×

Argentina | Sergio Massa: amigo da embaixada ianque escolhido por Alberto e Cristina como novo superministro

O agora ex-presidente da Câmara dos Deputados assumirá um Ministério unificado da Economia, Desenvolvimento Produtivo, Agricultura, Pecuária e Pesca. Se soma ao Vice-Reino do FMI como funcionário do Poder Executivo um amigo próximo da embaixada dos Estados Unidos na Argentina, que iniciou sua carreira política na direita liberal, passou pelo menemismo, duhaldismo e kirchnerismo, para depois enfrentar Cristina Kirchner durante anos, ser chave para votar leis para Macri e finalmente desembarcar na Frente de Todos. Uma viagem pela sua trajetória para pensar em mais um capítulo de uma crise eterna.

Fernando ScolnikBuenos Aires | @FernandoScolnik

sexta-feira 29 de julho | Edição do dia

A crise sem fim do país e da Frente de Todos tem um novo capítulo. Em meio a uma forte corrida cambial que o Governo busca resolver acatando os planos de ajuste do FMI e fazendo concessões aos grandes capitalistas do campo e aos negócios especulativos dos bancos, se dá uma notícia de alta voltagem política com a qual se vinha especulando há semanas: a entrada de Sergio Massa no Gabinete.

O homem de Tigre vai ocupar um novo ministério. O presidente decidiu encarregá-lo de uma reorganização da área econômica, que unifica Economia, Desenvolvimento Produtivo e Agricultura, Pecuária e Pesca. Incluirá também relações com organizações de crédito internacionais, bilaterais e multilaterais.
Filho de um empresário da construção civil, Massa estudou Direito na Universidade de Belgrano. Suas origens políticas remontam à adolescência, quando ingressou nas fileiras do UCeDé, partido liberal de direita fundado por Álvaro Alsogaray.

Em meados da década de 1990, Massa foi um dos integrantes desse partido que promoveu a fusão com o Menemismo, e assim ingressou nas fileiras da PJ, onde começou com Luis Barrionuevo e a deputada Graciela Camano.

Durante esses anos ocupou um cargo no Ministério do Interior e foi assessor de “Palito” Ortega. Algum tempo depois seria nomeado por Eduardo Duhalde como Diretor Executivo da Anses, função que manteria durante o Kirchnerismo até ser eleito prefeito de Tigre em 2007. Em 2008 retornaria ao governo nacional como Chefe de Gabinete de Cristina Fernández, com quem se separou em 2009, quando voltou a ser prefeito de Tigre.

Após seu rompimento com o Kirchnerismo, os telegramas do WikiLeaks revelaram seu relacionamento fluido com funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Buenos Aires. Nesses diálogos, suas posições claramente antitrabalhistas foram vistas quando ele apoiou a multinacional Kraft-Terrabusi, que em 2009 realizou demissões em massa. Os telegramas dizem que “Massa disse três vezes que acreditava que a empresa estava certa quando demitiu 155 trabalhadores por não terem vindo trabalhar em julho. Ele insinuou que os líderes sindicais da fábrica são chantagistas e irracionais”.

Em 2015, Massa foi candidato à presidência. Entre suas propostas mais destacadas estava a ideia de levar as Forças Armadas para as ruas. Ele também atacou violentamente os trabalhadores da educação, acusando-os de absenteísmo. Foi Nicolás del Caño, deputado socialista pela Frente de Esquerda e do PTS, partido irmão do MRT, quem o desmascarou no debate presidencial, revelando que era ele quem estava "ausente" de seu cargo, na Câmara dos Deputados.

Durante o macrismo, Massa foi um dos atores centrais do peronismo que permitiu ao Cambiemos votar as leis de ajuste e entrega no Congresso Nacional, a começar pela aprovação do acordo com os fundos abutres que deu início a um ciclo fenomenal de endividamento cujas consequências estão sendo vividas dramaticamente hoje, hipotecando a história do nosso país por décadas, se não invertermos a história.

