Economia

Recorde: Brasil registra 14,2 milhões de desempregados no trimestre até janeiro

Fruto da gestão de Bolsonaro, o país já registra um porcentual de 14,2% de desemprego.

quarta-feira 31 de março| Edição do dia

Foto: Reprodução

Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) iniciada em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Brasil bate novo recorde de desemprego, já são 14,272 milhões de pessoas desempregadas no trimestre encerrado em janeiro de 2021.

O total de desocupados cresceu 1,5% em relação a outubro, 211 mil pessoas a mais em busca de uma vaga. Em relação a janeiro de 2020, o número de desempregados aumentou 19,8%, o que significou 2,359 milhões de pessoas a mais procurando trabalho.

Veja também: Abertura de empregos formais cresce em fevereiro no Brasil, mas precarização avança

A população inativa somou 76,377 milhões de pessoas no trimestre encerrado em janeiro, 817 mil a menos que no trimestre anterior. Já em relação ao mesmo período do ano passado, a população inativa aumentou em 10,644 milhões de pessoas.

O nível da ocupação - porcentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar - subiu de 48,0% no trimestre encerrado em outubro para 48,7% no trimestre até janeiro. No trimestre terminado em janeiro de 2020, o nível da ocupação era de 54,8%.

Esse é o reflexo da gestão de Bolsonaro e dos governadores frente a crise sanitária e econômica. Enquanto já se registra mais de 312 mil mortes por Covid-19, e o aumento da miséria, o auxílio emergencial ofertado pelo governo de Bolsonaro e Mourão em acordo com os golpistas é de R$ 150 reais, o que não paga nem mesmo uma cesta básica.

Informações da Agência do Estado




Tópicos relacionados

Miséria capitalista   /    COVID-19   /    Governo Bolsonaro   /    Desemprego   /    Economia

Comentários

Comentar