Internacional

Relações Internacionais dos Estados Unidos

Trump ameaça começar guerras antes de abandonar a Casa Branca

Tudo parece indicar que Trump está tentando deixar sua marca na política externa de seu país, preparando-se para permanecer uma figura importante em uma sociedade altamente polarizada.

quinta-feira 19 de novembro| Edição do dia

Duas semanas depois das eleições nos Estados Unidos, cujo desfecho ele se recusa a reconhecer, Donald Trump voltou à ofensiva no cenário internacional. Ameaça de ataque no Irã, novas medidas contra a China ou mesmo intensificação das perfurações no Ártico por meio da retirada de tropas do Afeganistão e do Iraque, o próximo ex-presidente dos Estados Unidos pretende acelerar o ritmo nas últimas semanas do seu mandato. Um grande risco para o já precário equilíbrio geopolítico à escala global.

Desde o início de novembro, Donald Trump se "distinguiu" sobretudo por suas recorrentes acusações de fraude durante as eleições presidenciais dos Estados Unidos e a vitória do democrata Joe Biden. Se o bilionário continuar em sua linha e parecer disposto a jogar o jogo da legalidade, é improvável que haja uma mudança no assunto.

No entanto, Donald Trump parece mudar de ideia no final de seu mandato, que dura até janeiro. Assim, o ainda presidente americano multiplica suas já conhecidas e instáveis ameaças, agora nas questões internacionais, querendo fazer pesar o jogo até o final, mesmo que isso signifique se precipitar no meio do caminho.

Ameaça de ataque contra o Irã e novas sanções contra a China?

De costas para a parede, Trump interpreta Trump e veste as roupas de senhor da guerra da principal potência imperialista do mundo. Assim, como revelou o New York Times em 16 de novembro, o presidente dos Estados Unidos avisou seus assessores sobre a perspectiva de um ataque a uma instalação nuclear iraniana.

Seguindo o exemplo da Coréia do Norte, ou na frente econômica contra a China, Trump ameaça diretamente um de seus "inimigos favoritos". Tanto é que sua presidência foi marcada por tensões com Teerã, que culminaram na retirada unilateral dos Estados Unidos do tratado nuclear com o Irã em 2018. Manobras e ameaças que obviamente não agradam aos assessores do presidente norte-americano, que o alertaram para os riscos de desestabilização da região em caso de possíveis ataques dos Estados Unidos. Não é menos verdade que essas ameaças não impediram Teerã de reagir. Assim, o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabii, disse que, em sua opinião, a perspectiva de um ataque americano era altamente improvável, que “em qualquer caso, nossa resposta rápida sempre foi esta: que a qualquer ação contra o povo iraniano, vamos lhe dar uma resposta devastadora." Uma declaração que fala muito sobre a exacerbação das tensões que desencadeou as ameaças de Trump.

Outro país regularmente visado nos últimos quatro anos é a China, que não escapou do ataque de Trump no crepúsculo de seu mandato. Assim, como explica o jornal francês Le Figaro, o presidente americano pretende relançar a guerra comercial. Na visão de Trump, o mercado doméstico de tecnologia, em linha com as batalhas pela Huawei, para citar um exemplo, e a indústria de pesca "ilegal" no Pacífico Ocidental, outro tema quente. Uma política que não para de sobrecarregar a situação geopolítica entre as duas potências e provocar uma nova onda de instabilidade em todo o cenário mundial.

Finalmente, no Afeganistão, Donald Trump também está acelerando o ritmo no que se trata de retirada de tropas. Uma posição que está longe de ser unânime dentro do establishment americano e que corresponde a tudo, exceto uma posição antimilitarista do próprio Trump. Assim, o presidente dos EUA pretende repatriar 2.500 soldados que estão atualmente no Afeganistão e no Iraque para o Natal, poucos dias antes da transferência com Joe Biden. Uma iniciativa que não agrada ao líder dos republicanos no Senado e que pode abrir uma crise política interna, agravando as contradições da política imperialista norte-americana, em declínio e ameaçando um verdadeiro caos sistêmico.

O escândalo ecológico das perfurações no Ártico

Por fim, em uma operação bastante apressada, Donald Trump pretende dar uma solução à questão da perfuração no Ártico, uma área estratégica devido aos recursos de combustíveis fósseis. Assim, a venda da concessão de perfuração de petróleo e gás na zona costeira de 6.500 quilômetros quadrados deve ser registrada nas próximas horas, abrindo caminho para um desastre ecológico sem precedentes.

Com efeito, a exploração destas áreas, para além do óbvio impacto nas questões do aquecimento global, seria também um verdadeiro desastre para as muitas espécies animais que ali vivem, em particular os ursos polares, já ameaçados de extinção, ou os caribus.

Se Joe Biden tem alguma diferença com Trump nessa questão, como tentou marcar ao prometer rejeitar qualquer exploração da área, seria seguro apostar que o futuro presidente dos Estados Unidos não irá se contrapor a essas concessões, nem mesmo ao final da ata.

Em si mesmas, as manobras ofensivas de Trump durante os últimos dois meses de seu mandato mostram, por um lado, que a crise capitalista produzida pelo fenômeno Trump veio para ficar. É ela mesma quem oferece ao atual presidente sua margem de manobra. Por outro lado, em uma América fragmentada, cujas eleições mostraram que a base social de Trump permanece sólida, o presidente em final de mandato pretende manter um lugar de destaque no poder, possibilitado pela crise política histórica em que Estados Unidos estão atolados.

Como Claudia Cinatti explica em seu artigo Por que Trump resiste?: "Tudo indica que a verdadeira estratégia de Trump não é se refugiar na Casa Branca - o que ele não pode fazer porque será expulso em 20 de janeiro -, mas manter o ímpeto que ele fortaleceu em sua base eleitoral e para evitar que sua derrota se transforme em uma guerra de clãs. O fato é que, embora tenha perdido a Casa Branca, o Partido Republicano mantém uma parte muito importante do poder do Estado e uma grande capacidade de influenciar a política interna e externa do imperialismo norte-americano. Ele tem uma sólida maioria de 6-3 na Suprema Corte e provavelmente manterá o controle do Senado, uma ferramenta vital para conter o governo Biden. Além disso, ele também avançou na Câmara dos Deputados, [...] Trump mostrou que tem vontade política de manter um lugar de destaque dentro do regime, o tempo dirá com quais aliados e de que forma o ’trumpismo’ será reinventado. Será uma facção de extrema direita dentro do Partido Republicano como o Tea Party, mas com um poder infinitamente maior? Ou lançará as bases para um novo movimento partidário populista de direita? As hipóteses estão abertas”.




Tópicos relacionados

Joe Biden   /    aquecimento global   /    Imperialismo   /    Donald Trump   /    Irã   /    China   /    Internacional

Comentários

Comentar