×

Absurdo | ’Qual é o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?’, diz Guedes

"Isso vai causar perturbação, empurra a inflação um pouco para cima, BC tem que correr um pouco mais atrás da inflação", afirmou no lançamento da Frente Parlamentar do Empreendedorismo.

quinta-feira 26 de agosto | Edição do dia

Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O ministro da Economia, Paulo Guedes, questionou nesta quarta-feira (25) qual seria o problema de a "energia ficar um pouco mais cara porque choveu menos". De acordo com o ministro, o país conseguiu se organizar em meio à pandemia, então não haveria razão para "ter medo". "Se ano passado que era um caos, nos organizamos e atravessamos, por que vamos ter medo agora? Qual é o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?", disse Guedes durante o lançamento da Frente Parlamentar do Empreendedorismo, na Câmara dos Deputados, nesta quarta (25).

Sobre o assunto: Aneel reajusta taxa extra de energia em 52% e já prepara novo aumento

A energia elétrica exerceu o maior impacto individual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15). O agravamento da crise hídrica deve fazer com que o patamar 2 da bandeira tarifária vermelha da conta de luz volte a subir já a partir de setembro. Especialistas a par das discussões afirmam que o reajuste pode levar o atual patamar 2 de R$ 9,49 por kw/h consumido para R$ 11 ou até R$ 15 – um reajuste de mais de 50% neste adicional.

Pode interessar: Reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste tem em maio o menor nível desde 2001

Pressionada pelo aumento da conta de luz, a inflação acumulada em 12 meses chegou à marca de dois dígitos em quatro capitais do País no IPCA-15 de agosto: Porto Alegre (10,37%), Goiânia (10,67%), Fortaleza (11,37%) e Curitiba (11,43%). Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 25. O Brasil hoje passa pela taxa recorde de desemprego de 14,7%, com 113 milhões de brasileiros em situação de vulnerabilidade alimentar enquanto Guedes fala para “não ter medo” e que “superaram o ano passado”, enquanto o país acumula mais de 500 mil mortos por COVID-19.

Leia também: Guedes defende dólar a R$ 5,00, diz que pobres “se beneficiam” e “ricos viajam pra dentro”




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias