×

CORRUPÇÃO NAS VACINAS | Polícia Federal abre inquérito para investigar compras da Covaxin

A Polícia Federal abriu inquérito para investigar a negociação para aquisição das doses da vacina indiana Covaxin, alvo de investigação do Ministério Público Federal e também da CPI da Covid

quarta-feira 30 de junho | Edição do dia

Foto: EPA/JAGADEESH NV

A Polícia Federal abriu inquérito nesta quarta-feira (30) para investigar as negociações de aquisição da vacina Covaxin, produzida na Índia. O diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, atendeu a um pedido do ministro da Justiça, Anderson Torres, e enviou a apuração para o Serviço de Inquérito Especiais que geralmente cuida de inquéritos direcionados ao tribunais superiores.

Pode te interessar: TCU vê indícios de fraude no investimento de R$40 milhões envolvendo sócio da Precisa

As negociações para aquisição da Covaxin também são alvos do Ministério Público e da CPI da Covid. O imunizante é o mais caro negociado pelo governo até agora e o contrato foi firmado entre o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos, empresa que intermediou as negociações. Também nesta quarta, a Procuradoria da República no Distrito Federal abriu uma apuração criminal para apuar as negociações.

Veja também: Diretor de Logística da Saúde é exonerado após envolvimento no pedido de propina das vacinas

O Ministro da Saúde Marcelo Queiroga e o Ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, anunciaram ontem (29) a suspensão do contrato de compra da Covaxin. Segundo a nota divulgada, a suspensão tem como objetivo fazer uma "análise mais aprofundada". Isso pouco tempo depois do próprio Ministério ter divulgado que não encontrou irregularidades no contrato. O Ministro Wagner Rosário afirmou que o contrato permanecerá suspenso enquanto a CGU estiver realizando uma "revisão do processo".

Os esquemas de corrupção, agora em investigação, escancaram as bases materiais do negacionismo de Bolsonaro, que junto das empresas farmacêuticas buscou lucrar em cima da morte de milhares de pessoas. Essa negociação nefasta teria ocorrido em fevereiro quando o Brasil atingia o trágico patamar de 250 mil mortes. Mostrando o preço que o governo Bolsonaro dava pela vida dos milhares de brasileiros mortos.

Leia mais: Queiroga se reuniu com Barros e representante da CanSino para lucrarem com a vacina




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias