×

Os governos são responsáveis | Triste recorde: Brasil tem 224 mil casos de Covid em 24 horas, mesmo após 2 anos de pandemia

Segundo boletim do Ministério da Saúde, o país tem o maior número de casos de Covid registrados em um único dia: 224.567. A média móvel de casos notificados também tem recorde e número de mortes em 24 horas é o maior desde outubro.

quinta-feira 27 de janeiro | Edição do dia

Fruto da política negacionista do governo Bolsonaro, e da política dos governadores que busca garantir o lucro dos patrões em cada estado, o Brasil tem novo recorde de casos de Covid-19 em um dia: 224.567 pessoas contaminadas mesmo após 2 anos de pandemia.

A média móvel de casos notificados, segundo o consórcio de veículos da imprensa, também tem recorde com 161.870 casos e está em aceleração chegando ao aumento de 169% há 29 dias.

Veja também: 2 anos de pandemia e chegamos em uma nova onda sem nenhum preparo. É preciso contratações emergenciais para saúde já!

O número de mortes notificado é de 606, o maior registro desde o último 15 de outubro. A média móvel de mortes também está em alta em praticamente todo o Brasil.

Veja abaixo, com informações do Uol, como está esta média por estados:

Região Norte
Acre: alta (200%)
Amazonas: alta (246%)
Amapá: alta (150%)
Pará: queda (-49%)
Rondônia: estabilidade (-12%)
Roraima: estabilidade (0%)
Tocantins: estabilidade (0%)

Região Nordeste
Alagoas: alta (325%)
Bahia: alta (43%)
Ceará: alta (404%)
Maranhão: alta (63%)
Paraíba: alta (144%)
Pernambuco: estabilidade (-2%)
Piauí: alta (100%)
Rio Grande do Norte: alta (567%)
Sergipe: alta (267%)

Região Centro-Oeste
Distrito Federal: alta (89%)
Goiás: alta (312%)
Mato Grosso: alta (38%)
Mato Grosso do Sul: alta (262%)

Região Sudeste
Espírito Santo: alta (229%)
Minas Gerais: alta (207%)
Rio de Janeiro: alta (129%)
São Paulo: alta (363%)

Região Sul
Paraná: alta (371%)
Rio Grande do Sul: alta (363%)
Santa Catarina: alta (276%).

É frente a essa realidade, que a patronal obriga os trabalhadores a seguirem nos seus postos de trabalho sem segurança sanitária, que os governos seguem sem garantir testes massivos e gratuitos, que reduzem os dias de isolamento dos contaminados para agradar aos capitalistas e em todo mundo, o acesso desigual à vacinação é o que permite que a pandemia siga se fortalecendo.

Leia mais: "Nossa luta é em defesa da vida, mas também pra impedir que arranquem nossa humanidade", diz Pablito




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias