Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Retomando as visões sobre a relação da China com o imperialismo

Esteban Mercatante

Retomando as visões sobre a relação da China com o imperialismo

Esteban Mercatante

No artigo “China e imperialismo: elementos para uma discussão”, discutimos como caracterizar a China dentro do sistema imperialista. Para complementar o que aí se afirma, nesta nota apresentaremos algumas posições que divergem das que podem ser encontradas na abundante bibliografia que está sendo elaborada sobre a China.

Temos em um extremo, autores como John Smith. Sua obra Imperialismo do século 21 é um dos estudos mais abrangentes em uma chave marxista das cadeias de valor globais como um mecanismo pelo qual os países imperialistas exploram (superexploram, em seus termos) a força de trabalho de países dependentes e semicoloniais [1]. Mas tem um problema fundamental, que é como encaixar a China em seu esquema. Conforme expresso nesta entrevista que realizamos, tende a colocá-lo mais ao lado do Sul global, ou seja, como um espaço sujeito à espoliação por empresas multinacionais de países imperialistas, embora reconheça aspectos que podem ir mais longe – Que rapidamente tende a minimizar [2]. Smith parte do papel preponderante que o capital estrangeiro desempenhou e continua a desempenhar no comércio exterior do país, que ao mesmo tempo é uma chave fundamental para a força econômica da China, que se tornou o grande "credor" do planeta. As multinacionais operam com suas próprias subsidiárias ou contratando empresas fornecedoras; de uma forma ou de outra, participam da exploração da mão-de-obra chinesa, pela qual pagam menores salários do que os que se recebem em seus países de origem ou mesmo em outros países dependentes e semicoloniais [3].

Nessa mesma linha, Minqi Li caracteriza a situação da China. Li parte do marco conceitual do sistema mundo na formulação dada por Immanuel Wallerstein, que estuda a história do capitalismo como uma sucessão de longos ciclos e propõe que o sistema mundial seja organizado em um centro, uma periferia explorada pelo primeiro e uma semiperiferia que está localizado entre os dois, que é parcialmente explorado, mas também participa da exploração de outros territórios e desempenha um papel de "amortecimento" e estabilizador na ordem de dominação. Li afirma que a China continua localizada na periferia. Esclarecemos o que Li quer dizer aqui por "periferia"; Não está questionando o papel proeminente e central que a China desempenha no sistema mundo; refere-se ao fato de ser periférico pela maneira como, no balanço líquido, perde na troca com as potências, para quem transfere excedentes. Seu argumento é baseado nos termos de troca de trabalho que “indicam o grau em que um país ganha ou perde por meio de troca desigual no sistema capitalista mundial” [4]. Li argumenta que a China, embora tenha modificado favoravelmente seus termos de troca com algumas regiões (Leste Asiático, Sul da Ásia, África), mantém relações de troca desfavoráveis ​​com o resto do mundo. Isso quer dizer que, em seu esquema, "a China se tornou uma rede ’exploradora’ em seu comércio com o Leste Asiático, Sudeste Asiático e as economias periféricas da África", mas o contrário acontece com os EUA, Europa, Oriente Médio e até América Latina. Li adverte, no entanto, que é muito provável que os termos de troca de trabalho “se tornem favoráveis ​​não apenas em relação às economias periféricas, mas também à maioria das economias semi-periféricas. Assim, a China se tornará uma economia semi-periférica ” [5]. Li não considera possível que a China vá mais além, porque dada "a enorme dimensão da economia chinesa e a sua demografia, a sua entrada na semi-periferia terá implicações fundamentais para o funcionamento do sistema capitalista mundial", podendo sugerir que o "sistema mundo capitalista encontrou seu limite ” [6]. Quer dizer que representaria uma desestabilização do sistema tal que ameaçaria seu colapso. Como podemos ver, ao contrário de Smith, embora ainda coloque a China em uma posição subordinada, ele caracteriza que seu avanço é imparável e que o sistema não pode processá-la nos termos atuais.

Em que medida posições dão conta da posição objetiva da China hoje? É correto assinalar que a força de trabalho chinesa continua a ser explorada pelo capital imperialista –exploração da qual também participa o capital local chinês– e que o investimento e o comércio com o gigante asiático são fonte de aumento de lucros para o capital global e os países imperialistas. Mas a China conseguiu, ao menos em parte, trocar esse benefício gerado às multinacionais por condições favoráveis ​​ao desenvolvimento das forças produtivas, em uma troca que nenhum outro país dependente pode dar. A massiva atração de capitais para sua economia e as divisas de comércio exterior proporcionadas pelas reservas do Banco Popular da China, a alimentaram de recursos para seus próprios investimentos no exterior e para montar uma cerca de contenção com vistas a impedir o país de passar qualquer episódio semelhante à crise asiática do final dos anos 1990. Nesse sentido, a China não repete os esquemas dependentes de outros países pobres ou em desenvolvimento nos quais o investimento estrangeiro ou a industrialização das exportações não levam a nenhum salto no nível de desenvolvimento que é qualitativo, exceto para singularidades que se explicam sobretudo por condições geopolíticas muito excepcionais [7]. Acreditamos que há duas razões que confluíram para produzir esse resultado particular: em primeiro lugar, pela escala de atração de capitais e exportações geradas pela China, ainda que as multinacionais adquiram parte significativa do valor da cadeia com isso, os recursos - e principalmente as divisas - que deixa como saldo local para investimentos ainda são gigantescos em termos absolutos, ou seja, pode gerar uma espécie de situação de “todos ganham” para o capital imperialista e a burocracia chinesa; em segundo lugar, a relativa continuidade de elementos herdados da economia nacionalizada, como é um certo monopólio do comércio exterior e do setor financeiro que continua bastante desvinculado das finanças globais, limitando o escoamento de excedente.

A escala dos investimentos que atraiu do exterior, somada aos das empresas públicas da China, gerou efeitos em cadeia, ampliando "a produção para o seu próprio bem", ou seja, a crescente implantação de novos setores produtivos que não visam apenas exportar produtos acabados para outros países, mas para abastecer um sistema produtivo que vai se tornando mais complexo. Isso, somado aos esforços da burocracia de se associar a empresas estrangeiras para obter tecnologia ou diretamente roubá-la – o que muitas vezes fracassou, mas em outros casos teve sucesso - permitiu, em uma medida inexistente em quase nenhum país periférico durante o século XX e até agora no XXI , para aumentar substancialmente o nível de desenvolvimento, embora isso tenha ocorrido por mãos do domínio do capital estrangeiro sobre o comércio exterior. Que a força de trabalho da China é "super-explorada" pelo capital estrangeiro e que esta foi a base pela qual a China "galgou a escada" da ascensão econômica são as duas faces da mesma moeda.

Outra posição que encontramos, por exemplo, em Ho-fung Hung, é que a China continuará sua ascensão econômica para localizar-se entre as grandes potências capitalistas, mas que “está longe de se tornar uma potência subversiva que transformará a ordem neoliberal existente, porque a própria China é uma das principais beneficiárias desta ordem”[Hung, Ho-fung, The China Boom. Why China Will Not Rule the World, New York, Columbia University Press, 2016, p.180. Para uma resenha do livro ver Esteban Mercatante, “¿China no dominará el mundo?”, Ideas de Izquierda 33, septiembre 2016.]]. Hung destaca todos os aspectos que levam a China a manter seu envolvimento na manutenção da ordem atual, entre eles, de que deixar de financiar os EUA é um perigo para a própria China. Os quatro anos que se passaram desde que foi publicado o The China Boom envelheceram bastante as hipóteses do livro, pois tanto a China quanto os EUA intensificaram seu confronto.

Como uma posição similar à de Hung, encontramos a tese de que a China não só já está se erguendo de forma imparável, mas que o faz desempenhando um papel benigno na ordem mundial, ou seja, efetivamente “subversiva” da ordem imperialista. Foi isso que Giovanni Arrighi levantou em Adam Smith em Pequim, que identificou elementos da história da China anteriores às invasões europeias para definir a existência de uma economia de mercado não capitalista, ou seja, não exploradora. Seu livro argumentava que isso, e não uma restauração burguesa, seria o que poderia estar ressurgindo agora, e o que a China projetaria para o resto do mundo. Arrighi, que durante décadas elaborou a tese sobre as sucessões hegemônicas que sustentava que o capitalismo se desenvolvia em ciclos, cada vez maiores, nos quais as cidades-estados italianas, a Holanda, a Grã-Bretanha e finalmente os Estados Unidos dominavam sucessivamente, cada um impondo diferentes combinações de organização econômica e poder territorial [Para uma crítica a Arrighi ver Chingo, Juan y Dunga, Gustavo, “¿Imperio o imperialismo? Una polémica con El largo siglo XX de Giovanni Arrighi e Imperio de Toni Negri y Michael Hardt”, Estrategia Internacional 17, otoño 2001. A propósito de los planteos de Arrighi sobre China, ver Bach, Paula, “China: de Giovanni Arrighi al General norteamericano Clark”, La Izquierda Diario, 25/10/2014.]], conclui que a nova “sucessão” fecharia o ciclo porque não seria mais capitalista. Sem atribuir aos elementos teóricos mais excêntricos sobre uma mercantilização não capitalista própria da China, a ideia de Arrighi de que este país pode ser um contrapeso ao imperialismo dos Estados Unidos e da Europa é hoje retomada de diferentes ângulos. David Harvey - cuja visão do "novo imperialismo" dependia abertamente das noções de Arrighi sobre a relação entre poder econômico e poder territorial, embora ele as reformulasse – sugeriu alguma vez algo do gênero. Vemos isso sobretudo nas correntes políticas que, desde a periferia, sugerem que pode ser um “parceiro do desenvolvimento”.

