×

China | Trabalhadores da Tesla são obrigados a dormir na fábrica de Xangai para voltar a produzir

A empresa de Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo segundo a Forbes, retomará a produção em sua fábrica de Xangai, na China, onde restrições rígidas foram impostas devido à disseminação do coronavírus.

terça-feira 19 de abril | Edição do dia

A empresa, para retomar a produção a todo custo, dará a cada trabalhador um saco de dormir, um colchão e um esquema de refeições para que possam morar na fábrica, evitando assim que sejam expostos a um contágio que possa paralisar a fábrica, independentemente do impacto que isso possa ter na saúde dos trabalhadores, conforme relatado pelo site da Bloomberg com base em comunicado interno.

Como as instalações não foram adaptadas, os funcionários terão que dormir no chão, como se fossem as condições de trabalho do século XIX.

De acordo com o relatório publicado pela Bloomberg, a empresa propõe um modelo de circuito fechado, onde os funcionários ficarão confinados à fábrica desde as primeiras horas de 18 de abril até 1 de maio. A reportagem acrescenta que a data poderá ser prorrogada caso a onda de infecções por covid aumente.

A Tesla aproveita a “solução” proposta pelas próprias autoridades chinesas, que propõem a imposição aos trabalhadores de um modelo de “circuito fechado”, em que trabalham e vivem nas instalações, violando todo o tipo de legislação laboral.

A empresa do homem mais rico do mundo não é a única que "se beneficia" da medida ditada pelas autoridades locais. Além da Tesla, cerca de 600 empresas já retomaram a produção com a opção "circuito fechado", incluindo a Quanta, que fabrica para a Apple, ou a SAIC Motor, parceira chinesa da Volkswagen e da General Motors.

Essas restrições, conhecidas como "covid zero", também implicam o fechamento de cidades inteiras, incluindo megalópoles como Xangai, com 27 milhões de habitantes, e uma política cada vez mais repressiva sobre a população, que inclui vigilância e intimidação extremas.

De acordo com um relatório do China Labor Bulletin, enquanto milhões estão confinados em seus prédios e apartamentos, "os trabalhadores industriais vivem em suas fábricas para continuar produzindo, os entregadores de comida dormem nas ruas e trabalham o dia todo e o pessoal médico morre por excesso de trabalho".

O mesmo relatório observa que em Xangai, os profissionais de saúde foram chamados no meio da noite e trabalharam longas horas com equipamentos de proteção insuficientes e sem pausas, administrando testes de PCR à população.

Para os entregadores de alimentos, a situação não foi diferente, eles enfrentaram decisões difíceis: ou se trancam em suas casas e não têm renda, ou dormem nas ruas para continuar trabalhando. Esses trabalhadores foram relatados dormindo em tendas, sob pontes e em estações de ônibus.

Em outra cidade do sudeste do país, Shenzhen, um dos centros industriais mais importantes do país e que havia sido confinado no mês passado, trabalhadores industriais foram trancados em seus locais de trabalho, morando e dormindo lá para que a produção não pare. Relatos indicam que eles dormem no terreno da fábrica, seja em barracas ou em camas improvisadas feitas com itens que têm à mão, como caixas de papelão, nas instalações da gigante Foxconn, conhecida por ser a maior montadora de iPhones do mundo.

Alguns vídeos circularam nas redes sociais chinesas denunciando a situação atual. Tanto os que estão confinados sob estrita vigilância e submetidos à arbitrariedade do Governo, como os trabalhadores essenciais, que cada vez mais trabalham e vivem em condições degradantes.

O Governo agora enfrenta uma situação de contágio sem precedentes desde o início da pandemia, com crescente agitação social que pode se tornar uma bomba-relógio.

As brutais condições de trabalho contra os trabalhadores, no caso da Tesla, só servirão para garantir os lucros de Elon Musk, que aumentou sua fortuna para 219 bilhões de dólares graças ao aumento de 33% nas ações da empresa.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias