×

COP26 | Txai Suruí tem pai perseguido pelo governo Bolsonaro e mãe ameaçada de morte por grileiros

Nesta segunda-feira (01), a jovem ativista indígena brasileira, Txai Suruí, da etnia Paiter Suruí nativa da região de Rondônia, discursou, em inglês, na abertura da COP26, em Glasgow. Seu pai é perseguido por ter feito críticas ao governo Bolsonaro e à Funai, sendo acusado de "crime de difamação". Além disso, sua mãe é ameaçada de morte por conta de denúncias contra invasores da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau.

terça-feira 2 de novembro | Edição do dia

Txai é filha de Almir Suruí, 47, outro ativista indígena que faz diversas críticas ao governo Bolsonaro, o que o fez ser perseguido.

Veja também: “Enquanto vocês fecham os olhos para a realidade, defensores da terra foram assassinados”, disse indígena brasileira

No final do ano passado, o presidente da Funai, Marcelo Xavier, pediu à Polícia Federal a abertura de um inquérito para investigar "crime de difamação" que teria sido cometido por duas associações ligadas a seu pai.

Pode te interessar: Lutar contra Bolsonaro e seu negacionismo ambiental, sem confiar no capitalismo verde

Almir criticou a atuação do órgão indigenista federal no combate à Covid-19. O caso acabou sendo arquivado em maio.

Txai perdeu as duas avós para a doença, além de primos e tios.

Weitãg Suruí, avó de Txai e mãe de Almir, faleceu em janeiro e era um dos poucos paiter-suruís vivos nascidos antes do contato, ocorrido em 1969. Nos anos seguintes, doenças trazidas pelos brancos, principalmente o sarampo, quase dizimaram o povo, que habita a divisa entre Rondônia e Mato Grosso.

Além disso, a mãe da jovem, a indigenista Ivaneide Cardozo, 62, passou a receber ligações com ameaças de morte por conta de denúncias contra invasores da Terra Indígena (TI) Uru-Eu-Wau-Wau. Dois deles estiveram na sede da Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, fundada e liderada por ela. Ivaneide teve que deixar Rondônia e se exilar por dois meses.

As invasões à TI Uru-Eu-Wau-Wau começaram em janeiro de 2019, enquanto Bolsonaro falava de reduzir terras indígienas. Nesse contexto de conflito, Ari Uru-Eu-Wau-Wau, 33, que atuava como guardião do território, acabou assassinado com golpes na cabeça, em 18 de abril de 2020. Até hoje a justiça não foi feita.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias