Mundo Operário

Trabalhador: “Lucro da CEDAE tem que virar qualidade de vida para a população"

Trabalhador da CEDAE em depoimento ao Esquerda Diário, comenta a necessidade de manter pública a empresa, e que, mais que isso, seus lucros sejam revertidos na qualidade de vida da população. Os trabalhadores já demonstraram sua vontade de luta, só a força da nossa classe mobilizada pode barrar a privatização.

quinta-feira 29 de abril| Edição do dia

Foto: Juan Pablo

Trabalhador da CEDAE em depoimento ao Esquerda Diário:

“Sou trabalhador da CEDAE, quero aqui agradecer a presença de todas as comunidades que estiveram presente aqui neste ato, em defesa não só dos funcionários, mas da empresa Cedae que distribui água com caráter social, sem distinção de renda familiar onde todas as categorias são beneficiadas. Independente de tudo aquilo que acontece no Estado do Rio de Janeiro, nós sabemos da importância da empresa pública para toda a população do Estado. Hoje por conta da pandemia é essencial a gente ter água potável nas nossas vidas e como dizem alguns parlamentares, e é a visão de todos os trabalhadores da CEDAE, temos que ter todo o lucro da CEDAE investido na melhoria das comunidades carentes onde sabemos que todos aqueles que não tem condições de pagar, tem acesso a água. Então esse lucro que a CEDAE tem ao longo do ano tem que ser revertido dentro das comunidades carentes do Estado do Rio de Janeiro levando maior qualidade de vida da população.”

A privatização da CEDAE é uma ameaça à classe trabalhadora. Se leiloada, os serviços prestados pela estatal vão cair de qualidade brutalmente, principalmente nas zonas periféricas do Estado e da cidade do Rio de Janeiro. Os trabalhadores já mostraram sua disposição de barrar a privatização hoje na Alerj, assim como mostraram em 2017.

A tentativa de venda da empresa em meio mostra como para o Governo do Estado o lucro do leilão da CEDAE importa mais que a vida das pessoas que vão ser afetadas pela privatização. Ainda mais num momento, como ressaltou o Cedaiano, de pandemia onde a água cumpre um papel fundamental de higiene. Cabe ressaltar ainda que a CEDAE consegue manter seus lucros estáveis durante boa parte do ano, portanto não se trata de uma necessidade, pelo contrário é um meio de lucrar ainda mais.

Essa luta deve ser feita sem nenhuma confiança nos setores de cima. Em primeiro lugar o STF, que na terça-feira através do Ministro Fux derrubou a liminar que impedia temporariamente que adiava a privatização. Nem mesmo a votação dos deputados estaduais pelo adiamento, fruto da pressão das ruas, fez com que a privatização fosse adiada, com Castro passando por cima da Alerj e dos trabalhadores e mantendo o leilão para amanhã. Só a força das mobilizações da classe trabalhadora da CEDAE e da solidariedade de todos os outros setores que o leilão pode ser revertido.




Tópicos relacionados

Cláudio Castro   /    Privatização da Água   /    CEDAE   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Privatização   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar