Cultura

ELEIÇÕES EUA

Tom Morello repudia utilização da música “killing In the name” por trumpistas

A extrema direita não cansa de passar vergonha publicamente, essa semana nos EUA fez uma intervenção com a música “killing In the name” do Rage Against the Machine, em favor do reacionário e racista Donald Trump. Escolha vergonhosa visto que a banda sempre se colocou antirracista e anti imperialista. Tom Morello não aceitou e se pronunciou nas redes.

sábado 7 de novembro| Edição do dia

A da vez fica por conta dos manifestantes pró TRUMP, que indignados com a derrota nas urnas resolveram expressar seu protesto dançando e cantando de forma bem grotesca uma das músicas do Rage Against the Machine, banda essa que sempre carregou em suas letras e melodias muito protesto contra o imperialismo americano, racismo e toda a truculência da polícia norte americana.

Tom Morello, guitarrista e compositor da banda, expressou seu desprezo e indignação pelas redes sociais em relação a esse protesto genérico e burro a favor de Trump ao som de uma de suas músicas mais famosas e de mais agressividade contra a supremacia branca americana, KIlling the Name.

Na música está muito claro o tom de protesto e revolta contra os assassinatos e brutalidade cotidianos da polícia americana.

Num misto de vergonha alheia e insatisfação, Tom Morello citou o vídeo mencionado pelos apoiadores de Trump passando vergonha, e deixou claro que a música em questão não tinha nada a ver com a mensagem que eles quiserem passar com seu trabalho: “não foi isso que tínhamos em mente.”

Morello e a banda sempre foram bem críticos ao regime e todo o sistema opressor no coração do capitalismo, o que expressa mais uma vez como os apoiadores de Trump além de mal intencionados, são extremamente mal informados.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Cultura   /    Opinião   /    Internacional

Comentários

Comentar