CORTES NA EDUCAÇÃO

UFSCar anuncia que não poderá ter aula presencial em 2021 devido a cortes de Bolsonaro

UFSCar, que sofreu corte de 21% nos recursos para 2021, maior que a média das outras universidades federais, ficará sem recursos suficientes para retornar as aulas presenciais em 2021. Ataques são feitos pelas mãos do Congresso e do Senado, com o aval de Bolsonaro, ao passo que a reitoria da UFSCar descarrega os cortes nas costas dos trabalhadores, que sofrem demissões e renegociação de contratos.

terça-feira 25 de maio| Edição do dia

Foto: Cain Rodrigues/CCS UFSCar

Somente na área de custeio, que é o orçamento para a manutenção do funcionamento da universidade, a redução chega a 31% em relação a 2018 (sem contabilizar a inflação), o que tem obrigado a UFSCar a realizar uma série de ajustes com cortes e renegociações de contratos de serviços como limpeza e segurança.

A universidade teve uma redução de 31% em relação a 2018 (sem contabilizar a inflação) no orçamento para a manutenção do funcionamento da universidade, e a reitoria da UFSCar descarrega o preço desses ataques nas costas dos trabalhadores da universidade, em especial os terceirizados da limpeza e segurança, que sofrem com demissões e renegociações de contratos.

Ao mesmo tempo em que se ataca o direito à educação e as condições de permanência estudantil, a universidade teve um crescimento no mesmo período de 16,2% no número de alunos de graduação atendidos nos quatro campi da universidade, o que acarreta num maior sucateamento e precarização do ensino.


Fonte: UFSCar

O orçamento da UFSCar previsto em 2021 é de R$ 40 milhões, sendo cerca de R$ 8 milhões destinados ao Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) e R$ 32 milhões para custeio das atividades. Mas esse valor não é suficiente para manter a universidade nem com as atividades remotas.

O PNAES vem sofrendo cortes mais brutais que o orçamento discricionário. De 2019 até 2021, houve um corte de R$ 2 milhões dos recursos que são usados para garantir moradia, alimentação, transporte, entre outras despesas, sendo 2 mil estudantes que dependem destes recursos do PNAES na UFSCar.

Veja mais: Plenária da Faísca reúne centenas para debater unidade com trabalhadores rumo ao dia 29




Tópicos relacionados

BolsonaroGenocida   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os golpistas   /    Bolsonaro   /    Institutos Federais   /    Governo Bolsonaro   /    Ministério da Educação   /    MEC   /    Educação   /    Universidades Federais   /    Professores Federais

Comentários

Comentar