Sociedade

INFLAÇÃO

Preço da carne ‘explode’: mais lucros para o agronegócio e mais fome para os trabalhadores

O preço subiu quase 40%, enriquecendo o agronegócio e trazendo a fome para os trabalhadores.

quinta-feira 19 de novembro| Edição do dia

Imagem publicada pelo desenhista - André Dahmer.

Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o preço da carne subiu quase 40% nos últimos 12 meses. O quilo do patinho nos açougues do Rio de Janeiro pode chegar a R$ 44,90 e do filé mignon a R$ 90.

Nessa semana de novembro, o desenhista André Dahmer divulgou uma foto produzida por ele com os valores reais do preço de cortes de carnes atualmente. “Vamos fazer arminha com a mão porque o quilo do patinho chegou a 45 reais. Foto minha, Cobal do Humaitá, Rio de Janeiro”, escreveu o desenhista.

O aumento é fruto dos lucros que o agronegócio tem tido com as exportações. Quanto maior a valorização do dólar, mais se exporta carnes e grãos, como milho, soja e arroz, para encher o bolso dos capitalistas da terra - que são aqueles para quem o governo Bolsonaro, Mourão e os golpistas trabalham. Mas isso causa uma escassez no mercado interno, fazendo com que os preços aumentem e somente uma seleta parte da população possa consumir os produtos, ou seja, quem tem maiores salários ou poder aquisitivo.

Para as centenas de milhões de trabalhadores, que são quem sustentam a riqueza de poucos e os verdadeiros produtores de tudo, somente sobra a fome, pois quando se inclui também o aumento de grãos, faltam esses itens também nas refeições de grande parte da classe trabalhadora.

Veja também:

Inflação dos alimentos entre os mais pobres é três vezes maior que aos mais ricos.

Inflação no preço dos alimentos eleva cotações de demais produtos e serviços.




Tópicos relacionados

Inflação nos alimentos   /    Governo Bolsonaro   /    Fome   /    Trabalhadores   /    precarização   /    Inflação   /    Agronegócio   /    Sociedade

Comentários

Comentar