Internacional

Eleições EUA

Trump ou Biden?

A decisiva terça-feira, 3 de novembro, está chegando, mas ninguém pode garantir que no dia seguinte se saberá quem será o próximo presidente da grande potência imperialista.

Claudia Cinatti

Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

quinta-feira 29 de outubro| Edição do dia

A campanha eleitoral nos Estados Unidos está chegando ao fim, mas ninguém pode garantir que no dia 4 de novembro os americanos e o mundo saberão quem, Biden ou Trump, vai liderar a (ainda) principal potência imperialista e, portanto, quem decidirá boa parte do destino do capitalismo mundial nos próximos quatro anos. Isso não ocorre apenas porque pode haver surpresas que, por definição, as pesquisas não dão conta. Mas sobretudo porque, em caso de derrota, não se descarta que Donald Trump não reconheça o resultado e a definição seja transferida das urnas para a justiça, o que abriria outra situação com fim incerto.

Até agora, Biden mantém uma vantagem média de cerca de 8 pontos sobre Trump. Mas em uma eleição indireta que não é definida pelo voto popular, mas pela composição do colégio eleitoral, a chave da Casa Branca está nas mãos de cinco estados-chave, e ainda não está definido a quem eles vão entregá-la. Façam suas apostas.

A eleição da próxima terça-feira é apresentada como a mais importante desde aquela que trouxe Franklin Delano Roosevelt à presidência em 1933. A história dirá se ela tem esse significado, mas é fato que a crise de saúde, recessão, polarização e clima anti-disruptivo combinado para despertar maior interesse. Em princípio, há indícios de que a participação eleitoral aumentaria. O mais forte é que, uma semana antes das eleições, já haviam votado antecipadamente - pelo correio ou pessoalmente - 66,4 milhões, 8 milhões a mais do que nas eleições de 2016.

A campanha não deixou nada de bom: um debate nada apresentável; o outro debate chato; publicidade negativa incomumente agressiva (o comercial de Trump “Biden for resident” - literalmente, um candidato a lar de idosos - foi talvez o cúmulo da incorreção política). E a nota sobre a Covid positiva do presidente.

Na reta final da disputa pela Casa Branca, o coronavírus e o repúdio ao racismo e à violência policial continuam a inflamar a situação eleitoral. Trump não conseguiu se livrar do "efeito do referendo" sobre o manejo da pandemia, que aparece como um dos determinantes da persistente liderança de Biden nas pesquisas.

A estratégia de Trump de culpar a China pela pandemia e seus efeitos econômicos e sociais aumentou a hostilidade anti-China não apenas nos Estados Unidos, onde, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center, 66% da população tem uma visão negativa da China (um aumento de 13 pontos durante a presidência de Trump), mas também em outras economias avançadas, incluindo o Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e Austrália, um aliado militar próximo dos Estados Unidos no Pacífico, onde a rejeição contra a China atinge alarmantes 81%.

Mas essa histeria anti-China não impede que, com quase a mesma força, uma maioria de 57,4% dos americanos desaprove o tratamento de Trump da pandemia.
No dia da votação, as mortes por covid-19 nos Estados Unidos chegaram a cerca de um quarto de milhão de pessoas e a segunda onda de infecções já está se instalando.

A violência policial e a repressão estatal também estão a todo vapor. Os autos de resistência continuaram seu ritmo macabro "padrão", mesmo depois das mobilizações de massa em repúdio ao assassinato de George Floyd. De acordo com a pesquisa Mapping Police Violence, até agora em 2020 a polícia já assassinou 874 pessoas (28% são afro-americanos, representando apenas 13% da população do país), então até o final do ano haverá em sua média histórica de 1000 assassinatos anualmente.

Na segunda-feira, 26 de outubro, a polícia matou novamente, desta vez na Filadélfia, Pensilvânia. William Wallace, esse é o nome da vítima, era um jovem trabalhador negro de 27 anos, pai de quatro filhos e morador de bairro pobre, que tinha diagnóstico de transtorno bipolar. Sua família chamou uma ambulância porque ele estava passando por um episódio crítico, mas em vez dos paramédicos, chegou uma viatura com dois policiais que dispararam pelo menos sete vezes e o executaram. Wallace tinha uma faca na mão, mas estava a vários metros de distância e não representava perigo para eles. Como no caso de Floyd, um vídeo feito com um celular mostra a família e um grupo de vizinhos pedindo em vão à polícia para não atirar. O sindicato da polícia vieram em defesa dos policiais.

