REPRESSÃO

Servidores de Cachoeirinha (RS) são brutalmente reprimidos pela Brigada Militar

Os servidores de Cachoeirinha, cidade localizada na zona metropolitana de Porto Alegre, estão em greve desde o início do mês contra os cortes da prefeitura, os privilégios dos políticos, em especial do prefeito Miki Breier, do PSB (que recebe o maior salário de prefeito do país - mais de R$ 27 mil), e o conjunto dos ataques aos trabalhadores a nível estadual e federal.

quinta-feira 30 de março de 2017| Edição do dia

A greve se alastra com bastante força há um tempo e resistindo aos desmontes do funcionalismo público que a prefeitura tenta implementar. Ela se intensificou de tal maneira que parte dos servidores passaram a organizar uma greve de fome em frente à prefeitura desde segunda-feira, seguido da ocupação da câmara dos vereadores cuja maioria de seus componentes apoia as medidas da prefeitura.

Hoje, 30 de Março de 2017, os servidores protestavam em frente à Câmara Municipal contra um pacote de cortes de gastos enviados pela prefeitura que visava atacar os direitos dos servidores. A resposta ao protesto, em um claro desrespeito ao direito de greve e manifestação política, foi a repressão brutal aos servidores, como se pode ver no video e nas fotos abaixo.

Violência brutal contra os manifestantes:

Bombas sendo jogadas contra os trabalhadores:

Video que mostra como a polícia iniciou a violência contra os trabalhadores que protestavam pacificamente, diferente do que a RBS disse:

Um trabalhador que estava presente no momento nos mandou o seguinte relato que mostra a covardia da polícia:

E hoje estava do lado de fora do gradil junto com a maioria dos servidores, um pequeno grupo estava dentro da câmara, pois entraram ontem tentando guardar lugar, logo chegou o policiamento na noite de ontem e não deixou mais ninguém entrar, até a montagem de toda estrutura. Um outro grupo de colegas ficaram na calçada. Na manhã de hoje estávamos conversando de boa com o efetivo da brigada do município, pois conhecemos quase que sua totalidade e trabalhamos em conjunto, apoiando e recebendo apoio dos mesmos, quando chegou o choque, mandaram eles, a brigada do município, sair do local, e o choque veio em direção aos que estavam sentados, começaram a esguichar spray de pimenta neles e logo em seguida dar chutes, só aí que nós nos revoltamos com a covardia e revidamos.
Só depois.

Vários trabalhadores foram feridos e alguns deles, cerca de 15 segundo o sindicato dos municipários, tiveram que ser hospitalizados.



É necessário repudiar a repressão e prestar toda solidariedade à greve dos servidores de Cachoeirinha. Há tempos tentam criminalizar o sindicato da categoria, bem como descarregar, tal como estão no estado com Sartori e no país com Temer, a crise nas costas dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Porto Alegre   /    Repressão   /    Violência policial

Comentários

Comentar