Internacional

EUROPA ORIENTAL

Protestos massivos na Bielorrússia colocam Lukashenko em apuros

Um mês após o início do movimento na Bielorrússia contra a sexta reeleição de Lukashenko. Neste domingo, pela terceira vez, uma manifestação de magnitude histórica ocorreu em Minsk, apesar da repressão e das tentativas do Governo de acalmar os protestos.

sexta-feira 4 de setembro| Edição do dia

Em 9 de agosto, o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko foi reeleito como chefe do país pela sexta vez consecutiva desde 1994. Desde então, as manifestações não cessaram: grande parte da população desconfia dos resultados, que lhe dão como vencedor com um insólito 80% dos votos. Os manifestantes exigem uma contagem de votos, incluindo novas eleições.

Quais setores estão na linha de frente do movimento?

Este domingo, 30 de agosto, ocorreu na capital em um terceiro dia de manifestações de grande escala, que reuniram, arredondando, 100.000 pessoas, números semelhantes às manifestações recordes de domingo, 16 e 23 de agosto.

No dia anterior, sábado 29 de agosto, uma manifestação de mulheres havia dado nova vida ao protesto, como notícia o journal francês Le Monde, que informa que "milhares de mulheres, muitas vestidas de branco, marcharam em Minsk e romperam o cordão policial que tentou contê-las".

Por outro lado, ocorreu um relativo debilitamento do movimento nas fábricas, onde houve muitas greves em meados de agosto. De acordo com o jornal francês Le Figaro, "até agora, as autoridades conseguiram parar o movimento de greve - brandindo a ameaça de demissões ou recolocações - em grandes empresas estatais (construção mecânica, em particular), que constituem a base da economia. No entanto, continuam as greves nas minas de potássio de Belaruskalli, o maior produtor mundial. Em todos os lugares, prevalece uma ânsia surda, que pesa sobre a produtividade das empresas em pelo menos 25%, de acordo com uma boa fonte."

Qual é a reação do poder local?

Diante da magnitude das manifestações, Lukashenko tentou intimidar e suprimir as manifestações. No entanto, de acordo com o Le Monde, "À noite, [Lukashenko] apareceu no palácio presidencial, com um jaleco à prova de balas, rifle automático na mão, postura ameaçadora. Como para se dar mais peso a essas imagens banais, veículos blindados com armas de fogo entraram na capital ao mesmo tempo, à noite. Eles então se dispersaram pela cidade sem intervir no encontro cara a cara entre o líder e seu povo."

Além disso, a polícia "realizou prisões (140 segundo fonte oficial), escolhendo ao azar entre manifestantes pacíficos, para intimidar as massas. [...] Os manifestantes foram então golpeados sistematicamente no meio da rua e dezenas de atos de tortura foram cometidos sob custódia."

Le Point, journal francês, também relata dois casos de “suicídio” de manifestantes por enforcamento, que na realidade poderiam ser assassinatos orquestrados pelas autoridades; assim como “noventa desaparecidos registrados” desde o início do movimento.

As autoridades também estão tratando de silenciar os jornais: segundo Paris Match, da imprensa francesa, “no sábado 29 de agosto, as autoridades bielorrussas retiraram credenciais de vários jornalistas de meio estrangeiros. Entre eles, profissionais da BBC, Radio Liberty, AP e AFP anunciaram a retirada de sua autorização para trabalhar no território. "

O que vem a seguir para o movimento?

De acordo com vários meios de comunicação, o presidente Luckashenko parece estar "cedendo". Na segunda-feira, ele falou da ideia de um "referendo constitucional", sem especificar os termos ou o cronograma. Ele também teria reconhecido que a Bielorrússia seria um "sistema um tanto autoritário".

Neste domingo, os manifestantes enfrentaram a repressão, a ponto de a rede LCI escrever que "o confronto parece ter se tornado parcialmente a favor da oposição".

O motivo desta afirmação: uma cena filmada nas redes sociais onde vemos "policiais vestidos de farda saindo de uma van sem distintivos para tentar deter um manifestante. Eles só tentaram, porque muito rapidamente dezenas de pessoas vêm apoiar o último para libertá-los. Os policiais fracassam e sua van é atacada pelos manifestantes." A LCI transmite a análise de Benot Vitkine, correspondente do jornal Le Monde de Moscou e recente prêmio Albert London, segundo o qual esta cena mostra que "o medo mudou de lado” no país. "Durante anos, essas vans distintas com policiais comuns representavam arbitrariedade, a impossibilidade de qualquer reunião."

Para o RFI, o movimento parece estar em um "beco sem saída", uma forma de "empate" temporário entre o governo e os manifestantes. No entanto, para Anna Colin Lebedev, professora da Universidade de Nanterre, em Paris, e especialista em sociedades pós-soviéticas, Lukashenko e seu governo inevitavelmente cairão.

Mas o sistema não vai cair sozinho. Para isso, seria essencial que o movimento ultrapassasse suas fronteiras subjetivas e organizacionais, em particular indo além do projeto político liberal e populista de Svetlana Tikhanovskaca, a principal figura da oposição. A participação de setores de massa da classe trabalhadora no movimento, que está envolvido desde meados de agosto, é absolutamente necessária para reunir o poder necessário para derrubar Lukashenko. Seria, portanto, essencial que a classe trabalhadora se organizasse independentemente do Estado e das diversas frações das classes dominantes e propusesse um projeto social alternativo e progressivo para as classes sociais oprimidas e exploradas.




Tópicos relacionados

Leste Europeu   /    Internacional

Comentários

Comentar