VIDEO - EDUCAÇÃO - VACINA PARA TODOS

Professora defende vacina para todos: rodoviários, metroviários, trabalhadores da limpeza

Em uma assembleia virtual, dirigida pela Direção Central do CPERS (PT/PCdoB/PDT) no RS, a Professora Vanessa defende vacina para todos, “rodoviários, metroviários, trabalhadores da limpeza.”

terça-feira 4 de maio| Edição do dia

Professora da base, sorteada para falar na assembleia dos professores estaduais gaúchos, quebra o muro da burocracia da direção do CPERS Sindicato e fala sobre a necessidade de vacinação massiva da população e da unidade com outras categorias para combater a crise do retorno inseguro às aulas.

Em uma assembleia bastante controlada, construída entre apoiadores da direção e não amplamente na base da categoria, em que questões de ordem foram ignoradas e microfones cortados, uma professora, entre os 4 nomes sorteados da base para falar, expressou o sentimento geral da categoria, pegando de surpresa a direção central do CPERS. Diversas categorias disputam por serem prioritários na vacinação, como rodoviários, metroviários e trabalhadores da limpeza das cidades. Um verdadeiro absurdo no país de Bolsonaro, que não garante a vacinação massiva pelo SUS. Essas disputas entre categorias, para ver quem é vacinado primeiro diante da escassez de vacinas, dividem a classe trabalhadora.

A professora Vanessa, militante do Movimento Nossa Classe Educação, abordou esse tema ao defender a vacinação de todos, para que as trabalhadoras e trabalhadores da educação não sejam mais uma categoria a disputar a prioridade na vacina, como defende a direção central do CPERS de forma corporativa. Após, outros professores falaram sobre a importância de lutar pela quebra das patentes das vacinas para a vacinação de todos pelo SUS. Vanessa ainda fala sobre a importância de defender as professoras e funcionárias em regime de contrato precário da categoria, que é quem mais sofre com a pandemia e terão seus empregos colocados em risco com o retorno inseguro.
Assista à fala completa no vídeo:

Leia também:Raquel Teixeira quer retorno presencial das aulas mas ainda não pisou na SEDUC RS

Contratadas da educação com comorbidades podem ser demitidas sem direitos no RS

Educação como serviço essencial no RS para além da pandemia um ataque ao direito de greve

A bandeira vermelha do Leite e manchada de sangue dos professores e da comunidade escolar




Comentários

Comentar