Diante desse novo ato de violência policial e racismo, eclodiram mobilizações que levaram a confrontos com as forças de segurança. O governador democrata Tom Wolf autorizou o envio da Guarda Nacional para colaborar na repressão e estabeleceu o toque de recolher, que no final deste artigo ainda estava em vigor.

Como esperado, há um forte aproveitamento eleitoral do assassinato de Wallace e das mobilizações. A estratégia de Trump é apresentar-se como o fiador da "lei e da ordem" e acusar os democratas de estarem revoltados e promovendo distúrbios. A estratégia de Biden é separar as mobilizações pacíficas dos confrontos com as forças de segurança e condenar os setores mais radicalizados.

Em suma, um déjà vu do assassinato de Floyd que embora seja local tem um impacto nacional.

A Pensilvânia adquiriu importância crucial nos últimos dias, pois é um dos estados indecisos que podem definir as eleições na próxima terça-feira.

A situação aberta na Filadélfia atualizou a hipótese de conflito com grupos de extrema-direita e supremacistas, como Proud Boys, que colaboram com a polícia na repressão às mobilizações Black Lives Matter. Essas milícias armadas e “vigilantes” são as mesmas que Trump chamou para defender ativamente o voto republicano.

Mas mesmo que esses elementos de violência tendendo aos extremos não se desenvolvam, há uma série de táticas para desencorajar o voto dos setores mais pobres, especialmente afro-americanos. Esses mecanismos vão desde a manipulação de distritos eleitorais até a invenção de requisitos de votação ou a realocação de seções eleitorais. E embora sejam os republicanos que mais recorrem a esses truques porque as minorias não brancas tendem a votar nos democratas, este ataque aberto ao direito de voto expõe o caráter profundamente antidemocrático do regime bipartidário-imperialista.

Apesar das altas recordes no mercado de ações e do corte de impostos corporativos de Trump, a votação de Wall Street é para Biden. JP Morgan Chase e Blackstone estão na lista dos grandes contribuintes para a campanha democrata, não por causa de um problema ideológico, mas porque seu nariz lhes diz que outro mandato de Trump seria mais arriscado do que um eventual aumento de impostos.

Mas o que mais preocupa a classe dominante é que reste um resultado indefinido e a eleição acabe sendo resolvida no Supremo Tribunal Federal, o que tiraria a legitimidade do governo que surge. Em nota recente, N. Roubini alerta sobre a possibilidade de recorrência de uma crise como a de 2000, quando a Justiça declarou a vitória de George W. Bush após um mês de incertezas. Em um cenário de maior polarização política e surgimento da luta de classes, isso pode levar ao retorno das mobilizações de massa.

Para isso, a "comunidade empresarial" publicou um comunicado assinado por mais
de 50 destacados burgueses rejeitando qualquer alteração dos procedimentos eleitorais. Uma mensagem clara para Trump desistir da ideia de ignorar o resultado por meio de alegações de fraude e outras manobras como o uso da maioria conservadora recarregada na Corte com a nomeação de Amy Barrett, que colocava em risco a estabilidade política.

Para a grande burguesia, a mudança eleitoral surge como uma oportunidade para canalizar a rebelião popular que irrompeu após o assassinato de George Floyd para o canal institucional. Esse desvio contribui para o "progressismo" e a esquerda democrata, que apresentam o voto em Biden como a solução "malmenorista" para se livrar de Trump.

Mas as condições que levaram Trump à Casa Branca não vão desaparecer se Biden vencer, porque não são efeitos da crise conjuntural, mas surgem das tendências mais profundas à crise orgânica, abertas a partir do esgotamento da hegemonia neoliberal globalizante. A polarização segue seu curso. À esquerda, expressa-se que a popularidade do “socialismo” está crescendo entre os jovens entre 16 e 24 anos, passou de 40 para 49% de aprovação no ano passado, segundo pesquisa realizada pelo YouGov. À direita, na existência de grupos armados proto-fascistas, embora hoje sejam elementos marginais. Esses fenômenos antecipam cenários de maior radicalização política e luta de classes.




Tópicos relacionados

#BlackLivesMatter   /    Joe Biden   /    Racismo   /    Donald Trump   /    Internacional

Comentários

Comentar