Internacional

Todo judeu deve ser anti-sionista com convicção

Enquanto o responsável pelo apartheid da Palestina - o Estado de Israel - continua seu ataque brutal em Jerusalém com mais um roubo de terras, vale a pena lembrar o que é o sionismo, que não tem nada a ver com o Judaísmo e, na verdade, está em seu polo oposto.

sexta-feira 14 de maio| Edição do dia

Foto: Luigi Morris

Segue o apartheid promovido por Israel enquanto trava uma guerra genocida contra o povo palestino, o qual colonizou e reprimiu brutalmente desde sua fundação, então senti a necessidade de declarar, com grande orgulho, que sou um judeu abertamente anti-sionista desde antes de meu Bar Mitzvah. Nunca me esquivei de confrontar ninguém com minha opinião, incluindo meus parentes sobreviventes do Holocausto, mesmo quando exasperados eles não podiam mais discutir e simplesmente apontavam para as tatuagens dos campos de concentração em seus, como se sua experiência justificasse fazer aos outros, o que o os nazistas fizeram com eles.

Essa postura não deve me tornar especial. Embora agora eu seja apenas um judeu "cultural" - a diferença é que sou ateu e não pratico mais o judaísmo como religião - deve ser a postura de todo judeu que acredita no princípio fundamental que sustenta o judaísmo como um corpo de pensamento: tikkun olam , que significa "conserto do mundo". Esse princípio explica por que os judeus, como grupo, foram os primeiros a se juntar aos negros em grande número no movimento dos direitos civis. Não foi por acaso que Michael Schwerner e Andrew Goodman, dois judeus, estavam lá com James Chaney quando os três foram assassinados pela Ku Klux Klan no Mississippi em 1964.

O sionismo não tem nada em comum com o judaísmo. Na verdade, o sionismo é o maior patrocinador do anti-semitismo no mundo - em virtude do projeto cínico dos sionistas de associar sua ideologia a uma religião para que eles possam acusar aqueles que se opõem a ela desse mesmo anti-semitismo. O sionismo tem tudo em comum com o nazismo, porém, especialmente com sua aplicação do conceito genocida de "culpa coletiva".

Sionismo e a origem de Israel como um Estado

O sionismo é um movimento de longa data, mas sua história moderna começa na década de 1890 com Theodor Herzl. Em resposta ao anti-semitismo, Herzl e outros pretendiam criar um “Estado Judeu” em algum lugar do mundo. A Grã-Bretanha ofereceu parte de sua colônia em Uganda, mas a tribo daquela região e muitos leões tornaram a ideia insustentável. A Argentina foi considerada. Falava-se da Palestina. Se avançarmos rapidamente para 1917 e a Declaração Balfour do governo britânico, que basicamente afirmava que os britânicos apoiariam os esforços sionistas para colonizar a Palestina. A Liga das Nações fez o mesmo, com um “mandato" para “garantir o estabelecimento de uma casa aos judeus", ao mesmo tempo que promete" salvaguardar os direitos civis e religiosos de todos os habitantes da Palestina, independentemente de raça e religião ". Claro, essa última parte era uma mentira.

Os sionistas começaram a fazer de tudo para que os judeus se mudassem para a Palestina. Eles também começaram a comprar terras de senhores feudais, o que significava que as pessoas que viviam nessas terras eram expulsas, muitas vezes com violência. A falta de terra gerou muitos distúrbios.

Cabe ressaltar que os sionistas não eram particularmente religiosos e não incluíam judeus ortodoxos ou hassídicos - os mais religiosos da fé judaica (se a religião for definida perante seguir as “leis e tradições” estabelecidas ao longo dos séculos). Em vez disso, os sionistas eram em grande parte judeus seculares(que não necessariamente seguem as tradições religiosas), os que estavam em meio ao processo de "Reforma" da Igreja, no qual seus anseios sionistas respondiam mais à opressão que sentiam na Europa do que a qualquer fervor religioso por estar na "Terra Santa".

Entre a década de 1890 e o período durante o qual o movimento sionista realmente começou a focar sua atenção no estabelecimento de uma terra natal na Palestina a todo custo, duas coisas aconteceram. Uma foi a ascensão do nazismo, que representou uma ameaça aos judeus diferente de tudo que havia sido experimentado (nem mesmo a Inquisição espanhola procurou exterminar todos os judeus). Assim, a necessidade de “fuga” tornou-se maior. A outra foi que as potências imperialistas ocidentais que apoiaram a Declaração Balfour descobriram que ter um Estado cliente na Palestina servia aos seus interesses de várias maneiras.