Por último, há quem, como Au Loong Yu, assinale a trajetória imperialista da China, embora afirme que ela não foi consumada. O primeiro motivo de Yu é a integração nacional pendente: “Antes que a China possa realizar sua ambição imperial, ela tem que eliminar seu legado colonial, isto é, tomar Taiwan e primeiro cumprir a tarefa histórica do PCCh de unificação nacional ”. Mas isso “necessariamente enfrentará os EUA, mais cedo ou mais tarde. Portanto, o problema de Taiwan contém ao mesmo tempo a dimensão de autodefesa da China (inclusive os EUA reconhecem que Taiwan faz parte da China) e uma rivalidade anti-imperialista” [8]. Para unificar-se a Taiwan, "sem falar na ambição global, Pequim precisa primeiro superar as debilidades persistentes da China, especialmente em sua tecnologia, sua economia e falta de aliados internacionais". Yu acrescenta que "a China é uma singular potência expansionista e capitalista de Estado que não está disposta a ser um sócio de segunda classe dos Estados Unidos." Portanto, faz parte do “neoliberalismo global e também é uma potência capitalista de Estado que ocupa o seu lugar próprio. Essa combinação peculiar significa que se beneficia da ordem neoliberal e ao mesmo tempo representa um desafio para ela” [9]. Pierre Rousset é outro autor que vem elaborando no mesmo sentido que Yu [10].

Como podemos ver, as posições sobre o lugar da China em relação às potências imperialistas não poderiam ser mais divergentes. Como já argumentamos, considerar a China como um imperialismo em processo de constituição ou em construção nos parece o mais adequado para captar uma situação que continua a ter elementos transitórios, mas marcando ao mesmo tempo a direção na qual vem se movendo, embora o sucesso nessa empreitada não seja de todo garantido.

Para seguir lendo

Por fim, elencamos algumas notas que publicamos, que nos permitem dar conta da trajetória da China e de sua relação com o imperialismo.

• Juan Chingo, “Mitos y realidades de la China actual”, Estrategia Internacional 21

• Paula Bach, “China ante una encrucijada”, La Izquierda Diario.
• Paula Bach, “Consequências da retracción chinesa”, Esquerda Diário.

• Esteban Mercatante, “¿China no dominará el mundo?”, Ideas de Izquierda.

• Juan Chingo, “Una deuda insostenible: la piedra de toque de las ambiciones chinas”, La izquierda Diario

• Paula Bach, “The Trump show”, semanario Ideias de Esquerda.

• Juan Chingo, “Malasia inflige revés a la ‘ruta de la seda’ da China”, Esquerda Diário.

• Entrevista de Juan Cruz Ferre a Au Loong Yu, “Fortalezas e contradições da economia chinesa”, semanário Ideias de Esquerda.

• Esteban Mercatante, “Trump vs. China: aranceles, “manipulación” de monedas y una escalada de rumbo incierto”, semanário Ideias de Esquerda.

• Paula Bach, “China x EUA: a disputa comercial e o que realmente está em jogo”, semanario Ideias de Esquerda.
• Paula Bach, “Reflexões sobre a “guerra comercial”, a economia mundial e suas derivações latino-americanas”, Semanário Ideias de Esquerda.

• Claudia Cinatti, “Estados Unidos-China: rumo a uma nova guerra fria?” Esquerda Diário.

• Esteban Mercatante, “A China na desordem mundial”, semanario Ideias de Esquerda.

• Salvador Soler, “La Nueva Ruta de la Seda, ¿un sueño chino?”, semanario Ideas de Izquierda.

• Esteban Mercatante, “Os contornos do capitalismo na China”, semanario Ideias de Esquerda.

Tradução Zuca Falcão

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Para uma resenha de seu livro ver Mercatante, Esteban, "Las venas abiertas del Sur global", Ideas de Izquierda 28, abril 2016.

[2Globalización de la explotación, la clave del imperialismo del siglo”, semanário Ideas de Izquierda, 16/12/2018. Ver também um debate com David Harvey em Mercatante, Esteban, “Capitalismo y desarrollo desigual, ¿una desmentida al imperialismo?”, semanário Ideas de Izquierda, 5/8/2018.

[3Embora os salários tenham aumentado nos últimos 15 anos, como resultado de muitos outros países, mesmo algumas das áreas mais "intensivas em mão de obra" se retiraram da China com outros salários mal pagos.

[4Li, Minqi, China and the Twenty-first Century Crisis, Nueva York, Pluto Press, 2015, versión digital.

[5Ídem

[6Ídem

[7Sobre esta questão, e os distintos níveis de desenvolvimento desigual que caracterizaram a internacionalização produtiva, ver esta nota de polêmica: Esteban Mercatante, “Desenvolvimento desigual e imperialismo hoje: uma discussão com David Harvey”, semanário Ideias de Esquerda, 20/09/2020.

[8“El ascenso de China a potencia mundial. Entrevista a Au Loong Yu”, Viento Sur, 14/3/2019.

[9Ídem.

[10Pierre Rousset, “Un imperialismo en construcción”, Rebelión, 17/07/2014.
CATEGORÍAS

[PCCh]   /   [Brics]   /   [Imperialismo]   /   [China]

Esteban Mercatante

Comentários