Internacional

Violência policial

Repressão aos povos originários no Chaco argentino

Eles exigiram o direito à terra e foram reprimidos pela polícia do Chaco. Gustavo Olivello, que vem sendo fortemente repudiado por organizações de direitos humanos e pelo Sindicato da Imprensa, comandava a operação.

sexta-feira 16 de outubro| Edição do dia

Cerca de 130 pessoas membros de distintos povos indígenas realizavam uma manifestação pacífica, exigindo o direito à terra, quando a polícia do Chaco (província argentina próxima ao Paraguai), liderada por Gustavo Olivello, iniciou uma violenta repressão.

“Ficamos ao lado da Rota 11 e então começaram a reprimir crianças, pessoas com deficiência, mulheres, com balas de borracha e gás lacrimogêneo”, afirma Juan Marcelo Gómez, integrante da comunidade. E continua: “Em nenhum momento tentaram o diálogo, Olivello nos desrespeitou e ordenou de forma arrogante e autoritária a repressão. Liberamos um trecho da estrada a cada 15 minutos para a passagem de veículos”.

Hugo Gustavo Olivello foi recentemente nomeado pelo governador Jorge Capitanich como funcionário provincial a cargo da Subsecretaria de Prevenção e Segurança na Abordagem Territorial. A sua promoção de polícia a membro do Ministério do Governo foi fortemente condenada por organizações de direitos humanos como a H.I.J.O.S. e a Asociación Pensamiento Penal Chaco, por considerarem que um membro das forças de segurança não pode ocupar um cargo cujo objetivo seja atender às reivindicações dos movimentos sociais dentro do Estado.

O ex-policial tem um histórico grave de violações de direitos humanos e queixas criminais por privação ilegal de liberdade e detenções ilegais com ameaças e pressão. Por sua vez, também foi denunciado pelo Sindicato da Imprensa do Chaco, pela repressão a jornalistas e destruição de material fotográfico em relação a cobertura das manifestações.

A política repressiva de Jorge Capitanich

Desde o início do isolamento social, preventivo e obrigatório no Chaco, as forças de segurança foram fortalecidas. No início da quarentena, uma família Qom do bairro de Banderas Argentinas, na cidade de Fontana, foi espancada, chutada, baleada e torturada de sua casa para ser encaminhada à delegacia, onde os abusos continuaram. Os policiais continuam impunes e em liberdade.

As práticas de violação dos direitos humanos foram recompensadas com promoções por parte do executivo provincial. Além da nomeação de Olivello, há também a recente nomeação de Ariel Acuña para Chefe da Polícia do Chaco, responsável pela morte do líder do MTD, Ángel Verón, em 2015.

Diante da demanda histórica de terras por parte das comunidades indígenas e diante das consequências sociais da crise econômica e da pandemia, o governador Jorge Capitanich, integrante da "Frente de Todos", escolheu a repressão como um de seus mais implacáveis ​​registros.




Tópicos relacionados

Racismo Policial   /    Povos indígenas   /    Violência policial   /    Internacional

Comentários

Comentar