepcional para a direita. Se as eleições de 2021 foi uma sinalização, parece que as eleições intermediárias de 2022 significarão grandes ganhos para a extrema direita. A fim de reunir apoio, é possível - ou mesmo provável - que veremos um aumento nas mobilizações da extrema direita contra a “teoria crítica da raça”, direitos trans, aborto e regulamentações do coronavírus. A maioria dos "manifestantes" de 6 de janeiro escapou sem consequências e, provavelmente, podem retornar ao campo político em breve. Resumindo: a necessidade de lutar contra os ataques da direita só crescerá em 2022.

Biden e o Estado

Imediatamente após o dia 6 de janeiro, a invasão do Capitólio foi uma grande bênção para Biden e os democratas. O dia 6 de janeiro permitiu que Biden assumisse o poder como uma espécie de presidente da unidade - embora com limites significativos, visto que tantos republicanos ainda não acreditam que ele realmente ganhou as eleições - porque era ele quem protegia a “democracia” contra a extrema direita.

Como instituição, o Congresso se beneficiou particularmente dos eventos de 6 de janeiro. Os membros do Congresso proferiram discursos chorosos sobre o medo que sentiram e bateram no peito sobre a importância de defender a "democracia" - definida aqui como a defesa das instituições antidemocráticas do estado nos EUA. Mesmo membros progressistas do Congresso se juntaram ao coro valorizando o Congresso. A AOC [9] chamou o Capitólio de "Cidadela da Democracia".

Biden e os democratas do Congresso puderam usar o dia 6 de janeiro para construir um consenso em torno de suas tentativas de fortalecer e legitimar várias instituições, principalmente as forças policiais. Novos poderes de repressão foram estendidos à aplicação da lei para “proteger a democracia” e as investigações intermináveis do papel de Trump no ataque consumiram semanas do tempo do Congresso. Tudo isso foi feito para mostrar que era Biden e os democratas que estavam tentando proteger a democracia - ao mesmo tempo em que defendiam da boca para fora a necessidade de se defender contra os ataques aos direitos de voto, especialmente os oprimidos.

Enquanto isso, a comissão de 6 de janeiro, composta por democratas e dois republicanos "desleais", tornou-se uma mostra de quão pouco os republicanos estão interessados em investigar os eventos de 6 de janeiro. Na verdade, o que foi descoberto foi nada menos do que condenar Republicanos, de Trump e seus associados e da Fox News. No entanto, apesar de sua postura, os democratas estão usando a comissão como uma peça de teatro político que, na verdade, não tem autoridade para impedir o avanço da extrema direita - no Congresso ou nas ruas. Embora uma grande produção tenha sido feita, com 738 pessoas acusadas e presas por seu papel no 6 de janeiro, para mostrar o compromisso do governo com a “lei e a ordem” e a santidade das instituições americanas, a direita ainda está nos bastidores, se reconstruindo. Enquanto isso, esses novos poderes de repressão nas mãos do Estado serão usados, não para erradicar a ameaça da extrema direita, mas contra a classe trabalhadora e a esquerda, especialmente os negros e as mais distintas raças oprimidas.

Por uma esquerda que possa enfrentar a extrema direita

Como parte da esquerda, devemos levar muito a sério a ameaça da extrema direita. A história nos mostra que os primeiros alvos de todos os movimentos de direita são os trabalhadores, os oprimidos e as organizações e ativistas da esquerda. À medida que as crises em curso do capitalismo se aprofundam e a hegemonia dos EUA continua diminuindo, veremos, sem dúvida, o avanço contínuo da extrema direita.

No entanto, não podemos apenas pensar na extrema direita como as pessoas que invadiram o Capitólio ou como Kyle Rittenhouse. Essas são certamente duas expressões muito visíveis da direita, mas os ataques ao aborto, trans e direitos de voto também são expressões de uma ascensão da extrema direita.

Diante disso, qualquer estratégia que pretenda combater esses ataques deve levar em conta, antes de mais nada, o papel do Estado. As mesmas instituições que Biden está jurando defender são as que nos oprimem. A Suprema Corte está derrubando o direito ao aborto, os governos estaduais estão proibindo as crianças trans de receberem o tratamento médico necessário e 19 estados restringiram o direito de voto. De fato, no futuro, não está fora de questão que a direita utilizará medidas legais , mecanismos legítimos do Estado capitalista, para derrubar o resultado de uma eleição ou para impedir o voto dos setores mais oprimidos da sociedade.

Votar nos democratas não impedirá a extrema direita. Ao contrário dos protestos na esteira de Charlottesville em 2017, deixar as ruas em 2021 e colocar a fé em Biden e nos democratas para disciplinar a direita teve como resultado uma série de leis de direita e um espaço aberto para a extrema direita se reconstruir.

Diante disso, não podemos colocar qualquer apoio em Biden ou nos democratas. Eles são os membros, líderes e principais defensores do estado burguês. Diante disso, eles não têm nenhum interesse em realmente lutar contra o surgimento da direita porque isso envolveria, entre outras coisas, o desmantelamento das instituições antidemocráticas do Estado.

Os democratas não farão isso porque não podem. Biden foi eleito com o apoio dos capitalistas e seu papel é manter as relações capitalistas harmoniosas. É para isso que ele foi eleito. Você não pode mudar um sistema podre por dentro. Para tornar as coisas ainda mais terríveis, as traições flagrantes de Biden e os democratas a todas as suas promessas de campanha provavelmente levarão a uma reação da direita. Milhões que votaram em Biden na esperança de que ele melhorasse suas vidas estão cada vez mais desiludidos com Biden, o que, por sua vez, dá mais espaço à propaganda reacionária da extrema direita.

Para nos defendermos contra a direita, nós - a classe trabalhadora e oprimida, os que não vemos alternativa nos democratas ou nos republicanos - temos que buscar outras soluções. Temos que construir nossas próprias organizações políticas, independentes dos capitalistas, que possam ajudar a liderar um movimento de massas combativo, tanto nas ruas quanto em nossos locais de trabalho. Este movimento deve buscar unir as lutas dos oprimidos entre si e com as demandas econômicas mais amplas de toda a classe trabalhadora. Essa luta deve incluir setores estratégicos da classe trabalhadora, como trabalhadores da saúde, trabalhadores da educação, trabalhadores da logística e trabalhadores dos transportes, que têm o poder único de interromper a agitação do capital.

O dia 6 de janeiro foi um momento que ficará na história por gerações. Mas nossa resposta ao que isso representa - um fortalecimento da direita - será ainda mais historicamente importante. É nossa tarefa histórica construir um movimento capaz de enfrentar não apenas a extrema direita, mas o sistema doentio do capitalismo que a originou. Nem Biden nem Trump, nem o FBI nem os desordeiros de 6 de janeiro. Em vez disso, devemos construir a esquerda. Somente uma esquerda organizada pode se defender contra a direita.

Notas:

[¹] - Apresentador e comentarista político norte-americano. Conservador e apoiador desde o primeiro momento de Trump, atuando como uma espécie de porta voz não oficial do governo durante o seu mandato.

[²] - Kun Klux Klan tradicional movimento racista da supremacia branca nos EUA.

[³] - Serviço de Imigração e Controle Alfandegário dos EUA.

[4] - Organização neofascista composta apenar por homens que atua nós EUA e no Canadá.

[5] - Apresentador e comentarista político conservador apoiador de Trump.

[6] - Pessoa que indica e escolhe os nomes a assumir cargos de autoridade.

[7] - Portal dos EUA que íntegra a rede internacional de diários, no Brasil Esquerda Diário.

[8] - Centro de controle e prevenção a doenças dos EUA.

[9] - Alexandria Ocasio-Cortez, congressista democrata.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias