×

ATOS 13J | Por que as direções das Centrais Sindicais e da UNE dividiram os atos do 13J?

Diversas manifestações foram marcadas para o dia 13J, fruto da pressão de não estender um ato só até dia 24 de julho. Mas por que frente a medida de privatização dos Correios não se unificaram as Centrais convocando os atos de manhã dos Correios e os de tarde convocando pela UNE e frente políticas?

Calvin de OliveiraEstudante de Geografia da UFF - Niterói

terça-feira 13 de julho | Edição do dia

Como já tratamos, a privatização dos Correios não impacta somente os 90 mil trabalhadores da empresa, também impacta o conjunto da classe trabalhadora brasileira, os estudantes, jovens e o conjunto da população. Perde-se uma importante ferramenta de logística do Estado brasileiro para o mercado privado, em especial, a imperialista Amazon. Um grande ataque aos direitos dos trabalhadores e as condições de vida da população, em meio aos atos que ocorreram nos últimos finais de semanas.

Por que então a direção dos atos contra Bolsonaro, mantém a divisão entre os atos da classe trabalhadora e as manifestações contra Bolsonaro, como por exemplo a de hoje do dia 13J? Nesse dia foram chamadas manifestações contra Bolsonaro pela tarde pelo país, mas a direção da CUT/PT e CTB/PCdoB manteve atos de manhã de trabalhadores dos correios enquanto as manifestações do 13J ficaram na maioria do país para o final da tarde. A unidade com a direita apoiadora da privatização pode, mas entre trabalhadores, estudantes etc, fica para quando?

Após os atos do dia 19J, marcaram atos somente para dia 24 de julho, mais de 1 mês depois, foram as denúncias dos irmãos Miranda que forçaram as direções dos ato a adiantar o chamado para o dia 3J. De ato em ato, ainda que seja importante nos mantermos nas ruas, as direções do PT e PCdoB, que dirigem as campanhas contra Bolsonaro e levam a reboque a esquerda calada, desgastam Bolsonaro e preparam cada vez terreno para Lula em 2022, daí tem claro um efeito colateral, a direita aliada de Biden também quer seu espaço com o desgaste do bolsonarismo e Lula faz acenos: “Porque não um Correios e Caixa de economia mista?”(privatizados), conversas com FHC etc.

“Não podemos esperar 2022”, bem mas o que fazer? Uma greve geral que pararia o país, como fizeram os indígenas para garantir seus direitos. A classe trabalhadora unificada paralisando sua produção, afetando não só Bolsonaro mas também toda a burguesia por trás dele, colocaria a cabeça de todo o regime em xeque pelos métodos dos trabalhadores. Mas não é isso que tá colocado agora, pelas políticas do PT e PCdoB. Por isso propomos um comitê pela greve geral de todos setores à esquerda do PT, que se junte para exigir uma greve geral e que dê exemplo nos locais onde tem mais forças, organizando os trabalhadores e os estudantes desde as bases. Ao inverso da Assembleia Povo na Rua Fora Bolsonaro que, mais parece uma live, não organizou de fato os atos pela base.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias