Internacional

ELEIÇÕES MÉXICO 2015

Professores queimam sedes do INE em Chiapas

Sergio Moissen

Dirigente do MTS e professor da UNAM

sábado 6 de junho de 2015| Edição do dia

Os professores da Seção 7, que estão em greve por tempo indeterminado desde 1º de junho, controlaram dez caminhões-tanque e distribuíram gratuitamente combustível aos motoristas. Segundo o jornal Excelsior, a Assembleia Estatal Permanente da Seção 7 votou que os caminhões-tanques deveriam distribuir o combustível.

Milhares de professor bloquearam a estrada de Tuxtla Gutierrez e também saquearam trailers comerciais da Coca-Cola e da Bimbo. Desde a quarta-feira, 3, ocuparam as sedes do INE e incendiaram o local.

Na entrada principal de Tuxtla, num ponto conhecido como La Pochota, na saída rumo à Cidade do México, os professores saquearam um caminhão com copos plásticos, um com leite e outro de farinha para distribuir aos motoristas e pedestres.

Segundo o jornal Proceso “fora das duas sedes foram pichadas com frases alusivas ao desaparecimento dos 43 estudantes de Ayotzinapa. Desde 1º de junho os professores lideram mobilizações em repúdio ao processo eleitoral e em respaldo aos familiares dos 43 estudantes desaparecidos”.

Em La Pochota, os maestros queimaram documentos civis pertencentes ao Órgão de Fiscalização Superior do Congresso do Estado (OFSC). Na cidade Frontera Comalapa, moradores invadiram um depósito da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedesol).

Já é, em décadas, a eleição mais conturbadas, o que desmascara o caráter fraudulento da transição negociada iniciada em 2000.

Os familiares dos 43 estudantes de Ayotzinapa estão convocando o repúdio ao processo eleitoral e a exigência à apresentação dos desaparecidos. Organizações como o Movimiento de los Trabajadores Socialistas (MTS) propõem a anulação do voto com o slogan #Faltan43.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar