Internacional

GOLPE DE ESTADO EM MIANMAR

Repressão do exército deixa ao menos 30 mortos em um bairro operário em Mianmar

Segundo informes da imprensa local, o ataque do exército ocorreu após o incêndio de duas fábricas de capital chinês.

segunda-feira 15 de março| Edição do dia

EFE/EPA/STRINGER

Neste domingo, o exército golpista de Mianmar atacou a zona industrial de Hlaing Tha Yar, um dos bairros mais populosos e com maior concentração de trabalhadores do país. A mídia local noticia pelo menos 14 mortes nesta área, que é uma das cidades-satélites da capital Yangon, além de outras 14 na própria capital. A repressão foi desencadeada depois que duas fábricas de capital chinês foram incendiadas.

A embaixada chinesa disse que muitos funcionários chineses ficaram presos e ficaram feridos após ataques incendiários realizados por agressores não identificados contra fábricas de roupas no distrito industrial de Hlaing Tha Yar e que pediu a Mianmar que proteja a propriedade e os cidadãos chineses.

Após o massacre, o exército declarou a lei marcial na área. Como denunciou Andrew Tillett-Sacks, ativista e sindicalista do país, em sua conta no Twitter trata-se de “um massacre dirigido aos trabalhadores e aos sindicatos” que são os que resistem ao golpe de estado.

A rede de televisão Myawadday, comandada pelo exército, disse que as forças de segurança agiram depois que quatro fábricas de roupas e uma fábrica de fertilizantes foram queimadas e cerca de 2.000 pessoas impediram que caminhões de bombeiros chegassem a elas.

As últimas mortes elevariam o número de vítimas dos protestos para mais de 100, enquanto o grupo de defesa da Associação de Assistência a Presos Políticos afirmou que até sábado, mais de 2.100 pessoas também haviam sido detidas.




Tópicos relacionados

Mianmar   /    Repressão policial   /    Golpe de Estado   /    Trabalhadores   /    Repressão   /    Internacional

Comentários

Comentar