Internacional

MOVIMENTO DE MULHERES

Protestos massivos na Polônia pelo direito ao aborto: "Vamos à greve das mulheres"

Manifestações massivas estouraram nas ruas polonesas: protestando contra as restrições ao direito ao aborto e, de forma mais geral, contra a política conservadora do governo e da Igreja Católica.

quarta-feira 28 de outubro| Edição do dia

Desafiando as restrições da Covid, as concentrações se multiplicaram exigindo a anulação da decisão do Supremo Tribunal Federal, que, desde quinta-feira passada, impõe a proibição quase total do aborto. Para esta quarta-feira, as ativistas convocam uma greve das mulheres. “Não vamos trabalhar, nem estudar, nem ir às universidades. Nem abrimos empresas. Temos que parar essa Polônia por um tempo e fazer uma nova", anunciou a ativista Marta Lempart.

As igrejas têm sido um foco especial para os manifestantes, em um país onde a Igreja Católica mantém enorme influência sobre o estado e o atual governo. Os ativistas invadiram as massas com virulência, muitos deles personificados como na série "The Handmaid’s Tale". Alguns deles carregavam pôsteres representando uma mulher grávida crucificada. Durante a noite de domingo, grupos católicos nacionalistas ameaçaram atacar as marchas femininas, em um clima de tensão crescente.

Os protestos começaram após a decisão do tribunal que restringiu quase totalmente o que já era uma das leis de aborto mais restritivas da Europa. Agora eles se generalizaram, expressando o mais profundo mal-estar que existe em muitos setores contra o governo, que tem uma postura conservadora e católica muito marcada. Conforme relatado pelo New York Times na terça-feira: “Os manifestantes estão exigindo que o tribunal se retrate e um número crescente também está pedindo a liberalização total da lei do aborto. Os protestos se espalharam de cidades para vilas e aldeias e as mulheres encontraram o apoio de alguns setores inesperados, como motoristas de táxi, fazendeiros e mineiros de carvão, todos com suas próprias queixas contra o governo.

De acordo com a Deutsche Welle, as mulheres se mobilizaram com faixas dizendo: "Basta!", "Isso é um inferno para as mulheres" e "Eu quero opções, não terror". Piotr Wybanski, um manifestante entrevistado pela Reuters, disse: "Não me importa se isso significa uma semana, um mês, três meses ou três anos. Vou protestar aqui dia após dia." Marta Lempart, líder do grupo que organizou a Greve das Mulheres, disse que se preparam para esta quarta-feira uma greve e uma marcha de protesto para convergir na sexta-feira em Varsóvia, onde estão a sede do governo, o tribunal constitucional e a sede do partido governante de direita.

Outras faixas, dirigidas ao governo e juízes, diziam: “Suas mãos estão manchadas de sangue” e “Lute contra o vírus, não contra as mulheres”. A Polônia é atualmente um dos países da Europa com a maior taxa de infecções, que explodiram nesta segunda onda e à medida que o inverno rigoroso se aproxima.

Com a sua nova resolução, o Supremo Tribunal Federal proíbe o aborto em caso de anomalia no feto, uma das poucas condições que a lei polaca permitia até agora para a realização de abortos, juntamente com outras como o risco para a saúde da mãe ou o estupro. Mas quase a maioria dos abortos legais realizados na Polônia no ano passado atendeu ao primeiro critério, porque a decisão da Suprema Corte praticamente proíbe os abortos legais em sua totalidade.

Claro que isso não significa que eles reduzam o número de abortos realmente realizados. Muitas mulheres são forçadas a viajar para outros países europeus para levá-los adiante, como as espanholas fizeram durante o regime de Franco. Ou, como em grande parte do mundo, milhares de abortos são realizados clandestinamente, colocando a vida das mulheres em sério risco.




Tópicos relacionados

Polônia   /    Protestos   /    Legalização do Aborto   /    Aborto   /    Direito ao aborto   /    Internacional

Comentários

Comentar