Educação

GREVE DE MUNICIPAIS EM SP

[URGENTE] Em SP, Covas e Padula cortaram o salário das educadoras e educadores em greve

As trabalhadoras e trabalhadores da educação do município de São Paulo estão em greve desde 10/02 contra o retorno inseguro das aulas presenciais e reivindicando condições para o ensino remoto de seus alunos.

terça-feira 23 de março| Edição do dia

Se trata de uma greve em defesa da vida, por condições sanitárias, testes massivos, vacina e condições para o ensino remoto. A categoria luta contra essa imposição do governo que coloca os lucros acima das vidas da comunidade escolar.

Desde a reabertura forçada, todos os dias são novas vidas de educadores e alunos que são perdidas. E agora, com toda a política de descaso de Bruno Covas, João Doria (ambos PSDB) e também todos os golpistas desse regime podre, o sistema de saúde está à beira de um colapso.

Por isso, quem deve decidir quando, como e com quais condições será esse retorno presencial nas escolas, é a própria comunidade escolar junto com os trabalhadores da saúde.

Covas e Fernando Padula, secretário da educação no município de São Paulo, roubam o salário das professoras, assim como roubam o direito à educação dos filhos da classe trabalhadora que hoje pagam o preço dessa crise sanitária e econômica com as políticas de demissões e cortes de salário pelas mãos de Bolsonaro e das diferentes alas do regime político.

Veja também: “Toda solidariedade aos professores de São Paulo, contra os cortes de ponto de Covas e Padula!” diz Maíra Machado.




Tópicos relacionados

Coronavírus e Educação   /    Fernando Padula   /    Trabalhadores da educação   /    escolas públicas   /    COVID-19   /    Pandemia   /    Bruno Covas   /    Escolas   /    Greve Professores Municipais SP   /    Educação   /    Educação

Comentários

Comentar