Política

Toffoli tenta acobertar declarações LGBTfóbicas de Milton Ribeiro, Ministro da Educação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, recusou-se a abrir inquérito contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro. A Procuradoria-Geral da República (PGR) havia solicitado o procedimento para apurar as declarações LGBTfóbicas do ministro durante entrevista publicada pelo Estadão, no dia 24 de setembro.

quarta-feira 7 de outubro| Edição do dia

Foto: Reprodução/TVB

Na reportagem, Milton Ribeiro atribuiu a homossexualidade de jovens a "famílias desajustadas" e utilizou termos preconceituosos como “homossexualismo”, evidenciando a sua LGBTfobia.

Pode te interessar: Ministro da Educação destila sua LGBTfobia

Dias Toffoli, no entanto, negou o pedido de instauração de inquérito para proteger o ministro, criando uma etapa a mais na investigação. Com isso, Milton Ribeiro poderá prestar explicações antes da possível abertura do inquérito.

As declarações LGBTfóbicas do ministro são muito claras. A atuação de Toffoli mostra uma tentativa de acobertar a situação ao passo em que se aproxima e se alinha ao governo Bolsonaro. No final de semana, por exemplo, Toffoli recebeu Bolsonaro em sua casa para uma confraternização. Antes disso, esteve com ele na casa de Gilmar Mendes quando Bolsonaro levou até lá Kassio Mendes, possível novo ministro do STF.

Pode te interessar: Diana Assunção diz: “No abraço de Bolsonaro e Toffoli estão todos os ataques aos trabalhadores”

Com informações da Agência Estado




Tópicos relacionados

Milton Ribeiro   /    Dias Toffoli   /    Governo Bolsonaro   /    MEC   /    STF   /    Homofobia e Transfobia   /    LGBT   /    Política

Comentários

Comentar