Mundo Operário

DESEMPREGO

Rede de mercados Dia vai demitir 753 trabalhadores no Rio Grande do Sul

A rede de mercados Dia anunciou que vai encerrar as atividades no Rio Grande do Sul, fechando as portas de seus 70 estabelecimentos no estado. Alegando queda nos lucros, a multinacional espanhola vai tirar o sustento de 753 famílias.

quarta-feira 9 de setembro| Edição do dia

Desde o início do ano, a rede Dia vem fechando unidades no Rio Grande do Sul, já foram várias lojas fechadas e dezenas de trabalhadores demitidos. Agora o plano é encerrar de vez as atividades, a empresa alega queda no faturamento e que pretende reestruturar a operação no estado, mesmo tendo resgistrado uma alta de 20% nos lucros no Brasil em meio à pandemia. Demitirão 753 trabalhadores de um serviço essencial.

O acordo que a empresa e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, ligado à Força Sindical, querem fechar prevê apenas o pagamento da recisão e a miserável “compensação” de 1 ano de registro em um site de procura de empregos. Um deboche com estes trabalhadores, como se um site pudesse resolver o problema do desemprego no qual milhões inclusive perderam as esperanças e desistiram da procura, os chamados “desalentados”.

A multinacional europeia quer fazer os trabalhadores pagarem o prejuízo da crise, deixando centenas de desempregados em meio à pandemia, ao mesmo tempo que o país bate recordes de desemprego, os preços dos alimentos sobem cada vez mais e o auxílio emergencial, já insuficiente, será reduzido pela metade. Esse é o destino que os empresários querem para os trabalhadores: desemprego, miséria e fome.

Os empresários tem se apoiado nas MPs da fome criadas por Bolsonaro para abaixar salários, suspender contratos e continuar demitindo trabalhadores. Mas são os empresários que devem pagar pela crise! A pandemia mostrou mais do que nunca que são os trabalhadores que movem a sociedade, nos serviços essenciais e não-essencias, e não precisam de seus patrões sanguessugas.

É preciso um plano de emergência dos trabalhadores para combater o desemprego, com proibição das demissões e confisco dos bens das empresas que demitirem. Trabalho não falta, o confisco das grandes fortunas dos bilionários poderia financiar um plano de obras públicas que gere empregos, assim como a divisão das horas de trabalho sem redução salarial poderia garantir trabalho para todos, e também um auxílio emergencial de 2 mil reais para sustentar as famílias dos que não puderem trabalhar. Medidas como essas podem fazer que não sejam os trabalhadores, mas os capitalistas que paguem pela crise!




Tópicos relacionados

Crise capitalista   /    Rio Grande do Sul   /    Demissões   /    Porto Alegre   /    Desemprego   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar