Internacional

América do Sul

Venezuela: professores protestam por salários, condições de trabalho e contratação coletiva

Professoras e professores protestaram nesta quarta-feira em várias cidades do país em uma nova jornada de reivindicações por um salário digno, ao nível de uma cesta básica, por melhores condições de trabalho, cumprimento do contrato coletivo e mais orçamento para a educação pública.

quinta-feira 22 de outubro| Edição do dia

Em Caracas estiveram presentes dezenas de professores e também noutras cidades do interior do país em um protesto generalizado. Desde o meio da manhã eles se reuniram em frente ao Ministério da Educação, enquanto outros sindicatos o fizeram em frente à Inspetoria do Trabalho.

O movimento de professoras e professores do país começou nesta quarta-feira com faixas e atos presenciais onde expõem a precariedade que existe na área educacional. Em vários lugares, o protesto do magistério foi apoiado por trabalhadores da saúde, como se viu em Caracas, bem como os do setor elétrico, como ocorreu em Lara, que se somaram em suas reivindicações trabalhistas por melhores salários.

Eles rejeitaram o ridículo pagamento do primeiro mês de gratificação de Natal aos professores, que não chegava a dois dólares, que não dá nem para comprar um quilo de carne, muito menos para comprar os produtos básicos da cesta básica. “Com 500 quinzenais não me consigo alimentar” era um dos lemas dos trabalhadores, que com apitos e faixas exigiam um rendimento digno.

“Estamos exigindo que nossas demandas sejam atendidas. Temos um acordo coletivo de trabalho que foi violado em 100%. Os professores estão em situação de miséria, há professores que estão morrendo porque não podem arcar com as despesas”, declararam alguns professores.

Os protestos dos professores também ocorreram em estados como Miranda, Carabobo, Lara, Zulia, Táchira, Anzoátegui, Sucre e Apure, entre outros. Assim, educadores do eixo Guarenas-Guatire, no estado de Miranda, aproveitaram a avenida Intercomunal para exigir melhorias nas condições de trabalho que vão desde melhores salários até o respeito aos contratos coletivos.

Ainda em Lara, professores e outros trabalhadores do setor de educação se reuniram nesta quarta-feira em frente à Catedral de Barquisimeto, para cobrar demandas trabalhistas. Os educadores sobrevivem porque tiveram que entrar no mercado informal, fazem qualquer coisa em casa ou recebem ajuda de parentes que tiveram que migrar - acrescentam alguns dirigentes sindicais.

No sul de Anzoátegui, eles se reuniram na Praça Bolívar de El Tigre para se juntar ao protesto nacional pela grave situação vivida por todos os educadores do país. Da mesma forma, protestos foram realizados em Los Teques, Cumaná, entre muitos outros lugares.

Mais uma vez ouviram-se canções de protesto como "e não, e não, e não quero sair, quero um salário decente para ficar no meu país"; “E o leite sobe, e a carne sobe, e os professores passam fome”; “Senhor Presidente, nós o convidamos a viver um mês com o que ganhamos; “Não tenho água, não tenho luz, não tenho dinheiro para pagar o ônibus”, entre muitos outros.

Em Caracas, os educadores, em vez de serem recebidos pelo Ministro da Educação, quem os recebeu foi um cordão de segurança da Polícia Nacional Bolivariana em frente ao Ministério para intimidá-los. Os educadores anunciaram que continuarão protestando até que suas reivindicações sejam atendidas, incluindo um salário igual à cesta familiar, reivindicação que se estende a todos os trabalhadores do país.




Tópicos relacionados

Salário   /    Fome   /    América Latina   /    Professores   /    Internacional

Comentários

Comentar