Nos últimos anos, e após um forte confronto com Cristina Kirchner durante o qual ele pediu a prisão da atual vice-presidente, Massa acabou por declinar suas aspirações presidenciais de ingressar na Frente de Todos, onde as diferentes facções do peronismo se reconciliaram para retornar ao governo .

Como presidente da Câmara dos Deputados representando este espaço político, vinha desempenhando o papel de aprovar as leis que o Governo especificou, que desde o início tinham uma orientação clara para legitimar o legado macrista e preparar o terreno para planos de ajuste: anular a mobilidade previdenciária que ia beneficiar os idosos em dezembro de 2019, sanções de orçamentos de ajuste e, por fim, o acordo com o FMI cujas duras consequências estamos vivenciando.

Hoje, com esta entrada no governo, a Frente de Todos - com o acordo de Alberto e Cristina - procura dar "volume político" a uma presidência enfraquecida e desacreditada. Embora se esperem detalhes sobre a reorganização do gabinete como um todo, a intenção política é dar força a uma gestão que não deve apenas enfrentar uma grave crise econômica e social que esta só tratou de aprofundar legitimando a herança de Macri, mas também predispor a aplicar mais profundamente os planos de ajuste do FMI.

Como prova, vale o que aconteceu nos últimos dias: enquanto a grande maioria sofre os golpes da inflação e da precariedade, o governo acaba de fazer concessões aos grandes patrões do campo para liquidar dólares, e o agora ex-ministro Batakis viajou para os Estados Unidos em nome do Governo para se colocar à disposição para ratificar as metas do FMI acordadas por Martín Guzmán, aplicando mais planos de ajuste. Também aumentaram as taxas de juros para garantir o negócio especulativo dos bancos.

No curto prazo, eles pretendem usar essas mudanças, que os "mercados" acolhem, para impedir a corrida cambial. Mas, segundo diferentes fontes, além das concessões aos bancos e aos patrões do interior, Massa teria em sua carteira tentar uma "desvalorização controlada" que aprofundará a inflação e a desaceleração da economia.

Enquanto a Frente de Todos administra e aprofunda a crise, e a oposição de direita clama por mais ataques, nesta quinta-feira houve um novo dia de luta nas ruas. Desde cedo, a Rede de Trabalhadores Precários e o Movimento de Grupos Classistas saíram às ruas junto com lideranças de esquerda, como Nicolás del Caño e Myriam Bregman do PTS, em apoio às lutas e por uma saída operária para a crise. Posteriormente, a Unidade Piquetera realizou um dia nacional de luta, com epicentro na Praça de Maio.

A continuidade da crise exige, mais do que nunca, redobrar o apoio aos que lutam, como os operários da fabricação de pneus ou os professores em diferentes partes do país (como em Mendoza, onde houve uma grande passeata esta semana). Denunciar também a trégua das burocracias da CGT e CTA que pediram a entrada de Massa no Governo, e promover assembleias em todos os locais de trabalho para exigir e impor de baixo o fim dessa subordinação e a convocação de um plano de lutas nacionais à CGT e CTA, na perspectiva da greve geral, para derrotar o plano de ajuste.

Todas essas lutas essenciais e urgentes devem ser dadas a partir de uma perspectiva de fundo. Porque são eles ou nós. É por isso que o PTS na Frente de Esquerda também está realizando nestes dias uma forte campanha de agitação em massa nos locais de trabalho, estudo e bairros, por 6 medidas urgentes diante da crise, para dar uma reviravolta na história da eterna decadência a que os sucessivos governos nos trouxeram: aumento emergencial dos salários e reajuste de acordo com a inflação; nacionalização do comércio exterior e das grandes empresas do agronegócio sob gestão operária; redução da jornada de trabalho para 6 horas diárias, sem afetar o salário, e um plano de obras públicas a serviço das necessidades populares; não pagamento da dívida pública e a nacionalização sistema bancário. Fazemos isso na perspectiva da luta por um Governo dos trabalhadores e dos pobres que socialize os meios de produção e que, planejando democraticamente a economia, comece a desenvolver uma transformação socialista que garanta a solução das demandas das grandes maiorias , como parte de uma luta internacional dos trabalhadores e povos oprimidos do mundo.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias