INSEGURANÇA ALIMENTAR NA PANDEMIA

Má alimentação:59,4% dos lares brasileiros vivem em situação de insegurança alimentar

Dados de pesquisa demonstram a situação de miséria e má alimentação em que a maioria das casas brasileiras está sujeita. Enquanto uma ínfima minoria de burgueses brasileiros se tornam bilionários durante a pandemia, vem se agravando a precária situação alimentar da maioria dos domicílios brasileiros, com muitos recebendo o auxílio-emergencial de Bolsonaro, que nem sequer retira população mais carente da pobreza ou extrema-pobreza.

terça-feira 13 de abril| Edição do dia

Foto: Arquivo/Agência Brasil

59,4% dos domicílios brasileiros apresentaram insegurança alimentar de diferentes níveis no último quadrimestre do ano passado. 40% das casas diminuiram o consumo de carnes e frutas, alimentos fundamentais para se ter uma alimentação saudável.

No Nordeste, que tem a pior situação, existem 73,1% de domicílios na situação de insegurança alimentar. Os dados foram levantados por uma pesquisa divulgada nesta terça-feira(13), que foi feita por pesquisadores da Universidade Livre de Berlim, na Alemanha, junto com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e com a Universidade de Brasília (UnB). Depois do Nordeste, a região com pior situação é o Norte, com 67,7% de domicílios em situação de insegurança alimentar. O Sul tem a melhor situação, mas mesmo assim essa região teve mais da metade dos domicílios (51,6%) em insegurança alimentar. Centro-Oeste (54,6%) e Sudeste (53,5%) também apresentaram números grandes.

A pesquisa foi feita entre novembro e dezembro de 2020 e foi composta por duas mil pessoas entrevistadas, que consideraram sua situação de segurança alimentar a partir de agosto. A Insegurança alimentar significa que um domicílio está em situação de incerteza quanto o acesso à comida no futuro ou que já apresenta redução de quantidade ou qualidade dos alimentos consumidos.

Além dos dados citados acima, a pesquisa também apontou que 31,7% dos entrevistados apresentam insegurança leve, 12,7% moderada, e 15% grave. A situação grave significa que houve falta de alimento, e com isso, todos que vivem na casa, incluindo as crianças, passaram fome.

Soma-se aos dados da pesquisa acima os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em setembro de 2020. O estudo, pela primeira vez na série histórica, indicou queda nos níveis de segurança alimentar dos brasileiros.

A pesquisa das universidades também apontou que 63% dos entrevistados usaram o auxílio-emergencial para comprar alimentos em 2020.

O novo auxílio emergencial não é capaz de retirar os seus beneficiários da linha da pobreza, e ainda há regiões em que os beneficiários não conseguem nem sair da linha da extrema-pobreza. Para Bolsonaro e todos os outros atores do regime golpista, como o STF, o Congresso e os governadores, a vida do povo brasileiro é uma piada, pois a estes é destinado uma vida de fome, desemprego, miséria, contaminação etc. enquanto que os ricos e os capitalistas seguem tendo os seus lucros intactos e cada vez maiores.

Veja mais: População abaixo da linha da pobreza triplica na pandemia e atinge 12,8% dos brasileiros

Auxílio Esculacho: Bolsonaro propõe R$5 por dia para o povo viver




Comentários

Comentar