O Projeto Colonizador

Existem basicamente duas maneiras de colonizar um lugar já habitado: enviar tropas e reprimir os nativos ou oprimir os nativos com uma combinação de força e colonos em assentamentos, para alterar a demografia. Isso é o que os sionistas fizeram, apoiados pelo Ocidente. Eles estabeleceram o tipo de colônia classificada como Estado de assentamentos coloniais. Na história da humanidade, houve realmente muito poucos Estados desse tipo; a maioria das colônias são apenas lugares em que o colonizador envia tropas para suprimir os nativos e manter a“ paz ”enquanto os recursos naturais são roubados. O Congo Belga é um bom exemplo; os nativos foram brutalmente massacrados enquanto a Bélgica colheu o máximo de borracha possível. Existem três grandes exemplos de Estados que impulsionaram assentamentos coloniais: os Estados Unidos e, de forma ainda mais aguda, a África do Sul e o Israel sionista.

Durante toda a era nazista, os sionistas fizeram todo o possível para que os judeus viessem para a Palestina, porque precisavam de colonos para seu projeto de colonização. Isso incluiu condenar à morte os judeus que fugiam de Hitler no navio MS St. Louis, que tiveram sua entrada negada em um porto dos Estados Unidos. Os sionistas fizeram lobby com a administração Roosevelt para recusar o navio, na esperança de que fosse para a Palestina. Em vez disso, finalmente voltou para a Europa, e muitos de seus passageiros morreram em campos de concentração nazistas.

Após a Segunda Guerra Mundial, os sionistas fizeram sua jogada para confirmar sua colônia na Palestina tornando-se um país real, usando o Holocausto e o mantra do “nunca mais” como justificativa. Eles ganharam o apoio de todas as potências imperialistas ocidentais. A fundação de Israel como um Estado foi um ato de brutalidade genocida. Os palestinos foram expulsos de suas casas em 1948 por terroristas - terroristas sionistas paramilitares. Várias gangues deles. Essas gangues tinham nomes: Lehi, Irgun, Etzel. Eles arrastaram pessoas para fora de suas casas e atiraram em homens na frente de suas esposas e filhos. Você pode encontrar uma lista dos ataques terroristas do Irgun aqui, incluindo o infame massacre de Deir Yassin. (Você também pode ler o trabalho abrangente de Ralph Schoenman, “História Oculta do Sionismo” aqui).

Os campos de refugiados em Gaza e em toda a Cisjordânia remontam em suas origens a esse terror sionista - uma abominação contra o tikun olam, tudo feito em nome do judaísmo. Tenho amigos palestinos que usam nos seus colares as chaves das casas dos pais ou avós que foram roubadas à mão armada ou por meio de bombardeios.

Antes do estabelecimento de Israel como um estado, a maioria dos judeus ortodoxos e todos os judeus chassídicos denunciaram o projeto sionista. Eles eram os judeus mais religiosos e apontaram que apenas o Messias poderia retornar e estabelecer uma pátria judaica. Hoje, a chamada direita ultraortodoxa e religiosa em Israel - especialmente os colonos dos assentamentos em terras que Israel continua a roubar enquanto empurra suas fronteiras cada vez mais além das de 1948 - são igualmente uma abominação contra o tikkun olam. Os franco-atiradores de seus bairros “religiosos” atiram em crianças.

O pretexto do “anti-semitismo”

Os sionistas se aproveitaram de um pretexto, o de que, na esteira do que os judeus haviam acabado de sofrer na Europa, tornaria extraordinariamente fácil para os sionistas enfrentar com emoção os desafios racionais à sua ideologia . Especificamente, eles descobriram que fingir que seu movimento ideológico era na verdade baseado na religião de um povo que acabara de enfrentar um genocídio lhes daria o espaço para fazer o que quisessem para proteger seu estado colonizador. Eles “inventaram” uma maneira de descartar todas as críticas como anti-semitismo.

Considere, por exemplo, como os sionistas respondem aos organizadores do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (uma campanha a favor da prática do boicote econômico a Israel com intuito do fim da ocupação na Palestina): “Você é anti-semita”. Essa é a resposta a qualquer crítica a Israel, incluindo crimes de guerra documentados. Pessoas como eu, judeus anti-sionistas, são chamados de "judeus que se odeiam".

Ainda mais cínico, porém, é que abastecer uma ideologia racista no judaísmo, fazendo isso por décadas, levando crianças palestinas de campos de refugiados, de Gaza e as que crescem noo apartheid na Cisjordânia a acreditarem que seus opressores são judeus e o judaísmo - uma religião, não uma ideologia. Isso alimenta os objetivos demoníacos dos ideólogos sionistas, que dependem daqueles que atacam Israel - seja em um debate em um campus universitário ou com foguetes lançados de áreas palestinas - para acreditar que estão lutando contra os judeus e sua religião, não os sionistas e sua ideologia . Os sionistas se deleitam com seu sucesso em inserir essa mentira no Oriente Médio.

É por isso que afirmo que os sionistas são os principais patrocinadores do anti-semitismo no mundo hoje. E as potências imperialistas ocidentais seguem isso porque serve aos seus interesses.

Interesses do imperialismo

O imperialismo ocidental apoiou a formação de Israel e continua a apoiar o regime do apartheid por uma razão: o petróleo. Israel não tem petróleo em seu território, mas os estados árabes que cercam Israel, por muito tempo liderados por ditadores apoiados pelos EUA, sentam-se no topo de muito petróleo. A história mostra que pode ser difícil manter as ditaduras em países menos desenvolvidos com uma grande riqueza de recursos naturais. Que melhor maneira de impedir que as massas árabes perseguissem seus próprios governos do que jogar um intruso violento, racista e colonialista no meio da região. Por décadas, praticamente até a Primavera Árabe de uma década atrás, quase cada grama de oposição à opressão foi dirigida a Israel, não aos próprios enganadores nacionais das massas árabes. Brilhante!

Sionismo e Judaísmo são inimigos. A existência de Israel é um ato criminoso contra a humanidade. Para entender isso, basta uma analogia simples: imagine que alguém apareça e arme uma barraca em seu quintal. Você sai e pergunta o que eles estão fazendo. Eles dizem que vieram para viver em paz e perguntam se você se importa se dormirem lá durante a noite. Você é uma boa pessoa e diz tudo bem. Eles ficam, ficam. Logo eles conectam uma mangueira à torneira de água externa e desviam toda a água de sua casa para a barraca. Então, eles colhem todos os vegetais do seu jardim e colocam uma cerca ao redor. Então, uma manhã, eles derrubam sua porta e, apontando armas na sua cara, mandam você sair de casa. Talvez eles matem alguns de seus familiares. Eles mandam você para um campo de refugiados. E isso acontece com todos os seus vizinhos. Enquanto isso, eles declaram ao mundo que sua oposição a eles terem feito isso prova que você é racista contra as pessoas que moram pacificamente em barracas de quintal. As principais potências mundiais declaram que os moradores das barracas, agora morando em sua casa, são a “única democracia” da região, muito contraditório com a maneira que eles usaram para tomar a sua casa.

Israel é um estado de apartheid. Não é por acaso que durante todo o tempo em que a África do Sul foi um pária internacional por causa do apartheid (banida das Olimpíadas, banida da maioria das atividades internacionais), houve apenas um país no mundo que sempre a convidou para tudo: Israel. Dois lados da mesma moeda - os dois gêmeos colonizadores racistas do mundo moderno - andavam juntos.

Essas são as razões pelas quais sou anti-sionista. Todos os judeus, religiosos ou não, deveriam ser anti-sionistas. Minhas crenças socialistas revolucionárias foram forjadas no tikkun olam, e consertar o mundo forjado pelo sionismo tem apenas uma solução. Não começa com o que os "judeus liberais" e "pacifistas" clamam - um retorno às fronteiras pré-guerra de 1967 - mas sim a demanda por uma Palestina secular e democrática em todo o território histórico, com o direito de retorno garantido para todos os palestinos com reparações pelo que lhes foi roubado.

A verdadeira paz, porém, virá quando as potências imperialistas que sustentam o regime sionista racista forem derrubadas pelas massas mundiais. Será nessa altura que se concretizará mais um lema: “A Palestina tem de ser livre, do rio ao mar! ”




Tópicos relacionados

Cisjordânia   /    Anti-imperialista   /    Imperialismo   /    #ResistePalestina   /    Internacional

Comentários

Comentar