SAUDE

Trabalhadores da IMESF realizaram vigília no MPT, na última terça

Vigília aconteceu entre às 17h e 21h em frente ao MPT em Porto Alegre para exigir ações frente aos ataques do governo Marchezan e do STF ao Instituto Municipal da Saúde da Família.

quarta-feira 7 de outubro| Edição do dia

Os trabalhadores, junto com Sindisaúde-RS, Sergs, Sindacs e Soergs, organizaram uma vigília em frente ao Ministério público do Trabalho, para cobrar da justiça que deu aval para os ataques ao setor da saúde investidos pelo governo de Nelson Marchezan (PSDB), que anunciou a demissão de 1,3 mil trabalhadores vinculados ao IMESF, com avisos prévios emitidos há cerca de duas semanas, ignorando o TAC, liminar que foi deferida em janeiro de 2020.

Lembrando que o judiciário, juntamente com Marchezan, também possui um papel central no desmonte da saúde em Porto Alegre, visto que a declaração de inconstitucionalidade do programa público de saúde partiu do STF. O governo neoliberal de Marchezan se aproveita de tal decisão para avançar no projeto de privatização da saúde pública, mesmo durante a crise do Covid-19, onde há cerca de 300 novos infectados por dia, com mortes diárias pela doença.

O ataque à saúde pública do município vem de ambos os lados, que demagogicamente, agem de formas distintas para concluírem um mesmo fim, como se demonstra na consonância entre a decisão arbitrária de desmonte da saúde pelo STF com as intenções precarizadoras e privatistas de Marchezan, que ignora qualquer alternativa para caminhar com os ataques dos capitalistas na área da saúde.




Tópicos relacionados

Crise na Saúde   /    Privatização da Saúde   /    IMESF   /    precarização   /    Marchezan   /    STF   /    Poder Judiciário   /    Saúde

Comentários

Comentar