Mundo Operário

DENÚNCIA

Portuários de Suape são forçados a trabalharem doentes: “A gente tá entregue a sorte”

terça-feira 30 de março| Edição do dia

“Aqui onde eu trabalho as pessoas que estão sentindo sintomas são afastadas silenciosamente, sem informar ninguém. Quando o exame diz que não ta com vírus, mesmo assim a gente ganha 14 dias de atestado, mas a enfermeira recebe ordem dos chefes e imediatamente ela liga no momento assim que você recebe o resultado do exame e você tem que voltar pra trabalhar no mesmo dia mesmo se tiver tossindo doente, com sintomas e passando mal”.

Essa é a realidade de muitos trabalhadores do Porto de Suape em Pernambuco. São forçados a trabalharem doentes, mesmo com atestado. Independente de qual seja a origem da doença, estando doente e tendo o atestado fornecido por profissionais da saúde, é direito do trabalhador o repouso. Este direito básico está sendo negado. A prática absurda orientada pela chefia de coagir o trabalhador a retornar ao trabalho configura assédio moral.

O relato contínua:

“Eu já presenciei colegas que ainda estavam se sentindo mal, com sintomas, e a empresa mandou mesmo ele vim trabalhar no mesmo dia, pra eles o importante é a economia não parar, tem que voltar ao trabalho, mesmo estando de atestado, não cumprem o atestado de 14 dias, não cumpre, tem que voltar no mesmo dia. O pai de um colega do outro turno faleceu semana passada de covid e esse colega da gente tá internado na entubação”.

É amplamente sabido que todos os testes disponíveis têm chances consideráveis de falharem e dar falso negativo. Por isso os médicos corretamente prescrevem as quarentenas de 14 dias, garantindo preventivamente o isolamento de quem possui os sintomas. Sem falar que estando doente, com o corpo e a imunidade debilitada, aumenta gravemente a chance de contrair a covid-19 de outras pessoas.

Sobre o sindicato ele afirma:

“E aqui o sindicato não deu as caras durante a pandemia, o sindicato é só fachada. A gente sabe que é um sindicato vendido. Não fazem nada. A gente tá entregue a sorte. A gente tenta conscientizar o pessoal, mas muitos ai com o medo de perder o emprego vivem matando e morrendo pelo patrão. Infelizmente. A situação está muito complicada”.

Como em muitos lugares o sindicato desses portuários está de costas para os trabalhadores, mesmo nessa situação calamitosa, estão em trégua e do lado da patronal. Paulo Câmara aplica a quarentena restritiva, mas embaixo do tapete deixa que as massas de trabalhadores sigam se contaminando, pois para esses políticos e os capitalistas a vida deles não importa, tudo que importa é o lucro.

Ouça e compartilhe o Podcast Peão 4.0

Todos os dias, ouça a realidade contada a partir dos trabalhadores em 5 minutos

Traga a sua denúncia também para o Esquerda Diário, garantimos anonimato.
Whatsapp: 11 97750-9596




Tópicos relacionados

Denúncias operárias   /    Pernambuco   /    Corte de direitos   /    Pandemia   /    Nordeste   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar