Política

COVID-19

TCU aponta que Ministério da Saúde não apresentou plano para o combate à pandemia

Nessa quarta-feira, 21, o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou que o Ministério da Saúde falhou no planejamento das ações de combate à pandemia de covid-19 no País.

quarta-feira 21 de outubro| Edição do dia

Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Relatório elaborado por auditores do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que o Ministério da Saúde, dirigido pelo militar Eduardo Pazuello, falhou no planejamento das ações de combate à pandemia de covid-19 no País. Problemas foram encontrados em relação à descentralização de recursos, a política de testagem e também às estruturas de governança criadas para o combate à crise sanitária. Os ministros do TCU vão julgar o relatório nesta quarta-feira, 22. O relator é Benjamin Zymler.

De acordo com os técnicos do tribunal, o ministério não elaborou um plano de ação em resposta a determinações que o próprio tribunal havia feito em julho à pasta. "Sem a definição dos elementos que deveriam constar de planos tático-operacionais é possível afirmar que o Ministério não possui uma estratégia minimamente detalhada para combater os efeitos da pandemia", dizem técnicos em documento.

Auditores apontaram que o ministério não prestou informações suficientes para que se possa concluir se a estratégia de testagem dos casos suspeitos de covid-19 é satisfatória.

Na análise das aquisições do Ministério da Saúde, além das deficiências no planejamento, a equipe constatou problemas na transparência dos processos de compra e no monitoramento e avaliação pelos controles interno e externo, em razão da utilização de diferentes sistemas eletrônicos para instrução e condução dos processos administrativos de contratações.

Mas o descaso com a vida da população não vem somente do governo federal, mas sim do regime como um todo - como congresso, STF e governadores - que utilizou a pandemia somente para demagogias eleitorais, mostrando como políticos e juízes são um braço forte para a burguesia passar todos os ataques que estão hoje em curso contra a vida da classe trabalhadora.

Em nenhum lugar foram garantidos logo no ínicio testes massivos para uma quarentena racional, nem a distribuição de EPIs e insumos para o combate da grande contaminação da COVID-19, isso nem mesmo nos Estados que são governados por opositores de Bolsonaro, como é o caso de São Paulo sob gestão de João Doria (PSDB).

Veja aqui: Contra Bolsonaro e Doria, defendemos a vacina gratuita para todos que queiram.

Pode interessar: O abraço do regime golpista e a necessária nova Constituinte.




Tópicos relacionados

pandemia   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Militares na política   /    Governo Bolsonaro   /    Ministério da Saúde   /    Política

Comentários

Comentar